[CAB] Lançamento da Revista Socialismo Libertário n°2

capa_peq_2.jpg

Acaba de ser publicado o segundo número da revista “Socialismo Libertário” da Coordenação Anarquista Brasileira. O eixo principal deste número é a questão de Teoria e Ideologia. Seguem abaixo o sumário e o editorial da revista com os links para os artigos na internet. O download da revista em PDF também pode ser aqui realizado.

Revista Socialismo Libertário número 2

Baixe aqui: Revista-Socialismo-Libertario-n2

Sumário:

Editorial

Esse segundo número da revista Socialismo Libertário concentra-se sobre o tema teoria e ideologia, que vem sendo discutido há anos em nossa corrente e que, no último período, recebeu atenção destacada das organizações da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB).

Não se trata, como eventualmente poderia parecer, de um esforço intelectual puramente abstrato: essa discussão, apesar de passar por temas epistemológicos e teórico-conceituais em alguma medida complexos, possui, para nós, implicações práticas muito importantes. Por meio daquilo que agora se discute, conforme apontamos no primeiro texto, buscamos forjar as bases para respostas de um conjunto de questões básicas. “O que é o anarquismo? O que o caracteriza historicamente como tal? Qual é o nosso vínculo com os clássicos anarquistas? O anarquismo é uma ferramenta para teorizar sobre a sociedade, uma prática política que tem por objetivo transformá-la ou ambas as coisas? Devemos utilizar autores de fora do campo anarquista para compreender a sociedade que vivemos? Em que medida nossa maneira de teorizar sobre a sociedade afeta nossa ideologia e vice-versa? Existe socialismo científico? Em suma, trata-se de uma discussão antiga e complexa, que extrapola muito o campo anarquista e que tem por objetivo fornecer respostas para as nossas tentativas de compreender a sociedade em que vivemos e as melhores estratégias para nela intervir, tendo por base nossos princípios e nossa estratégia geral, e visando estabelecer um processo revolucionário de transformação rumo ao socialismo libertário.”

Os textos aqui apresentados inserem-se em um processo mais geral – que vem sendo levado a cabo de maneira mais efetiva desde meados de 2012, com a fundação da CAB – de estabelecimento de bases comuns e aprofundamento de posições para o caminho que pretendemos trilhar nos próximos anos, rumo a uma organização nacional.

Esse ano de 2012 foi importante pelo ciclo de lutas em escala nacional, com o qual todas nossas organizações se envolveram. Com a ascensão das mobilizações, o anarquismo também ganhou destaque e, de uma maneira ou outra, a CAB tem colhido bons frutos desse processo. Esperamos que essa edição da revista possa contribuir com esse fortalecimento do anarquismo especifista no cenário das lutas que vêm sendo travadas nos mais diversos espaços sociais.

Viva a revolução social! Viva o anarquismo!
Rumo à organização nacional!

Coordenação Anarquista Brasileira. Dezembro de 2013

[fAu] Saudações da Federação Anarquista Uruguaia ao Ato Público da CAB realizado no dia 23/01/2014

Salu Compañeros y Compañeras de la CAB.

Un año y medio va corriendo desde la formación de la CAB que venía tejiendo 10 años del FAO. Un pasaje, una transformación que tuvo que ver con el crecimiento del Anarquismo en Brasil en varios sentidos. Uno de ellos tiene que ver con el crecimiento en cantidad de las organizaciones que componían el FAO más las que se estaban conformando en otros estados del país. Otro de ellos tiene relación con la necesidad de funcionar más orgánicamente, con más fuerza y nivel de acuerdos estratégicos generales para dar una operativa más organizada y con estilos y criterios comunes. También los acuerdos generales teóricos sobre qué Anarquismo impulsamos y qué tareas tenemos en estos momentos han sido elementos generales en las organizaciones componentes de la CAB. Elementos que no se han producido de la nada y tiene todo un andar de casi 20 años en Brasil. Con orgullo, con buen orgullo podemos decir desde estas tierras: Presente!! (en todos esos 20 años).

