Saudação aos 10 anos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro

É com muita satisfação e alegria que o Coletivo Anarquista Luta de Classe saúda os 10 anos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro. Primeiramente esperamos que tal organização irmã, possa seguir em sua luta por uma sociedade justa, socialista e libertária, afinal como os próprios compas da FARJ afirmam não exigem mais que um posto na luta dos explorad@s!

Cabe destacar que para nós do CALC, tal evento tem especial significado, podemos afirmar que somos parte desta história de luta e organização, pois sem o esforço, apoio e confiança da FARJ e seus militantes o especifismo nunca teria germinado no Estado do Paraná. Foram a FARJ e seus militantes que apostaram na militância local e que deram todo o apoio para a formação de nosso coletivo (organização especifica local que atualmente compõem a CAB). Nesse sentido não somente nos espelhamos e inspiramos na vigorosa militância da FARJ, como somos frutos de seu labor militante.

Vida longa a FARJ, afinal sabemos que serão mais muitos de enfrentamento ao capital, seu Estado e suas mazelas, fica a certeza que nos encontraremos nas trincheiras da luta junto aos compas da FARJ!

Viva a FARJ!

Viva a CAB!

30 de agosto de 2013.

CALC

Image

[COMPA] Saudação aos 10 anos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro

Camaradas de luta anarquista,
É com muito entusiasmo e alegria que o COMPA saúda os 10 anos de vida e luta da Federação Anarquista do Rio de Janeiro.
Em verdade foram décadas de acúmulo, esforço e dedicação de uma militância anarquista na capital fluminense que se resultaram em sua fundação no dia 20 de agosto de 2003. Fruto de um resgate fundamental do anarquismo de luta de classes de Ideal Peres, Fábio Luz, José Oiticica e outr@s companheir@s, a FARJ hoje tem uma importância elementar na história do anarquismo do Brasil, desde seus primeiros passos nos primeiros anos de sua fundação, passando por seu constante amadurecimento político e estratégico que se consolidaram em seu Primeiro Congresso, até os atuais avanços históricos para o anarquismo em seu estado e no Brasil, com o fortalecimento do Fórum do Anarquismo Organizado e a fundação da Coordenação Anarquista Brasileira.
Sem o comprometimento e a responsabilidade histórica com o anarquismo nos quais sua militância se estabelece, muitas dessas conquistas talvez estariam mais distantes de serem alcançadas. A FARJ carrega em sua identidade a seriedade, ética e humildade que traduzem primorosamente os princípios do anarquismo e que lhe dão a coerência necessária para caminhar punho ao alto no caminho da luta popular, braços dados às demais lutadoras e lutadores do povo, entre os quais ela se constrói, se fundamenta e se faz legítima, sempre pela base, em direção ao Socialismo Libertário.
A FARJ ocupa ainda uma posição mais importante para o COMPA. O surgimento do debate em Belo Horizonte em torno da organização anarquista e do especifismo se deu por uma admiração, proximidade e inspiração política na FARJ e em sua rica contribuição teórica para o anarquismo. Além de sua militância social e de sua influência anarquista nas lutas da cidade do Rio de Janeiro, sua importância para o anarquismo a nível nacional se faz na construção do anarquismo organizado na CAB e no que ela representa para as demais organizações que estão começando a se construir.
Portanto, saudamos com muita estima o décimo aniversário da FARJ, prestando estas humildes homenagens à nossa companheira de luta e à sua dedicação ímpar em construir o anarquismo e lutar pelo Socialismo Libertário.
Liberdade, Vida e muita Garra ao Tiê-Sangue do Anarquismo!
Que ele alce voos altos e gloriosos rumo ao horizonte que se desmancha na Alvorada da Revolução Social!
Anarquismo é Luta!

[fAu] A 19 años de la masacre del hospital Filtro

La masacre del Filtro

Una masacre que se desató contra la multitud que protestaba en apoyo al asilo de los vascos que cumplían una huelga de hambre en el Hospital Filtro. Ese día, miércoles 24 de agosto de 1994, fue el día fijado para la extradición de los vascos [refugiados políticos en Uruguay cuya extradición pedía el PSOE]. Este día decenas de coraceros apoyados por granaderos, patrulleros y agentes policiales uniformados y de civil cargaron a sablazos, garrotazos y balazos contra miles de personas que se habían concentrado en las inmediaciones del Hospital Filtro. El operativo represivo estaba conducido por el Inspector Nacional José Dávila y el Inspector General Pablo Gerjiulo que dependían de la orden directa del Ministro del Interior, Gianola.

