Nota de Solidariedade à Ocupação da Reitoria da UEL

O dia 23 de Junho foi um dia histórico para o movimento estudantil de Londrina. Os estudantes da UEL (Universidade Estadual de Londrina) deliberaram pela continuidade da greve estudantil e ocuparam a Reitoria exigindo negociação com o Governo do Estado e Reitoria.

A Universidade Estadual de Londrina, assim como toda educação do Paraná, está sofrendo um intenso processo de precarização e sucateamento. Faltam professores e servidores, faltam políticas de acesso, assistência e permanência estudantil.

Em suas pautas, os estudantes exigem a não retaliação, perseguição e criminalização dos lutadores e lutadoras da UEL. Nunca esqueceremos que os estudantes da UEL já foram criminalizados durante a luta contra o PL da previdência. Depois do Massacre do dia 29 de Abril o até então Secretário de Segurança do Paraná procurou bodes expiatórios no movimento de luta e 4 estudantes da UEL foram detidos.

Veja em: https://anarquismopr.org/2015/05/09/nota-de-repudio-a-criminalizacao-do-coletivo-quebrando-muros-estudantes-da-uel-e-antifa-16/

O movimento luta pela nomeação imediata dos servidores e docentes concursados; pela contratação imediata do corpo de servidores necessários para o funcionamento do Restaurante Universitário (RU); almoço e jantar nos finais de semana e medidas de assistência estudantil até que as obras do RU sejam finalizadas.

Exigem a ampliação e o reajuste das bolsas permanências; a ampliação do Centro Estadual de Educação Infantil (CEEI) para que assim os filhos e filhas de pais e mães estudantes, servidores e professores possam estudar e a conclusão das obras da Clínica Odontológica da UEL, que servirá como campo de estágio e atendimento à comunidade.

Outra pauta do movimento é que seja feito o repasse integral da verba custeio da Universidade. O repasse deveria ser de R$ 34 milhões, que serviriam para custos como água, luz, limpeza e bolsa auxílio, mas foi suspenso pelo Governo do Estado desde o início do ano. Os estudantes da UEL exigem que o financiamento das universidades públicas seja feito com dinheiro público.

Sabemos que a tática do neoliberalismo é primeiro precarizar e sucatear os serviços públicos para depois apresentar como “única” saída a privatização. Mas entendemos que a única saída possível é a resistência e organização dos de baixo, que bravamente lutam contra a exploração e dominação da classe oprimida. Os estudantes da UEL estão dando exemplo de garra e o Coletivo Anarquista Luta de Classe oferece todo apoio à sua mobilização.

19007_503991703094201_1607080191254499945_n

Protesto não é crime!

Viva a ação direta dos e das estudantes!

A resistência é a vida, A submissão é a morte!

A nossa luta é todo dia, educação não é mercadoria!

cropped-calc_cmyk_01.jpg

Nota de Solidariedade à Ocupação da Reitoria da UEL

O dia 23 de Junho foi um dia histórico para o movimento estudantil de Londrina. Os estudantes da UEL (Universidade Estadual de Londrina) deliberaram pela continuidade da greve estudantil e ocuparam a Reitoria exigindo negociação com o Governo do Estado e Reitoria.

A Universidade Estadual de Londrina, assim como toda educação do Paraná, está sofrendo um intenso processo de precarização e sucateamento. Faltam professores e servidores, faltam políticas de acesso, assistência e permanência estudantil.

Em suas pautas, os estudantes exigem a não retaliação, perseguição e criminalização dos lutadores e lutadoras da UEL. Nunca esqueceremos que os estudantes da UEL já foram criminalizados durante a luta contra o PL da previdência. Depois do Massacre do dia 29 de Abril o até então Secretário de Segurança do Paraná procurou bodes expiatórios no movimento de luta e 4 estudantes da UEL foram detidos.

Veja em: https://anarquismopr.org/2015/05/09/nota-de-repudio-a-criminalizacao-do-coletivo-quebrando-muros-estudantes-da-uel-e-antifa-16/

O movimento luta pela nomeação imediata dos servidores e docentes concursados; pela contratação imediata do corpo de servidores necessários para o funcionamento do Restaurante Universitário (RU); almoço e jantar nos finais de semana e medidas de assistência estudantil até que as obras do RU sejam finalizadas.