Aún sin estar allí somos Presentes, porque allí hay queridas organizaciones hermanas y amigas, compañeros y compañeras que con quienes compartimos un andar y andamos en una cotidiana bastante frecuente de intercambios y discusiones.

En esta jornada de apertura de las actividades que vienen en la CAB se discutirá una temática de relevancia hoy día y más aún con los tiempos que se vienen: La CAB como herramienta, la CAB como alternativa. Han sido largas y duras las luchas del 2013, con expresiones en casi todo el territorio, han roto el cerco mediático y se han instalado en todo el mundo. Así se esperan para el 2014… y si es que se esperan deberá ser la CAB, sin duda, una alternativa para la lucha. Una herramienta con claridad, fresca, vigorizada por la militancia codo a codo en la calle y en los barrios, en los sindicatos, en los movimientos campesinos, en el ámbito estudiantil, en la defensa de los derechos humanos. Pero más que nada deberá ser una alternativa para los anarquistas.

Pero como Coordinación, como Coordinadora, no será fuerte sin la fuerza de las Organizaciones Específicas. Deben ser ellas las fuertes, deben ser ellas fuertes las que apuesten a crecer y fortalecer la CAB. Así será una alternativa, así podrá mostrar su cara, su identidad en cada ciudad, región, o estado. Comprendiendo siempre con respeto y fraternidad las situaciones o etapas específicas que puedan estar viviendo cada colectivo, federación o núcleo. En definitiva sosteniendo un estilo propio del anarquismo que venimos impulsando y seguiremos impulsando.

Aún así la CAB es hoy una alternativa, una buena herramienta de coordinación, de intercambio del anarquismo en Brasil. Adherida fuertemente a una corriente específica que es lo que la hace en estos tiempos ser una alternativa con vitalidad.

Irán los partidos por lo suyo, irán las ONG en estos momentos también por lo suyo. Y nuestro anarquismo irá también por lo suyo, pero no cada tantos años sino con la constancia de todos los tiempos y todos los lugares. Sabiendo que siendo más o siendo menos no hay lugar para el confort político – ideológico. Siendo genuinos testigos de lo que estas políticas producen en nuestro pueblo. Viendo con criminalmente los poderosos acumulan más y más poder y riqueza con sus gobiernos, justicias, policías y guerras.

Nuestra alternativa es no dar la espalda a ello, todos los días, como moral, como vida. Nuestra alternativa es una opción que no es fácil, pero es Alta y Cara, por eso es constante, por eso no se entrega, por eso no encuentra en los llamados “caminos rápidos” respuesta a lo que vemos. Ha si lo demuestran muchos y muchos años de planteos ya caídos, ya destrozados por el peso de las historias del Socialismo. Hay una alternativa, hay una ruta, hay otro surco para sembrar, y eso se llama SOCIALISMO LIBERTARIO, Anarquismo, esa alternativa se llama tenacidad y entrega para Resistir en esta etapa y creando y dotando de mecanismos de poder a los de abajo.

Sí, nuestra alternativa se llama Socialismo Libertario, y cómo nos organizamos se corresponde con el Especifismo que venimos construyendo desde que comenzó a instalarse en nuestro continente, y una estrategia en esta etapa, de resistencia a los planes del capitalismo se llama PODER POPULAR. Esa es nuestra alternativa, ese es nuestro planteo. Con democracia directa, con participación, con acción directa y con la certeza de que es contra los de arriba nuestra fuerza. Porque es contra toda una estructura de poder burgués e impunidad que se enfrentará nuestro Poder Popular. Poder de los de abajo, Poder de un Pueblo Fuerte, Poder que no lo decretaremos desde una retórica triunfalista sino de las prácticas concretas y los métodos que logremos producir en el seno de nuestras organizaciones populares. Con cabeza abierta, compartiendo con más compañeros de lucha nuestro vector de resistencia.

Será entonces la CAB una alternativa. Será entonces el Anarquismo una alternativa. Y el Socialismo será Libertario, o no será!.

Arriba  la CAB!!!.

Con toda la fuerza y unidad en este encuentro que comienza!!!.

