[OASL] 99 anos da Greve Geral de 1917

Retirado de: https://anarquismosp.org/2016/07/16/99-anos-da-greve-geral-de-1917/

Em 1917, a classe trabalhadora de todo o mundo sofria com os ecos da Primeira Guerra Mundial e com o progresso predatório do capitalismo, que tornava o trabalho nos campos e nas indústrias cada dia mais penoso. A insatisfação das trabalhadoras e trabalhadores reverberava na intensificação de suas lutas, em especial na forma do sindicalismo revolucionário, que se caracterizava como a força mais presente nas lutas da América Latina.

Na cidade de São Paulo, além da precarização do trabalho, dos baixos salários e da ameaça constante do desemprego, também veio a somar uma crise de alimentos que multiplicou o preço do pão sem alterar um centavo no salário. Como resposta, a partir do mês de maio, os sindicalistas tomaram as ruas se manifestando por melhores condições de trabalho e de vida.

José Ineguez Martinez, um jovem sapateiro e anarquista de 21 anos, foi assassinado pela polícia de São Paulo no dia 09 de julho. Com um tiro no estômago, foi levado para a Santa Casa, onde faleceu no mesmo dia. Os sindicatos e jornais operários de toda a cidade espalharam a notícia no dia seguinte, chamando a adesão da classe à greve. Na manhã do dia 11, cerca de 10 mil pessoas acompanharam o seu enterro.

A organização dos trabalhadores, que já vinha sendo construída pelos anos, mostrou resultado no fortalecimento da greve. Estima-se que a greve chegou a ter a adesão de 100 mil trabalhadores. O fim da greve, que hoje completa 99 anos, ocorreu no dia 16 de Julho. Em uma semana conseguiram do poder público, dentre outras conquistas, o compromisso em reduzir os preços dos alimentos e em tirar medidas pela defesa de trabalhadores menores de 18 anos e das trabalhadoras de período noturno. Foi o início de um processo revolucionário: boa parte de São Paulo ficou sobre controle dos trabalhadores e a patronal, temerosa, foi colocada contra a parede.

A Coordenação Anarquista Brasileira vem reconstruindo, desde baixo, o vetor social do anarquismo. No contexto que vivemos hoje, com o crescente corte nos direitos trabalhistas, tão arduamente conquistados pela organização popular, é urgente resgatar a história de luta das e dos anarquistas e sindicalistas de 1917. Vemos hoje a utilização das ferramentas históricas dos trabalhadores, como as ocupações, utilizadas atualmente nas lutas dos povos oprimidos. É o caso dos estudantes e educadores da cultura que atualmente sustentam as ocupações das fábricas de cultura do governo do estado. Mantendo viva sua memória e continuando o seu trabalho, pelas reivindicações, mobilizações e ocupações, é que poderemos construir um mundo novo.

Não nos esqueceremos!

 

GG1917_zpsf2d9d922

[Black Rose/EUA] O golpe na Turquia: tirania contra tirania não leva à liberdade

Retirado de: https://anarquismorj.wordpress.com/2016/07/16/black-roseeua-o-golpe-na-turquia-tirania-contra-tirania-nao-leva-a-liberdade/

Por Morgan Presta da Comissão de Solidariedade a Rojava da Federação Anarquista Rosa Negra Black Rose/Rosa Negra)

Está em curso um golpe militar na Turquia. Não é certo qual será seu resultado, mas tanques estão nas ruas, soldados tomaram a televisão estatal, aeroportos foram fechados, e tiros de arma de fogo e explosões foram ouvidas em Instanbul e na Turquia. Parece claro que uma substantiva seção militar liderou essa ação contra o governo e está no controle de partes do país. Até o momento há informes de soldados matando manifestantes. Dada a fraqueza histórica do exército turco como um poder político relativo aos períodos em que se realizaram os golpes anteriores, há uma forte chance que o governo irá prevalecer. Mas esta tentativa de golpe é claramente bem organizada e pode ser capaz de derrubar o governo.

A seção rebelde dos militares anunciou na televisão que a lei marcial vai ser decretada e que o país será administrado por um “conselho de paz” – um eufemismo para uma junta militar, mais provavelmente. Este setor militar diz que sua justificativa é a restauração do regime democrático e secular de direito, depois de anos de governo do presidente Erdogan e o AKP que resultaram de fato numa ditadura.

Nós apoiamos diversas lutas contra o governo do AKP. O governo de Erdogan prendeu nossos amigos, começou uma guerra com o movimento Curdo, jogou cidades inteiras no lixo, deslocou milhares de pessoas, patrocinou o crescimento do ISIS, permitiu que nossos amigos e companheiros fossem mortos na Turquia pelo ISIS, e um sem número de outros crimes. Erdogan tem tentado criar uma ditadura de partido único na Turquia.

O contexto dos golpes na Turquia

Muitas pessoas, especialmente aqueles que apoiam o movimento Curdo, podem estar entusiasmadas com a expectativa do golpe militar ser bem sucedido, porque Erdogan poderia ser removido, e ainda poderia haver uma chance para o fim da guerra e a possibilidade de reorganizar os movimentos sociais e de massa revolucionários. Esse é um entusiasmo equivocado. Embora ninguém possa prever exatamente o que irá acontecer, não há razão para acreditar que um golpe militar significará progresso para as classes populares na Turquia. Substituir uma ditadura por outra ditadura não significa libedade para o povo. Os generais não nos darão a liberdade. Apenas as lutas dos oprimidos pode conquistar a liberdade.

O golpe militar no Egito em 2013 demonstrou isto. Instigado pela ação de protestos populares massivos, os militares depuseram o presidente Morsi e instalaram um governo militar. Alguns setores da esquerda apoiaram o golpe militar, porque sentiam que ele realizou a vontade popular para derrubar Morsi. Mas desde então o governo militar tem sido mais destrutivo e repressivo, e não deu nenhum passo em direção a democracia. O golpe militar tem caminhado ao contrário aos desejos da população egípcia, mesmo que tenha sido removido um inimigo das classes populares.

A Turquia tem uma longa história de golpes militares – em 1960, 1971, 1980, e 1998. O país está atualmente operando sob controle de uma constituição desenhada em 1980 por uma junta de governo militar. Esses golpes tem sempre, por sua própria natureza, atuado como um teatro para a democracia. Os militares em si mesmo já são ideologicamente opostos a democracia e a esquerda – possivelmente muito mais que Erdogan. Eles são o centro político do nacionalismo étnico na Turquia, e continuamente convidaram Erdogan a ser mais agressivo em sua guerra contra o PKK e o povo Curdo. Dada a ideologia e a política dos militares turcos, nós podemos esperar um governo golpista ainda mais agressivo na repressão as minorias e a esquerda.

O que nós precisamos fazer

Nós precisamos ficar ao lado de nossos companheiros na Turquia neste momento. Se o golpe for bem sucedido, nós podemos esperar uma forte repressão e até mesmo a suspensão do processo democrático. Se o golpe falhar, nós podemos esperar retaliação do AKP e uma cruel repressão sobre qualquer oposição ao governo. Devemos apoiar a oposição de esquerda ao golpe que já está se manifestando. Não devemos apoiar as vozes que tentam justificar um golpe militar que só irá substituir um inimigo da nossa classe com o outro, mas em uma base ainda mais antidemocrática.

O único caminho é a luta de massas revolucionária!

Texto Original

Tradução: FARJ