Exigem a ampliação e o reajuste das bolsas permanências; a ampliação do Centro Estadual de Educação Infantil (CEEI) para que assim os filhos e filhas de pais e mães estudantes, servidores e professores possam estudar e a conclusão das obras da Clínica Odontológica da UEL, que servirá como campo de estágio e atendimento à comunidade.

Outra pauta do movimento é que seja feito o repasse integral da verba custeio da Universidade. O repasse deveria ser de R$ 34 milhões, que serviriam para custos como água, luz, limpeza e bolsa auxílio, mas foi suspenso pelo Governo do Estado desde o início do ano. Os estudantes da UEL exigem que o financiamento das universidades públicas seja feito com dinheiro público.

Sabemos que a tática do neoliberalismo é primeiro precarizar e sucatear os serviços públicos para depois apresentar como “única” saída a privatização. Mas entendemos que a única saída possível é a resistência e organização dos de baixo, que bravamente lutam contra a exploração e dominação da classe oprimida. Os estudantes da UEL estão dando exemplo de garra e o Coletivo Anarquista Luta de Classe oferece todo apoio à sua mobilização.

19007_503991703094201_1607080191254499945_n

Protesto não é crime!

Viva a ação direta dos e das estudantes!

A resistência é a vida, A submissão é a morte!

A nossa luta é todo dia, educação não é mercadoria!

cropped-calc_cmyk_01.jpg

[CAB] Comunicado em apoio e solidariedade à luta da DAF na Turquia

Retirado de: http://anarquismo.noblogs.org/?p=204

Companheiras/os da DAF (Devrimci Anarşist Faaliyet / Ação Revolucionária Anarquista):

11427177_814975615223960_8812376936822750883_n

Queremos em primeiro lugar deixar chegar até vocês, de maneira conjunta, nosso abraço fraterno de solidariedade com a causa do anarquismo turco comprometido com as lutas sociais e causas revolucionárias, que são as mesmas nossas causas. Em segundo lugar comemoramos e expressamos a nossa alegria que esses dois companheiros da DAF, que foram cruelmente presos pelo Estado turco, foram colocados finalmente em liberdade, sendo isso resultado da luta de rua de cada companheiro/a.

Queremos dizer-lhes que as nossas organizações seguem atentas e a postos para espalhar por todos os meios possíveis, os acontecimentos revolucionários no Curdistão ocidental e no quadro de solidariedade regional que eles criaram e, que estes enxergam vocês como protagonistas também neste processo, juntamente com outras organizações irmãs. Com profundo respeito, e sabendo que muitas vezes as distâncias impõem limites quando precisamos lançar ações de apoio a nossa causa como anarquistas, no entanto queremos fazer chegar até vocês toda a força e o apoio militante a seus esforços, não apenas por realçar a vizinha Rojava revolucionária, mas também pela tentativa cotidiana de construir uma alternativa anarquista na Turquia.

Desde já afirmamos toda a solidariedade a seus esforços, desde onde nos toca viver e atuar, aqui no sul do continente Latino Americano.

Viva a revolução de Rojava!
Viva a DAF!!!
Liberdade para Zeynep Celaliyan!
Arriba lxs que luchán!

Dear DAF – Devrimci Anarşist Faaliyet /Anarquist Revolutionary Action

Comrades,

In the first place we want to come jointly to you and offer our fraternal hug from solidarity with the cause of the Turkish anarchism compromised with the social struggles and revolutionary causes that are the same as ours. Second of all, we are celebrating and expressing our joy that these two comrades that were cruelly arrested by the Turkish State were finally set free, and that’s the result of the struggle and fight from each and every comrade.

We want to tell you that our organizations are always following with attention and wanting also to share with all different and possible ways the revolutionary ongoings in Kurdistan Occident and in the regional solidarity cadre that they created, which sees you also as the main characters in the this process, together with some other sisters organizations. With deep respect, and knowing that many times the distance impose limits when we need to send support actions to our causes as anarchists, for instance we want to bring until you all the force and militant support to your efforts, not only for highlighting the Revolutionary Rojava neighbor, but also for the daily attempt to construct an anarchist alternative in Turkey. Since now, we undertake all the solidarity to your efforts from where we live and function, here in the south of Latin American continent.