A crear un Pueblo Fuerte!!!!.

Arriba los que luchan!!!.

Federación Anarquista Uruguaya – FAU

 

FAU

[CAB] Nota de Solidariedade da Coordenação Anarquista Brasileira à luta em Joinville

De um lado, as empresas de transporte coletivo privado, suas catracas, seus seguranças privados. Mais polícia militar com seus homens (sim, todos homens), sua cavalaria, seu helicóptero, suas armas. Não esquecemos da prefeitura e seus parceiros da casa vizinha, a câmara de vereadores. Do outro lado, as trabalhadoras e trabalhadores, estudantes, desempregadas e desempregados, entre tantos outros que não detém o poder para gerir livremente suas vidas. Parte dessas se encontram diariamente no transporte coletivo, para ir e vir, outras tantas, não conseguem pagar para pela catraca passar.

Os anarquistas, estão de um lado, o lado de seus companheiros de classe, o lado dos de baixo. Diariamente, pegando o “coletivo”, o “busão”, o “latão”, o “zarcão”. Lado a lado, com os seus, as suas. No final da tarde, dessas tardes que voltar para casa ficou mais caro, faixas se posicionam, bandeiras começam a flamejar, vozes a gritar. Do outro lado, escudos, armas, cavalos, e um helicóptero se posicionam. Os anarquistas, estão de um lado, do lado do povo organizado, seu único lado possível, após centenas de anos de história.

Em Joinville/SC, a militância integrante do Coletivo Anarquista Bandeira Negra (CABN), organização integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), tem uma atuação constante e enérgica no combate a máfia do transporte coletivo representando pelas empresas Gidion e Transtusa, que operam há 50 anos na ilegalidade com o aval dos políticos da classe dominante, do PSDB, PMDB, PT e afins, que ocuparam a Prefeitura Municipal de Joinville. Atuando e se organizando junto ao coletivo local do Movimento Passe Livre ou na Frente de Luta pelo Transporte Público, ao povo organizado.

Na quarta-feira (22/01/2014), dois militantes do CABN acompanhado de outro integrante da Frente de Luta pelo Transporte Público, foram presos após voltarem de a manifestação que exigia a revogação do aumento da tarifa e pela criação de uma empresa pública com tarifa zero para toda população.

A prisão ocorreu por meio de uma emboscada da Polícia Militar de Santa Catarina, onde o Capitão Venera, responsável pela operação, agiu para atender as necessidades das empresas privadas de transporte, colocando mais seis viaturas policiais, cerca de 20 homens fardados e fortemente armados. Os nossos companheiros foram arrastados pela via pública, sofreram com cacetadas e pisaram na cabeça de um deles.

O peso da fúria policial é reflexo do quanto a luta organizada demonstra efetiva combatividade contra o monopólio do transporte coletivo e coloca em risco os interesses da classe política dominante. Por isso, não vamos silenciar em nenhum momento na denúncia e no vigor da luta. Como já lembraram os companheiros anarquistas, “a solidariedade é mais que palavras”. Estamos juntos hoje e amanhã, firmes e dispostos a vencer o capitalismo e violência policial. Não fomos os primeiros, não seremos os últimos.

Pelo fim da polícia militar!
Protesto não é crime!
Contra crimanilização dos movimentos sociais!
Fora Aumento! Fora Gidion e Transtusa!
Aumento Nunca mais!
Por uma cidade sem catracas!

Imagem
Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)
Brasil, 26 de Janeiro de 2014.

[FARJ] A transformação social construímos no agora – Prática política, ética e estilo militante

Retirado de: http://anarquismorj.wordpress.com/2014/01/21/a-transformacao-social-construimos-no-agora-pratica-politica-etica-e-estilo-militante/

“Para nós a importância maior não reside naquilo que se consegue, pois conseguir tudo o que queremos significaria que todos aceitassem e praticassem a anarquia, o que não será feito em um dia nem por meio de um simples ato insurrecional. O importante é o método com o qual se consegue o pouco ou o muito.”