Se estima que había unas cuatro mil personas en torno al Filtro. La represión puso en movimiento 500 efectivos policiales, más de 100 vehículos y el tipo de armamento utilizado fue: revólveres calibre 38, mágnum 357, pistolas 9mm, escopetas de 12 pulgadas y subfusiles 9mm. Estaban coordinados coraceros, radiopatrullas, granaderos y efectivos de la policía caminera.

El preámbulo de la represión mayor comienza en la madrugada del miércoles cuando son dispersados por granaderos gente que estaba acampando con fogones en torno al Filtro. A eso de las 17 y 30 horas los coraceros desalojan un campamento de jóvenes en la plazoleta ubicada en Cufré y Gualeguay. Pero la represión más dura comienza después de las 19 horas cuando patrulleros bajan por Boulevard Artigas y cargan sobre la multitud. Prácticamente bajan de los patrulleros tirando sobre la gente, los estampidos de balas cubren la noche.

Hubo lugares donde estuvo más álgida la represión, tal es el caso del entorno al SEMM donde fue herido Esteban Massa, enfermero que recibió un tiro en la espalda mientras asistía a un herido.

Otro punto de concentración represiva fueron los galpones de CUCTSA en donde mucha gente se había refugiado, ahí entraron los milicos dando palos y tirando con sus armas. Es, en ese momento, en la calle Cufré, donde es asesinado Fernando Morrone.

Más entrada la noche, mientras la represión seguía, es asesinado por la policía, Roberto Facal. Quieren hacer aparecer este asesinato como vinculado a un robo.

Un periodista que fue testigo de los hechos manifestó que: “la represión se concretó a la hora 19 y desde ese momento hasta las 22 y 30 horas el escenario fue dantesco, las calles se transformaron en territorio de nadie, de mi experiencia en este tipo de hechos fue la represión más atroz realizada en las calles de Montevideo”.

Una manifestante que fue herida de bala y que después tuvo que ser operada, declaró: “A eso de las ocho de la noche yo me retiraba de la manifestación, iba hacia Luis Alberto de Herrera cuando empiezan a bajar los patrulleros por Boulevard y los milicos a sacar sus armas y disparar como si fuera una película de guerra”.

Fue la mayor represión en “democracia”, la vez que mostraba sus garras al desnudo una bestia represiva políticamente mandada.

El saldo de esta masacre fue de dos muertos y centenares de heridos.

Mucha gente, especialmente jóvenes, enfrentó el malón brutal y respondió con piedras a los tiros de los milicos.

El entierro de Morroni expresó al tiempo que solidaridad el repudio de una multitud a esa política asesina. Mucha gente, una multitud acompañó los restos de Morroni, desde las bocacalles y las casas la gente expresaba su adhesión a esa marcha dolorida que cubría un amplio trayecto. Así fue hasta la llegada al Cementerio del Norte.

El día 26 de agosto el PIT-CNT decretó Paro General de 24 horas en repudio a este hecho represivo sangriento.

Por su parte el 29 de agosto la FUS realizó un acto y concentración frente a la Sociedad Española donde estaba internado el enfermero Esteban Massa.

El 7 de setiembre se llevó a cabo una interpelación a Gianola en la Cámara de Diputado. Gianola fue respaldado por el gobierno, quien le dio la orden de matar, y dicha interpelación no trajo consecuencias políticas. Gianola siguió en el Ministerio.

El 17 de septiembre los estudiantes de Secundaria convocan a una marcha en repudio a la brutal y asesina represión. La prensa hace terrorismo tratando de evitar esta marcha y diversos rumores corren sobre lo que podría pasar si se realiza. No obstante la marcha es grande, varias cuadras de gente está presente manifestando su repudio. Se quemó un muñeco que simbolizaba un milico Granadero y se corearon consignas como: “Contra la represión, lucha y organización”.

A un año de los acontecimientos del Filtro se realiza la primer marcha recordando a los compañeros caídos y repudiando la masacre. En esta primera Marcha, que fue convocada por la Asamblea Permanente de los DDHH, no participan como organizaciones ni el PIT-CNT ni el FA. No obstante sí participan algunos sindicatos.