Long live to the Rojava revolution!

Long live to DAF!!

Freedom to Zeynep Celaliyan!

Arriba lxs que luchán!

Comunicado en Apoyo y Solidaridad a la lucha de la DAF en Turquía

Compañeros/as de la DAF (Devrimci Anarşist Faaliyet / Acción Revolucionaria Anarquista):
Queremos primero hacerles llegar de manera conjunta el brazo fraterno de solidaridad con la causa del anarquismo turco comprometido con las luchas sociales y las causas revolucionarias, que no es otra causa que la nuestra. En segundo lugar festejamos, manifestamos nuestra alegría de que estos dos compañeros de la DAF, que fueron vilmente detenidos por el estado turco, hayan sido puestos finalmente en libertad fruto de la lucha en la calle de cada compañero/a.

Queremos comentarles que nuestras organizaciones siguen atentamente, a la vez que intentan difundir por todos los medios posibles, los sucesos revolucionarios en Kurdistán occidental y el marco de solidaridad regional que estos han generado y que los tienen a ustedes como claros protagonistas junto a otras organizaciones hermanas. Con un profundo respeto, y sabiendo que las distancias muchas veces imponen límites a la hora de accionar en apoyo a nuestras causas como anarquistas, queremos sin embargo hacer llegar toda la fuerza y el apoyo militante a vuestros esfuerzos no solo por apuntalar la revolución de la vecina Rojava, sino por el intento de construir cotidianamente una alternativa anarquista en Turquía.

Desde ya que cualquier acción solidaria desde estos rincones al sur de este continente en el que estamos formará parte de nuestro compromiso con vuestros esfuerzos.

Viva la Revolución de Rojava!
Viva la DAF!
Libertad para Zeynep Celaliyan!
Arriba lxs que luchan!!!

FAU – Federación Anarquista Uruguaya (Uruguay)
CAB – Coordenação Anarquista Brasileira (Brasil)
FAR – Federación Anarquista de Rosario (Rosario, Argentina)

[CAZP] Bakunin, mais de 200 anos, contemporâneo como nunca

Retirado de: https://www.facebook.com/cazpalmares/photos/a.280261412156749.1073741828.280250265491197/430032173846338/?type=1&theater

Em andamento a desocupação da Vila dos Pescadores do Jaraguá, na imagem Terreiros e pontos de cultura e memória, casa de trabalhadores sendo destruídos enquanto o ARMAZÉM DE AÇÚCAR segue e seguirá em pé.

Segue um depoimento que resume bem a atual situação dos moradores da Vila:

Mariana tem quatro anos e não sabe porque o pai anda de um canto a outro do barraco de um só vão, espremido entre tantos outros na favela em frente “à praça da moça de ferro”, como ela costuma chamar a réplica da Estátua da Liberdade fincada diante do mar de Jaraguá. Ainda não amanheceu, e Mariana se protege do frio no colo da mãe, que a segura nos braços e parece tão preocupada quanto o marido. Em dias normais, àquela hora, o pai de Mariana costuma já estar de pé. Em vez do ar preocupado, porém, a serenidade é embalada pela música assoviada baixinho, para que a criança não acorde nem atrapalhe o sono da mulher – companheira há 7 anos. Em dias normais, o homem sai para enfrentar o mar, na esperança de trazer de volta o alimento que suprirá a necessidade da família. Hoje, no entanto, o pescador não saiu para ver o mar. Em vez disso, ouviu falar, na noite anterior, que um mar invadiria o seu barraco. Um mar fardado, de arma em punho, quiçá violento. Então se lembra de quantos mares bravios já enfrentou na vida. É da natureza do mar ser bravo e ele sabia. Mas era da natureza do homem? “Eu sou a corda, seu moço, não sou a âncora”, responde à minha pergunta. “A corda é quem sempre arrebenta”, diz com pesar. Mariana não sabe o que está acontecendo. Provavelmente, não verá mais a moça de ferro com a mesma frequência com que via até hoje. E nem entendeu aquele mar de gente fardada que chegou afugentando um cardume de seres indefesos.

DEPOIMENTO DE CARLOS NEALDO

Pra que(m) serve a polícia?
Pra que(m) serve o estado?

Estivemos e estaremos sempre presentes na luta dos moradores da Vila!