Malatesta 

“A esquerda tradicional tem sido sectária, dogmática e tem frequentemente ignorado a realidade ao seu redor. Não acredito que os anarquistas, no geral, tenham sido muito melhores. É hora de dar o exemplo. Devemos apontar para a construção de espaços de discussão e mudar os hábitos maléficos em nosso movimento, que não contribuem com o debate e que mais entorpecem o desenvolvimento do necessário espírito crítico que o movimento revolucionário tanto necessita para fazer frente às difíceis tarefas de regeneração social que temos adiante.

José Antonio Gutiérrez Danton

Para Malatesta cada fim requer seus meios, e se lutamos por um fim diferente do sistema de dominação e exploração capitalista os meios para atingi-lo também devem ser diferentes. Nesse sentido, entendemos como ética e estilo militantes os valores que conduzem nossa prática política cotidiana, em permanente diálogo com a realidade e em coerência com nosso método e com nossa concepção de trabalho. O germe de uma sociedade mais justa, igual e livre de exploração e dominações está na maneira como atuamos no “agora”, e isso não pode ser deixado pra depois. Está na forma como nos organizamos, por meio do federalismo, da autogestão e da ação direta. Está na intenção que damos a nossas práticas e às relações nos meios social e político; com os setores populares, com outros(as) militantes e companheiros(as) e na relação entre organizações políticas. O que equivale a dizer que o estilo militante é a busca da coerência entre as práticas do(a) militante, e do conjunto da militância, com os princípios, métodos e a linha política de uma organização.

Além de definir um programa estratégico com propostas concretas de intervenção na realidade, uma organização anarquista deve buscar uma prática política consequente com um determinado estilo militante, que servirá como elemento fundamental para a construção do poder popular e da transformação social. A prática também é ferramenta de propaganda e contribui para que se forme opinião favorável à organização, uma vez que é na vivência da luta e no convívio com os(as) militantes que se constrói cumplicidade no trabalho de base e novos(as) companheiros(as) e apoiadores(as) vão se aproximar.

É importante pontuarmos que não idealizamos um ser humano perfeito, muito menos um tipo de militante infalível. Os mais diversos problemas e contradições vão estar presentes nas dinâmicas das lutas ou nos processos revolucionários, e é nos organizando para superá-los, ou reduzi-los ao máximo, que avançamos. Há inúmeros exemplos, contemporâneos ou históricos, onde a proposta anarquista contribuiu para a organização e os embates pelas demandas dos trabalhadores e trabalhadoras. Pois nossa convicção ideológica se dá pela prática, nossa teoria é para atuar na realidade e nosso programa é fruto das lutas cotidianas.

Errar e trabalhar para corrigir os erros nutre nosso aprendizado e gera acúmulo político e amadurecimento. Também é fundamental sabermos fazer a crítica fraterna ao(à) companheiro(a) quando é necessário, e termos humildade para assumir quando erramos, fazer a autocrítica e nos esforçar para mudar nossa conduta. Nada de fazer “vista grossa” ou “passar a mão na cabeça” quando se identifica um problema relativo à prática de algum(a) companheiro(a). Quando os(as) militantes e a organização se omitem de encarar estes problemas, e não os pautam nas instâncias coletivas adequadas, pode-se gerar uma “panela de pressão” que poderá minar a relação orgânica, prejudicar o trabalho de base e gerar desentendimentos que, de outra forma, poderiam ser evitados.

Assim, o exercício da crítica e do debate devem ser encarados como importantes ferramentas organizativas, postas a serviço da prática e tendo esta também como ponto de partida, seja nos níveis político ou social. Não a crítica como mero exercício intelectual, o debate pelo debate ou com o objetivo único de mudar a consciência de cada indivíduo. Pois não é simplesmente a mudança de consciência das pessoas que altera a realidade, mas é na construção de um determinado sujeito de transformação social nos processos cotidianos de luta contra o sistema de dominação e exploração. Esses sujeitos (negros, camponeses, favelados, estudantes, jovens, indígenas, mulheres etc.) vão se incorporando à organização, trazendo suas experiências e lutas.