Hechos como los del Filtro son de esos momentos en que la bestia sistémica muestra su verdadero rostro. Gianola en una reunión con representantes de los partidos tradicionales quería crear una Guardia Nacional nueva que se ocupara de la vigilancia callejera y dependiera directamente del Ministerio del Interior. Quiso hacer una especie de preestreno el día de la masacre del Filtro. Lacalle respaldó abiertamente en todo momento a Gianola y dijo que todo esto era en defensa de la Democracia. Pretendieron seguir con la escalada represiva cuando suspendieron por 48 horas a las radios CX 36 y CX 44, esta última fue finalmente clausurada.

Episodios como los del Filtro no deben ser olvidados sino por el contrario deben quedar grabados en la memoria colectiva para bien de un saber popular y para que nuestro mejores sentimientos de repudio a la injusticia no se adormezcan jamás.

Cuando se realizó la primer marcha en memoria militante por lo del Filtro ella contó con una gran concurrencia. Pero ese rescate de la memoria no contaba con unanimidad, ciertas direcciones políticas y sindicales querían el olvido. Por ejemplo, Baraibar, figura orgánica del FA manifestaba: “El 24 de agosto es una fecha desgraciada pero es una fecha para olvidar”. Los crímenes contra el pueblo nunca deben ser olvidados ni perdonados.

Desde hace casi diez años la marcha se mantiene y es mucha la gente que espontáneamente concurre a ella. Esto pese a que no son pocos los que desean que todo recuerdo combativo desaparezca de la escena social.

Hoy debemos redoblar esfuerzos para que estos hechos se recuerden para la historia de la infamia y porque nunca sean olvidados aquellos hijos del pueblo que regaron con su sangre generosa luchas solidarias y por un mañana mejor.

Con el recuerdo y la resistencia siempre, con el olvido nunca.

Federación Anarquista Uruguaya (FAU)

filtro.jpg

[CURITIBA] CEL: Encontro Anarquismo: Capitalismo e Estado

Em mais uma edição do C.E.L, chamamos a todos para no dia 26 de agosto dar sequencia a nossos estudos.

Quando: 27 de agosto (terça-feira), 18:30h.

Onde: Santos Andrade, sala 205, no departamento de Psicologia. (a confirmar, em caso de mudança aguarde nas escadarias)

Baixe aqui o texto:https://coletivoanarquistalutadeclasse.files.wordpress.com/2013/04/cel-iv.pdf

Ou fotocopie aqui:

 Rua Amintas de Barros, 192 – Centro, pasta Círculo de Estudos Libertários

Anarquismo: capitalismo e Estado

Neste módulo buscaremos introduzir as análises que os anarquistas tem do capitalismo e do Estado, ambos elementos portadores da negatividade anarquista, ou seja, da razão “destruidora” do anarquismo. O objetivo é compreender a argumentação que deriva de tais análises dos anarquistas que fundamentam a necessidade da destruição do capitalismo e do Estado para instauração da sociedade socialista.

-O sistema capitalista

Mikhail Bakunin

-Capitalismo contemporâneo

Fábio López López

O Estado: alienação e natureza

Mikhail Bakunin

-Uma análise libertária do papel do Estado e da luta por direitos no capitalismo contemporâneo

Bruno Lima Rocha

Saiba mais sobre o C.E.L:

O Círculo de Estudos Libertários (CEL) surgiu como espaço de estudo em janeiro de 2011, com o objetivo de debater “a atuação política, a teoria clássica e contemporânea do Anarquismo, (…) fortalecendo a perspectiva classista, autônoma, socialista e combativa das classes exploradas, em sua formação cultural e intelectual”. Com dois encontros por mês e textos lidos previamente por seus participantes, o grupo teve relativo sucesso no que se propunha a fazer, se tornando ainda “por tabela”, uma referência para os novos companheiros e companheiras interessados nas propostas do anarquismo organizado. A partir de 2012 o CEL tornou-se um espaço ligado ao Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC), continuando dessa forma, aberto a participação dos trabalhadores e trabalhadoras que queiram se debruçar sobre o estudo das lutas sociais e a participação dos socialistas libertários nas mesmas. Seguindo agora em 2013 um programa definido de textos pretendemos melhorar a qualidade de nossos encontros, contribuindo também, para auxiliar a formação teórica da militância anarquista aqui na cidade de Curitiba (PR).