Lutar, criar, Poder Popular!

[CABN] Boletim mai/2015

Retirado de: http://www.cabn.libertar.org/boletim-mai2015/

Salve companheirada!

Neste boletim de maio: Paraná em luta, Sarau 1º de Maio (Joinville), Ponta do Coral (Florianópolis), Livraria 36 (Joinville), 1º Encontro de Teatro Social e Comunitário (Joinville)

Paraná em luta

Frente à aguerrida luta realizada pelo funcionalismo público no Paraná, com grande participação da categoria de professores, que sofreu brutal violência do governo Beto Richa, a Coordenação Anarquista Brasileira publicou duas notas.
“Toda solidariedade à luta das funcionárias e funcionários públicos do Paraná”
http://anarquismo.noblogs.org/?p=148

“Protesto não é crime! Toda solidariedade ao Coletivo Quebrando Muros”:
http://anarquismo.noblogs.org/?p=150

Sarau 1º de Maio

Junto a outras companheiras e companheiros de Joinville, o CABN organizou no 1º de maio um sarau de arte popular e classista, buscando abrir espaço pra produção artística “desde baixo e à esquerda” na cidade. Leia a crônica do evento:
http://www.cabn.libertar.org/cronica-sarau-de-1o-de-maio/

Nota do Movimento Ponta do Coral 100% Pública

O Movimento Ponta do Coral 100% Pública lançou nota recente a respeito das últimas alegações da Prefeitura, indicando os próximos passos para a luta em defesa da área e pela criação do Parque Cultural das 3 Pontas: retonar o zoneamento da área para Área Verde de Lazer (AVL) e repudiar qualquer permuta do terreno com áreas públicas, pois sua venda foi ilegal. Não vai ter hotel, vai ter parque!

https://parqueculturaldas3pontas.wordpress.com/2015/06/05/projeto-do-parque-cultural-das-3-pontas-e-resultado-de-anos-de-luta-do-movimento-ponta-do-coral-100-publica-e-da-cidade-nao-deixaremos-o-prefeito-e-a-fatma-voltarem-atras-e-reivindicamos-retorno-imed/

1º Encontro de Teatro Social e Comunitário – Joinville/SC

Entre os dias 16 a 17 de maio, o Espaço Cultural Casa Iririú promoveu o 1º Encontro de Teatro Social e Comunitário. A programação contou atividades diversas sobre o fazer teatral com temática social e comunitária. Entre as atividades, estava o Teatro Jornal realizado com jovens atores e atrizes com coordenação de Augusto Boal no contexto da ditadura, o teatro independente estimulado por diferentes grupos nos anos de 1970 na capital de São Paulo, o teatro de vizinho organizado no interior da Argentina e uma palestra sobre a relação entre o teatro e anarquismo no contexto do movimento operário brasileiro nas primeiras décadas do século passado. A Livraria 36 marcou presença com uma banca de literatura anarquista, questionadora e instigante. Viva o teatro social! Viva o teatro comunitário!

Estante da L36 – Joinville/SC

A Livraria 36 continua itinerante. Porém, agora é possível encontrar títulos da L36 num ponto fixo, é no Estúdio Rosa Negra Tatuagens, localizado na Rua Itajaí, número 270, Centro.  É uma iniciativa modesta com intuído de propaganda anarquista.  Mais informações da L36 via facebook:
https://www.facebook.com/Livraria36

Encerramos este boletim com um inspirado texto de Gerardo Gatti, militante fundador da Federação Anarquista Uruguaia, escrito em exílio no ano de 1975, “Definições de um Companheiro”:
http://www.anarkismo.net/article/13369

Saudações libertárias!
Coletivo Anarquista Bandeira Negra, integrante da Coordenação Anarquista Brasileira.

Para entrar em nossa lista de notícias, envie um e-mail para ca-bn@riseup.net.