Sabemos que o processo de identificar e mudar as práticas com que somos formatados(as) pelo sistema de opressão e dominação não é algo que ocorre da noite para o dia. Mas devemos estar atentos para não agirmos de maneira egoísta e vaidosa ou reproduzir atitudes preconceituosas, sexistas, machistas, homofóbicas ou outras formas de opressão e autoritarismos com os(as) companheiros(as). E quando isso ocorre o coletivo deve ajudar o(a) companheiro(a) a reconhecer e mudar sua conduta, mas considerando sua realidade e suas limitações, sem querer crucificá-lo(a), caricaturá-lo(a) ou exigindo dele(a) uma “pureza” impossível na vida real.

Também é importante saber motivar aquilo que o(a) militante tem de positivo, reconhecendo as diferentes potencialidades, temperamentos e singularidades. Estimular nele(a) o exercício da delegação, a iniciativa, a participação e o posicionamento nas instâncias coletivas. Saber ouvir e saber debater, mesmo diante das posições divergentes, fazendo sempre esforço para se chegar aos acordos coletivos sem fazer “cavalo de batalha”. Priorizar a construção coletiva em vez das práticas voluntaristas descoladas da estratégia, o que é diferente da capacidade de iniciativa de cada um para ajudar naquilo que for possível. Como também prezarmos pela organicidade em vez das relações e estruturas políticas informais, de caráter personalista ou paternalista, o que pode dar margem para desigualdades e manipulações políticas no interior do coletivo. Evitar o personalismo é fortalecer as estruturas coletivas e ter claros os critérios de atuação para todos(as).

Nos diferentes níveis de atuação, o(a) militante deve entender que sua prática política, além de ser o “rosto” de sua organização, é também referência para os outros, positiva ou negativamente. Por isso é importante cultivarmos o espírito de fraternidade e apoio mútuo nos espaços de trabalho, estimulando e promovendo a máxima confiança, ética e camaradagem entre os(as) companheiros(as). E, principalmente nos trabalhos sociais, não ser arrogante achando que vai levar a “verdade” ao povo, mas saber primeiro ouvi-lo e aprender com a sabedoria,  realidade e cultura populares.

Espera-se do(a) militante uma atitude atenta ao conjunto de sua organização para além de seu trabalho específico, contribuindo e buscando soluções para organizar e articular os trabalhos nos diferentes espaços em que se inserem, ajudando na construção de uma política onde os campos de luta em que atua a organização dialoguem cada vez mais. Que saiba equilibrar sua participação ao contribuir e comprometer-se tanto com as tarefas de funcionamento interno da organização quanto com as tarefas externas, relativas aos trabalhos de base. Agindo com responsabilidade e comunicar ao coletivo quando da impossibilidade de cumprir determinada tarefa. Pois ter imprevistos e problemas é normal, mas a falta de comunicação prejudica a organicidade. Por outro lado, estar sobrecarregado de tarefas também não significa que a política está avançando, mas que talvez não estejamos atuando com planejamento ou estabelecendo prioridades.

A formação é outro elemento importante, principalmente quando se pensa numa política articulada com as demais atividades internas da organização e preocupada com o acolhimento do(a) militante e dos recém ingressos junto ao trabalho de base. Complementada com uma formação teórica que vai fortalecer e qualificar a prática do(a) militante, dotando-o(a) das ferramentas necessárias para produzir e reproduzir as propostas da organização. Também, todo(a) aquele(a) que recém ingressa deve compreender que o processo não recomeça do zero naquele momento, e que ele(a) irá contribuir da melhor maneira possível para multiplicar força num processo que já vem caminhando com outros(as) companheiros(as) e que tem seus acúmulos. Todos os militantes constroem a organização mas devem saber respeitar as deliberações coletivas e atuar a partir destas.