Image

[FAG] 4 anos do assassinato de Elton Brum da Silva

Retirado de: http://batalhadavarzea.blogspot.com.br/2013/08/4-anos-do-assassinato-de-elton-brum-da.html

4 Anos do assassinato do sem-terra Eltom Brum da Silva, executado pela Brigada Militar com um tiro de 12 pelas costas. Os assassinos e os mandantes seguem impunes e nossa luta por Memória e Justiça segue vigente!

Eltom Brum da Silva! PRESENTE!!!
Não tá morto quem peleia!

[COMPA] As ocupações da Câmara e da Prefeitura e a necessidade de Ação-Direta, Autonomia e Independência Política

Coletivo Mineiro Popular Anarquista
Agosto 2013

 

Manifestações mobilizaram mais de 100 mil na capital

Se junho foi o mês das gigantes manifestações de 100 mil em Belo Horizonte, julho foi o mês das combativas ocupações das sedes do governo municipal. Colocando frente a frente os meses de junho e de julho em um debate político, podemos extrair algumas reflexões importantes que evidenciam pontos e princípios táticos necessários para a luta popular.

No dia 29 de junho estava marcada uma sessão na Câmara Municipal para votar o projeto do prefeito Márcio Lacerda que previa a redução da tarifa do ônibus municipal em R$0,05, partindo de mais uma isenção de imposto (ISS) para a máfia das empresas de transporte coletivo da capital. O fato da sessão ter sido às 07:30h da manhã de um sábado para tentar desmobilizar qualquer ação não impediu que centenas de pessoas estivessem presentes na sede do legislativo. O povo se concentrou em frente à portaria da Câmara e foi barrado de forma violenta e arbitrária de entrar na casa. Resultado: projeto votado e aprovado às pressas. Logo após, fuga de todos os vereadores e enfim uma efetiva e massiva ocupação da Câmara.
Câmara Municipal ocupada: ação-direta pelo transporte!
Foram 9 dias de ocupação com uma pauta específica e clara: reunião com o prefeito para tratar do assunto do transporte coletivo de Belo Horizonte. Apesar das tentativas da prefeitura em nos ludibriar, nos enviando “garotos de recado” do prefeito para reuniões nada encaminhativas, a Câmara permaneceu ocupada até que a reunião com o chefe do executivo, o prefeito Márcio Lacerda, fosse realizada. E foi. Através da luta popular forçamos o recuo da intransigência da prefeitura, exigindo e conquistando a reunião com o prefeito; forçamo-lo a reduzir R$0,15 da tarifa – que diz respeito à isenção do PIS/COFINS para as empresas de transporte coletivo por parte do governo federal, o que até então se convertia num lucro ainda mais absurdo à oligarquia do transporte; iniciamos uma vigília e reivindicação mais incisivas e presentes na sociedade em relação à abertura dos obscuros contratos e planilhas da prefeitura e BHTrans com as empresas de transporte; fortalecemos a pauta do passe-livre estudantil e inicializamos o debate sobre tarifa zero na capital. Desocupamos, então, o legislativo, com conquistas importantes e históricas para a cidade, em um domingo que concentrou milhares de pessoas numa atividade cultural politizada que ocupou a região do Viaduto Santa Tereza.O avanço na pauta do transporte e mobilidade urbana aqueceu mais ainda a militância e as expectativas dos movimentos sociais e da luta de BH num modo geral. Foi preciso apenas um mês após a Ocupação da Câmara para que no dia 29 de julho a Prefeitura de Belo Horizonte fosse ocupada de forma inédita por centenas de pessoas, tanto dentro como fora do prédio. Dandara, Eliana Silva, Camilo Torres, Irmã Dhoroty, Ziláh Spósito, Nara Leão, Cafezal e outras comunidades e ocupações urbanas da cidade, em conjunto com os movimentos sociais, organizações, entidades e coletivos populares, resolveram tomar de assalto mais uma vez a agenda intransigente do prefeito Márcio Lacerda. Bastou dois dias de ocupação da prefeitura, da Av. Afonso Pena e da rua Goiás (onde se localizam as duas entradas/saídas do prédio), para que o prefeito fosse forçado a atender as reivindicações populares.

 

Prefeitura ocupada: ação-direta pela moradia!