[FAG] O lugar das greves na experiência histórica da classe trabalhadora

Retirado de: http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=1139

Publicado originalmente em:  http://www.passapalavra.info/2015/06/104862

É a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social. Por Edgard Silva*

Caminho áspero e penoso, mas único. Trabalhos, dores, duras batalhas até ao fato inicial, a destruição dos privilégios políticos e econômicos da burguesia; penosos esforços e árdua labuta depois, na laboriosa edificação de um mundo novo, e na luta constante contra os germens de uma possível degeneração.
Neno Vasco

greve_17Ao longo de sua história, a classe trabalhadora desenvolveu e aperfeiçoou inúmeros métodos de luta e organização para fazer frente aos desmandos dos patrões e do Estado. Marchas e demonstrações públicas, obstrução de vias públicas, ocupação de locais públicos ou privados, greves, dentre diversas outras criações imaginárias e autônomas que constituem uma trajetória de sonhos, esperanças, conquistas, vitórias e também de derrotas, de perdas de inestimáveis companheiros.

Entre todos estes métodos, a greve historicamente se destacou por seu peculiar dinamismo e capacidade de marcar uma ofensiva dos trabalhadores aos seus algozes. Por melhores salários e, sobretudo, por melhores condições de trabalho, especialmente pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários, a classe trabalhadora desenvolveu uma rica experiência histórica que deve ser recorrida e resguardada por todos aqueles que acreditam na necessidade de sua emancipação do jugo dos opressores. Sob a bandeira de 8 horas de trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso, a classe trabalhadora vivenciou suas mais memoráveis batalhas.

O criativo dinamismo que proporciona a greve é, sobretudo, sua capacidade de exigir da classe trabalhadora uma ação em conjunto, solidária e que seja capaz de se articular através de diversos métodos. Na greve temos a oportunidade de assumir nosso destino pelas nossas próprias mãos, sem confiá-lo aos “chefes” de turno, aos espíritos avarentos das estruturas de poder do Estado, das patronais e seus instrumentos de propaganda ideológica e produção de consensos: os grandes meios de comunicação. É no momento em que os trabalhadores param que, pela primeira vez, estes mesmos espíritos avarentos se dão conta de que sem o nosso suor podem ser reduzidos a sua insignificância histórica. Por isso sua fúria, sua ira descontrolada que procura nos atacar, intimidar e assediar das formas mais covardes e vis possíveis. Em linhas gerais, se encontram desesperados por verem as bases de seu velho mundo desrespeitadas. Nas greves os trabalhadores têm a oportunidade de deixar o rei nu!

A importância dos métodos de luta e organização

Todavia, as greves também são momentos em que nos deparamos com as limitações e as “misérias” que também habitam a classe. Na greve temos também de lidar com nossos colegas inseguros, seja por espírito vacilante, seja por excesso de assédios, abusos e falta de uma maior solidariedade do conjunto de seus companheiros de classe para com a sua situação.

Além disso, não raramente, também há de se lidar com aqueles que, oriundos da classe trabalhadora, ao galgar postos em suas organizações, vão aburguesando seu espírito, adquirindo hábitos de verdadeiros “xerifes” do destino das reivindicações e anseios dos trabalhadores. Adquirindo privilégios econômicos ou não, a sedução que proporciona, o prestígio e a fama quando tocada em lideranças que condicionam suas ambições às suas próprias carreiras pessoais em detrimento de um projeto histórico, coletivo, de empoderamento e emancipação do vasto mundo dos de baixo, tende a criar profundas chagas em meio às lutas e organizações de classe. Desorganiza, despolitiza, desmoraliza; canaliza o caminho das lutas à gestão de seu pequeno grupo de confiança, ambicioso por manter-se ad eternum em seu posto de privilégio.Braços Cruzados

Prepara o caminho para a pior de todas as derrotas, aquela que nos desmoraliza: a derrota sem luta, no covarde e permanente recuo. É por este caminho, a partir do desenvolvimento de valores ideológicos, de sentimentos, perspectivas e horizontes que vai se desenvolvendo aquilo que conhecemos, tristemente, enquanto burocracia sindical e/ou partido.