No nível social a atuação nas bases nos ensina muitas coisas, seja em movimentos sociais do campo, da cidade, nos locais de trabalho, de estudo ou em iniciativas de resistência em favelas e periferias. Devemos contribuir para que os espaços coletivos que ajudamos a construir sejam agradáveis e estimulem a participação de todos. Uma vez que a dominação e a exploração capitalistas trabalham para afastar o povo da participação política, colocando a via eleitoral e o individualismo como referenciais, em nossos trabalhos o exercício da política e da militância não deve parecer às pessoas como algo chato ou coisa só para “profissionais”, distante de sua realidade. Uma reunião ou assembléia de base esvaziada indica que podemos estar fazendo alguma coisa errada. Um determinado estilo militante aplicado ao trabalho de base também pode estimular pedagogicamente, se proporciona condições de maior participação nos espaços de deliberação, considerando as realidades e limitações de cada um. Por exemplo, mesmo com uma modesta experiência no campo comunitário, podemos dar o testemunho de que um trabalho focado estrategicamente e com base numa relação de igualdade, respeito e estímulo à participação política teve como consequência a aproximação de pessoas em distintos níveis de participação, desde o mais pontual até o mais orgânico. Aos poucos vão se estabelecendo importantes relações de identidade com nossas propostas, sabendo valorizar as iniciativas populares de resistência e articular politicamente os trabalhos.

Ao mesmo tempo, no nível político também devemos prezar por uma ética e estilo militante nas relações com outras organizações políticas e correntes da esquerda. A atuação em espaços mais amplos e de diversidade ideológica como fóruns, campanhas e mobilizações nos colocam outros desafios. Nossas propostas não são as únicas e não vamos nem queremos estar sozinhos nos processos de luta. Para fazer frente aos poderosos e opressores muitas vezes vamos estar compondo com outros setores da esquerda construindo consenso a partir do que há de acordo comum, o que não significa abandonar nossos princípios. Seria muito cômodo compormos politicamente apenas com quem temos concordância ou afinidade ideológica, mas isso seria adotar o principismo como política de atuação, o que não faz avançar a luta nem enriquece nossas experiências.

É comum passar por situações de desacordo, divergências políticas ou falta de conduta ética por parte de indivíduos ou grupos, mas para além do denuncismo, nosso foco deve estar em divulgar e fazer avançar nossas propostas. Precisamos saber diferenciar os inimigos de classe dos adversários ideológicos. Sem isso corremos o risco de atuar como um “rolo compressor” nos espaços políticos, reduzindo-os à espaços de disputa ou de “captura” de militantes apenas.

Devemos saber encaminhar as divergências com serenidade e evitar conflitos e polêmicas desnecessárias, diferenciando as divergências de princípios daquelas de estratégia ou tática e reconhecendo os méritos alheios. Antes de ser críticos, ser autocríticos. Defendemos o anarquismo com firmeza diante de ataques e calúnias, e fazemos a luta ideológica quando preciso, mas colocando nossas posições e opiniões sem dogmatismo e contextualizando nossas críticas em vez de generalizá-las a toda uma corrente, grupo ou ideologia. Há discussões que devem ser feitas e as divergências muitas vezes vão existir, mas que se façam sem sectarismos ou dogmatismos.

Publicamente, devemos saber nos posicionar sem virulência febril, que faz parecer que estamos mais preocupados em afirmar nossas posições ou competir com outra corrente ou organização do que em nos ocuparmos dos problemas cotidianos dos(as) oprimidos(as) e explorados(as). Não se convence ou se persuade simplesmente com violência na linguagem ou falando alto. Vaidade teórica e ideológica são faces da mesma moeda. E sobretudo hoje devemos ficar mais atentos com as ferramentas de comunicação virtual e as redes sociais, que por sua própria característica de funcionamento, acabam facilitando e estimulando esse tipo de prática nociva.

Desse modo, ética e estilo militantes não são entendidos por nós como dogmas, mas como concepções de trabalho a serem encarnadas em nossas práticas políticas e, dessa forma, buscam atuar as organizações da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB). E nossa militância nos setores de luta do campo e comunitário, em trabalhos de produção coletiva, grêmios estudantis, pré vestibulares, educação popular e cultura, como nas mobilizações e fóruns populares de articulação, buscamos estimular e influenciar, mas também somos modificados no cotidiano das lutas. E é inserida nessas dinâmicas sociais que uma base ética e uma concepção de estilo militantes também se forjam e se qualificam enquanto frutos de amadurecimento político e reflexão nas lutas cotidianas.

