[CURITIBA] 8º ENCONTRO DO CÍRCULO DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS (CEL) – NA PRÓXIMA TERÇA (02/12/2014)!

                                      O Especifismo                                              a organização política anarquista na América do Sul

Na próxima terça-feira, 02 de dezembro, o CALC articulará seu grupo de estudos em Curitiba. Faremos o CEL no Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná, às 18:30, na sala 205 da Psicologia.

Buscaremos a compreensão desta expressão política própria dos anarquistas na América do Sul, que representa grande parte do esforço político organizativo anarquista no presente, do qual o CALC se filia.

Os textos base são:

– A organização política anarquista – Federação Anarquista Uruguaia (FAU)

– O que é o especifismo e como ele se desenvolveu nos primeiros tempos da Federação Anarquista Uruguaia (FAU)? – Juan Carlos Mechoso, militante fundador da FAU, Trechos da entrevista A Estratégia do Especifismo.

– Especifismo – Verbete do “Dicionário da Anarkia”.

– Especifismo organização anarquista – Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ)

– Elementos para uma reconstituição histórica de nossa corrente – Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL) / Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ)

Baixe aqui: CEL VIII

Evento no Facebook:                                         https://www.facebook.com/events/731897286892537/

Para mais informações sobre os textos e temas que discutimos durante o ano, visite:             https://coletivoanarquistalutadeclasse.wordpress.com/grupos-de-estudos-libertarios/

Venha participar!

CEL

[RL] 200 anos Mikhail Bakunin (1814-2014): Da Instrução Integral ao Anarquismo Organizado

Retirado de: https://rusgalibertaria.wordpress.com/2014/11/25/200-anos-mikhail-bakunin-1814-2014-da-instrucao-integral-ao-anarquismo-organizado/

Convidamos todas e todos para nossa atividade de apresentação e debate em memória dos 200 anos de nascimento do militante e teórico russo Mikhail Bakunin.

Da Instrução Integral ao Anarquismo Organizado!200mbf

“[…] um Estado forte, só pode ter uma base segura: a centralização militar e burocrática. Entre a monarquia e a república mais democrática, só há uma diferença notável: sob a primeira, o pessoal burocrático oprime e explora o povo, em nome do rei, para o maior proveito das classes proprietárias e privilegiadas, assim como em seu próprio interesse; sob a república, ele oprimi e explora o povo da mesma maneira, para os mesmos bolsos e as mesmas classes, mas, ao contrário, em nome da vontade do povo. […] a república, a pseudonoção, o país legal, por assim dizer, representado pelo Estado, sufoca e continuará a sufocar o povo vivo e real. O povo, contudo, não terá a vida mais fácil quando o porrete que o espancar se chamar POPULAR.
A questão social, a paixão pela revolução social…[…]. É preciso satisfazê-la ou reprimi-la; mas ela só poderá obter satisfação quando demolir a opressão governamental, este último bastião dos interesses burgueses. […] Nenhum Estado, por mais democráticas que sejam suas formas, mesmo a república política mais vermelha, popular apenas no sentido desta mentira conhecida sob o nome de representação do povo, está em condições de dar a este o que ele precisa, isto é, a livre organização de seus próprios interesses, de baixo para cima, sem nenhuma ingerência, tutela ou coerção de cima, porque todo Estado, mesmo o mais republicano e mais democrático, mesmo pseudopopular como o Estado imaginado pelo Sr.Marx, não é outra coisa, em sua essência, senão o governo das massas de cima para baixo, com uma minoria intelectual, e por isto mesmo privilegiada, dizendo compreender melhor os verdadeiros interesses do povo, mais do que o próprio povo.” (BAKUNIN, M.; A luta dos dois Partidos na Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT) – Estatismo e Anarquia)

[FARJ] Conversa sobre luta popular e anarquismo (com a Federação Anarquista Uruguaia)

Retirado de:                                         https://anarquismorj.wordpress.com/2014/11/25/celip-conversa-sobre-luta-popular-e-anarquismo-com-a-federacao-anarquista-uruguaia/

Conversa sobre luta popular e anarquismo no Uruguai e no Brasil! O que há de próximo, o que há de diferente? Qual é o desafio da militância anarquista nesse período? Receberemos uma militante da Federação Anarquista Uruguaia e a presença da militância da nossa organização para conversarmos sobre os desafios da luta popular e a relação dessa luta com o anarquismo nesses dois países! Faremos um bate papo sobre estratégias de luta, modelos de organização e os limites enfrentados pelo povo nesse contexto!

Além da conversa, teremos um lanche para animar o bate papo!

Participe e divulgue a atividade!

Celip_novembro_de_2014