[CABN – Florianópolis] Ocupação Palmares Resiste e Vive!

Retirado de: http://www.cabn.libertar.org/?p=1301

Durante o Carnaval, a Ocupação Palmares foi invadida duas vezes pela Polícia Militar e Floram, que derrubaram uma casa sem ordem oficial e também levaram todos os pertences de uma família. Abaixo, segue o primeiro vídeo do documentário sobre a Ocupação Palmares, produzido após os ocorridos. Este vídeo desconstrói a versão utilizada pelos veículos de comunicação de Florianópolis sobre os procedimentos da PM e da leitura de zoneamento realizada pela Floram.

Relato da Frente Autônoma de Luta por Moradia (FALM):

No último sábado de carnaval, por volta das 14 horas, Floram, Polícia Militar e CHOQUE foram autores de uma operação criminosa e desastrada na Ocupação Palmares, localizada no Alto da Caeira, no Maciço do Morro da Cruz (Florianópolis/SC). Ameaçando confiscar (roubar) as madeiras de um dos moradores, os policiais armados partiram para o confronto com moradoras e moradores. Mulheres, homens e crianças foram atacadxs com spray de pimenta e alguns foram atingidos por cacetadas e tiro de bala-de-borracha. Um dos moradores teve de ir ao hospital devido a um ferimento na cabeça. As agressões covardes iniciaram-se verbalmente, com policiais chamando moradorxs de “merdas”. Além de empurrarem uma mulher de uma altura de 2 metros, após dispararem os tiros, – e sabendo que o apoio jurídico e de militantes da FALM estava a caminho – os policiais partiram em retirada comentando entre eles: “Fizemos merda!”

É inaceitável que uma força truculenta de mais de 10 camburões, tropa de choque e PM venham apontar fuzis e cacetetes contra uma população desarmada, crianças e famílias inteiras. Na tarde de sábado, a PM usou da sua força para agredir moradoras e moradores com balas de borracha, spray de pimenta e cacetadas. Violência efetivada sobre famílias que apenas protestavam com justa causa. Um morador (pastor) teve sua cabeça atingida por um cacetete onde sofreu mais de 5 pontos, que deu entrada contra a violência ocasionada. Jamais houve um único papel assinado permitindo derrubar casas, pelo contrário, há “apropriação indevida” das madeirasm, eletrodomésticos e utensílios pessoais sem devolução permitida por parte dessas operações. É lamentável verificar que, como sempre, a política do governo é de se negar a dialogar com os mais necessitados e, em troca, saber que Florianópolis possui um dos déficits mais altos em questão de moradia no país, vide Moeda Verde, novo “Plano Diretor”, e toda uma rede de corrupção e especulação provinda contra àqueles que menos tem acesso às necessidades básicas.

Nesta segunda-feira (03 de março), em mais uma ação ilegal da Floram com o auxílio do efetivo da PM, o trabalho sujo foi terminado. A casa a qual tinham derrubado pela metade foi, nesta tarde, completamente destruída. Não bastasse isso, levaram (isto é, roubaram) todas as madeiras, móveis e eletrodomésticos dos moradores. É esse o carnaval que a Prefeitura Municipal de Florianópolis propiciou para esses moradores: SEM CASA, SEM NADA.

Não há política de moradia, mas há política de despejo.
Contra a ação truculenta da polícia!
Pelo direito à moradia e contra a criminalização da luta!
Todo apoio à Ocupação Palmares!

“Se não há igualdade para os pobres, que não haja paz para os ricos!”

PALMARES RESISTE!

Frente Autônoma de Luta por Moradia (FALM)

[FARJ] Solidariedade aos garis em greve!

1794687_1457758341107578_1177715987_n

Retirado originalmente de: http://www.farj.org/

Os garis do Rio de Janeiro paralisaram suas atividades, passando por cima da direçãoburocratizada do sindicato que continua insistindo que os garis não estão em greve.  Numa passeata em direção a prefeitura foram reprimidos pela Polícia Militar mas continuam na luta! Hoje finalmente a prefeitura e a mídia burguesa tiveram de reconhecer pela força desses trabalhadores que a paralisação SIM, ESTÁ ocorrendo!

A luta dos/as garis é justa e recebeu a solidariedade de diferentes setores políticos dos trabalhadores! Protestar não pode e nunca será um crime, mas sempre um direito!! Cerquemos de solidariedade os garis e sempre respeitando seu protagonismo! Segue um relato de um compa nosso que participou em solidariedade, da assembleia de ontem.

Toda solidariedade aos garis! Protestar não é crime!

Hoje, estive na Assembleia dos Garis e na manifestação que houve em seguida. Muito me surpreendeu a insatisfação dos trabalhadores com seu sindicato (não apenas com a direção). O aparato repressor era digno das grandes manifestações de junho e outubro. No entanto, o apoio popular era tamanho que parecia ser imune às tentativas de criminalização da mídia corporativa.

 A plenária contou com a presença de cerca de 100 grevistas, onde os pontos mais exaltados foram: o aumento do piso salarial para R$1200 + taxa de salubridade, o auxílio creche para ambos os sexos e o fim das  represálias aos lutadores. Os trabalhadores apontaram que essas conquistas só seriam possíveis se a categoria estivesse unida, por que “sozinhos, esculacham a gente, mas juntos, a gente é forte!”; e se a luta fosse pela base, uma vez que “O sindicato é Mercenário!”, “O sindicato é uma vergonha!”.

Quando os oprimidos constroem na luta, o Poder Popular; o Estado fica  aterrorizado e, por isso, espalha terror. Hoje, o contingente de cinco policias para cada manifestante exibia: tasers, cassetes, sprays de pimenta e todo investimento do governo para resolver as mazelas sociais. Assim demonstrando que, na democracia burguesa que vivemos, as demandas do proletariado são meros assuntos de polícia.

Por fim, a justeza da causa dos garis parece poder quebrar o consenso que vem sendo imposto: de que protestar é um crime e, como tal, deve ser duramente reprimido. Nessa medida, o fortalecimento dessa luta possa ser um antídoto para o veneno midiático que tem provocado o refluxo do movimento no Rio de Janeiro.

 Abraços,
Militante da FARJ e da Organização Popular.