Reagir ao desenvolvimento deste trágico fenômeno é, portanto, um caminho determinante àqueles que não titubeiam em destinar todas as suas energias à busca de um novo porvir, de justiça e igualdade, de socialismo e liberdade. Não se reage a esse fenômeno, portanto, sem o desenvolvimento da maior atividade possível para que o conjunto dos trabalhadores tomem em suas próprias mãos este projeto histórico. Que pensem e caminhem com suas próprias pernas à essa busca criativa. É, portanto, a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social, capaz de sepultar a injusta e odiosa sociedade que conhecemos. Embora toda sociabilidade humana seja marcada, em determinado grau, por relações de poder e “autoridade”, essa busca não passa pela atividade de chefes, sob pena de nascer intoxicada e, portanto, condicionada à morte mais ou menos lenta.

greveDaí resulta a implacável necessidade de sermos rigorosos com nossos métodos de luta e organização muito mais do que o somos em relação à administração e conduta das necessárias “negociações” que, ainda que contra nossa vontade, somos levados a ter com nossos algozes. Todo conflito termina com algum lado “negociando e cedendo”, a não ser que esteja posta a possibilidade de um aniquilamento estratégico de alguma das classes em pugna. Negar (ou insinuar que se esteja negando) a necessidade de negociação sem a perspectiva de uma vitória estratégica em nosso objetivo finalista é um tanto absurdo e sugeri-la não passa de devaneio ou, o que é mais recorrente, um artifício retórico para indicar que a força da classe trabalhadora reside não em sua capacidade de se colocar em movimento, golpeando de forma altiva seus algozes, mas sim na habilidade e no carisma de um pequeno grupo capaz de administrar a situação, de negociar de forma “consequente e responsável” as demandas coletivas, evitando assim toda sorte de “descontroles”, de uma explosão catártica de revolta daqueles que julgam controlar.

É com o brio de nossos métodos de luta e organização que somos capazes de impor medidas de força que sejam capazes de dobrar nossos inimigos e não apresentar ardilosas medidas que ingenuamente podem ser vistas como um recuo dos patrões e governos, quando do que se trata é de um sagaz movimento que vai para trás, para frente e para os lados, em suma, que nos convida a bailar em sua própria festa.

Com a força das ocupações, dos trancaços, piquetes e barricadas que encontramos a divisão crível para a devida definição de quem são nossos companheiros, nossos camaradas. São nestes métodos que residem a têmpera e a fibra de nossas greves e lutas, onde pulsa a forja de um porvir de socialismo e liberdade tal como se fortalecem os antídotos para as degenerações burocráticas que seguem pairando como trágica sombra obscura que conspira contra a derradeira vitória de nossa classe.

*Edgard Silva, militante da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e Resistência Popular.

Comunicado em apoio e solidariedade a luta do DAF na Turquia

Companheiras/os da DAF (Devrimci Anarşist Faaliyet / Ação Revolucionária Anarquista):

11427177_814975615223960_8812376936822750883_n

Queremos em primeiro lugar deixar chegar até vocês, de maneira conjunta, nosso abraço fraterno de solidariedade com a causa do anarquismo turco comprometido com as lutas sociais e causas revolucionárias, que são as mesmas nossas causas. Em segundo lugar comemoramos e expressamos a nossa alegria que esses dois companheiros da DAF, que foram cruelmente presos pelo Estado turco, foram colocados finalmente em liberdade, sendo isso resultado da luta de rua de cada companheiro / a.

Queremos dizer-lhes que as nossas organizações seguem atentas e a postos para espalhar por todos os meios possíveis, os acontecimentos revolucionários no Curdistão ocidental e no quadro de solidariedade regional que eles criaram e, que estes enxergam vocês como protagonistas também neste processo, juntamente com outras organizações irmãs. Com profundo respeito, e sabendo que muitas vezes as distâncias impõem limites quando precisamos lançar ações de apoio a nossa causa como anarquistas, no entanto queremos fazer chegar até vocês toda a força e o apoio militante a seus esforços, não apenas por realçar a vizinha Rojava revolucionária, mas também pela tentativa cotidiana de construir uma alternativa anarquista na Turquia.

Desde já afirmamos toda a solidariedade a seus esforços, desde onde nos toca viver e atuar, aqui no sul do continente Latino Americano.

Viva a revolução de Rojava!
Viva a DAF!!!
Liberdade para Zeynep Celaliyan!
Arriba lxs que luchán!

CALC – Coletivo Anarquista Luta de Classe (Paraná, Brasil)                     FAU – Federación Anarquista Uruguaya (Uruguay)
FAG – Federação Anarquista Gaúcha (Río Grande do Sul, Brasil)
FAR – Federación Anarquista de Rosario (Rosario, Argentina)