[FARJ] Libera #160

Retirado de : http://anarquismorj.wordpress.com/2014/01/20/libera-160/

O Libera referente aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2013 foi lançado. Este número do Libera, #160, é uma edição especial com 8 páginas, comemorando os 10 anos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro, completados em 2013. O Libera #160 traz como editorial alguns excertos de textos lidos no Ato Público, ocorrido no SINDIPETRO-RJ, que finalizou os trabalhos do II ConFARJ (II Congresso da Federação Anarquista do Rio de Janeiro), como as saudações de outras organizações enviadas a nós e a Nota Pública da FARJ para a ocasião.

Além deste editorial, o Libera traz também um texto sobre o I Encontro de Economias Coletivas, que aconteceu na Maré; um texto nosso sobre ética e estilo militantes; um texto sobre a demarcação de terras indígenas no Governo Dilma, escrito por um companheiro nosso; além das notícias libertárias.

O Libera #159 pode ser encontrado fisicamente na Biblioteca Social Fábio Luz ou com nossos militantes. Caso queira receber alguns exemplares para distribuição, basta entrar em contato.

Ler ou baixar em pdfLibera #160

libera160

[FARJ]Campanha Protestar Não é Crime

Retirado de:http://anarquismorj.wordpress.com/2014/01/13/campanha-protestar-nao-e-crime/

Publicado em 13/01/2014

Campanha Protestar Não é Crime

?????

Com os protestos de junho ameaçando o consenso fabricado da burguesia e do governo brasileiro, o Estado recorreu ao que mais sabe fazer: violência e prisões em massa em diversas cidades do país. Se as prisões já encarceram todos/as os indesejados pelo sistema capitalista, são nos momentos de crise que o sistema de dominação capitalista escancara sua face.

É quando os de baixo se movimentam que os de cima reagem com balas de borracha (e de chumbo), despejos, prisões e assassinatos nas periferias e favelas! Nesse contexto, centenas de lutadoras e lutadores passaram pelos cárceres do Estado brasileiro! Foram prisões nas lutas contra os aumentos das passagens e no 7 de setembro em muitas cidades, na greve dos professores no Rio de Janeiro e outros momentos de resistência contra a opressão do Estado. Muitos foram soltos, mas, aqui no Rio de Janeiro, um deles continua lá. Rafael Braga Vieira, morador de rua preso e condenado a 5 anos, por estar na manifestação com garrafas de “Pinho Sol”, pela (in)justiça brasileira.

A condenação de Rafael é uma prova de que os mais pobres, os negros, as/os moradores de periferia e todos/as aqueles que se levantam contra esse sistema de dominação e seus megaeventos sofrerão o terrorismo de Estado brasileiro. E mesmo com a maioria das pessoas em liberdade, há ainda os processos que muitas delas estão respondendo e que serão julgados e arrastados ainda por muito tempo.

Mas nós, as/os de baixo, nesse ano de cinismo e Copa do Mundo, vamos enfrentar o terrorismo de Estado com solidariedade, luta e resistência. Vamos dizer bem alto nas ruas com o conjunto das oprimidas e oprimidos que:

Ninguém será esquecido!
Pelo arquivamento de todos os processos de militantes sociais!

PROTESTAR NÃO É CRIME!
LIBERTEM NOSSOS/AS PRESOS/AS POLÍTICO/AS!!

Assinam:

Comissão Pastoral da Terra
Favela Não se Cala
Federação Anarquista do Rio de Janeiro
Frente Internacionalista dos Sem-Teto
Grêmio Estudantil Luis Travassos
Movimento das Comunidades Populares
Movimento de Organização de Base
Movimento dos Pequenos Agricultores
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra
Movimento Passe Livre – Rio
Organização Popular
Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência
Sindicato dos Servidores do Colégio Pedro II
Via Campesina