 

Nessa pauta referente à moradia e reforma urbana a conquista foi ainda maior: suspensão dos mandatos de despejo das ocupações, criação de uma comissão para tratar desse assunto com membros das ocupações, prefeitura, técnicos e outros órgãos, além de reconhecimento das ocupações como áreas especiais de interesse social, o que abre caminho para a regularização das comunidades. A desocupação da prefeitura de uma das maiores cidades do país, quando as companheiras e companheiros que passaram a noite no prédio com fome, sede, frio, sob ameaça da Tropa de Choque e da Guarda Municipal foram recebidas/os calorosamente pelas/os que estavam do lado de fora, foi sem dúvidas emocionante e histórica.
Foi definitivamente um mês difícil para as elites dominantes. As oligarquias empresariais da cidade, principalmente a máfia dos transportes e a da especulação imobiliária perderam algumas regalias que há tanto gozavam. O prefeito, que não gosta de pobre, teve que sentar, ouvir e atender reivindicações dessa gente que ele detesta. A Câmara criou uma comissão especial para tratar de estratégias que impeçam novas ocupações. A PM nada pôde fazer, a não ser ouvir calada as palavras de ordem contra a repressão.
Ação-direta para derrubar as injustiças!
 Essas conquistas nos chamam à reflexão acerca do perfil tático e político de luta para a continuidade das jornadas já em curso e as próximas a serem tramadas. A necessidade de se alinhar em pautas específicas e potencializar nossas forças em torno dessa determinada pauta é imprescindível. Por isso que, nas manifestações de junho, quando a mídia despejou pautas vazias e gritos despolitizados nas mobilizações, não obtivemos avanços e vitórias satisfatórias como obtivemos no mês posterior, com uma mobilização bem menor em termos quantitativos. A pauta que deu início às manifestações de junho, que era de transporte, se esvaiu e perdemos a barganha política poderosíssima que tínhamos em mãos para alcançarmos êxitos e vitórias maiores ainda das que alcançamos nesse mês de julho. 100 mil pessoas nas ruas pela tarifa zero é definitivamente um terror, um pesadelo para as elites que dirigem a economia e o Estado, ainda mais 100 mil pessoas em atos radicalizados como foram os que se passaram.
Outro ponto importante a ser ressaltado é a necessidade de ação-direta para as conquistas de nossas bandeiras. Os atos do dia 11 de julho evidenciaram a queda vertiginosa, ano após ano, da representatividade dos sindicatos oficiais, pelegos e governistas e sua nula possibilidade de transformação social a partir da luta política, o que na realidade já se mostra bem claro há algum tempo. Isso se dá justamente por suas alianças com o patronal e o Estado e sua direção aparelhada por partidos eleitoreiros e governistas. O modelo de sindicato vigente já deixou pra trás há tempos o seu perfil reformista para se estabelecer como uma estrutura reacionária, a serviço dos interesses empresariais e do governo. E não só os sindicatos: muitos movimentos sociais seguiram e seguem esse rumo. Nesse sentido, reforça-se a necessidade de fortalecer os espaços, movimentos sociais e novas articulações sindicais que se organizam de modo autônomo, radicalizado e combativo em relação aos nossos inimigos de classe, distantes dos oficiais, oportunistas e capitalistas.
A ação-direta é o oprimido em confronto direto com seu opressor, no sentido político, econômico ou moral, sem intermédio de instituições ou entidades autoritárias, aparelhadas ou meramente reformistas. É a reação ao ataque do capital e do Estado por parte exclusiva do atacado. É a ação-direta, portanto, que deve ser a ferramenta permanente de luta da classe dos oprimidos para arrancar suas conquistas das rédeas capitalistas de nossos opressores. É na ação-direta, na solidariedade de classe no enfrentamento político sem amarras e oportunismo que temos condições de caminharmos em frente no nosso caminho de lutas, criando um povo forte rumo à revolução social.Desse modo, saudamos nossa garra, nosso suor, nossa dedicação e determinação nesse mês vitorioso de julho e reforçamos a necessidade de continuarmos a todo vapor em nossa luta pela via autônoma e combativa. Enfrentamento, disposição e ação-direta são palavras de ordem necessárias para as nossas próximas conquistas.
Poder!
Poder para o povo!
E o poder do povo vai fazer um mundo novo!