Arquivo da categoria: Notas

[Rusga Libertária] Cumprimentamos a todas e todos, companheiras e companheiros da Federação Anarquista Uruguaia

Retirado de: http://rusgalibertaria.wordpress.com/2013/04/29/cumprimentamos-a-todas-e-todos-companheiras-e-companheiros-da-federacao-anarquista-uruguaia/

[CABN] 1º de Maio na Ocupação Contestado: debate sobre o trabalho na Cooperativa

Retirado de: http://www.cabn.libertar.org/?p=1004

A Cooperativa de produção de alimentos e a Ocupação Contestado (São José – SC) convidam a todas e todos para uma atividade na ocupação, no 1º de Maio. Faremos uma apresentação e debate sobre o trabalho na cooperativa: geração de renda, trabalho coletivo e horizontal, e a construção de novos valores.

Haverá também a exibição do curta “Maio, nosso maio”, que retrata a história do Dia dos Trabalhadores e do sindicalismo, e exibição de cartazes resgatando a memória desse dia importante da nossa classe.

Nossa Cooperativa ainda está no começo e, por isso, estaremos vendendo salgados e outros alimentos para arrecadar fundos. Queremos construir uma cozinha no espaço do barracão, para poder avançar na produção e termos mais pessoas trabalhando!

O 1º de Maio é um dia histórico de luta das trabalhadoras e dos trabalhadores, que motivou a organização do povo em todo o mundo, lutando por uma vida mais digna, contra a exploração do trabalho. Desde as lutas pela conquista da jornada de 8h, greves e lutas por salário e condições de vida, foram várias conquistas que estimularam a transformação dessa sociedade para uma nova, sem exploração e dominação. Nós somos herança e continuação dessas lutas e desses sonhos, desde cada ocupação e cada local onde o povo se organiza!

As atividades começam às 14h, no Barracão Central do Contestado.
Todas e todos estão convidadas(os)!

Para contato, dúvidas sobre como chegar e para organizar caronas:
jg@riseup.net

[FAG] NOSSO SITE ESTÁ SUSPENSO!

NOSSO SITE ESTÁ SUSPENSO!

Na manhã de hoje, quinta feira, dia 04 de Abril, às vésperas de um novo ato contra o aumento das passagens de ônibus e pela redução da tarifa a R$2,60 sem a retirada de nenhum direito, fomos surpreendidos com a “suspensão” de nossa conta na rede.

Muito coincidentemente, essa suspensão ocorre a menos de uma semana, após um grande ato contra o aumento das passagens, reunindo 10 mil pessoas. Neste ato estivemos difundindo nosso material de opinião, o qual teve grande circulação e boa adesão. Além de difundir o material nos atos também estivemos circulando pela internet.

Como não acreditamos em coincidências, só temos algo a dizer: Seguiremos em luta! Não passarão!

Moção de Apoio à Luta na UDESC

Retirado de: http://www.cabn.libertar.org/?p=939

As ações neoliberais do governador Raimundo Colombo e do ex-governador Luiz Henrique fizeram com que a educação catarinense entrasse em um momento de extrema precarização, com o achatamento do plano de carreira dos professores, falta de condições de trabalho e estudo, falta de assistência estudantil. A UDESC não está livre disto. No ano de 2011, o último decreto do ano do governo Colombo feriu a autonomia financeira da UDESC ao modificar a data-base dos técnicos e professores e fragmentando o aumento acordado em reunião do Conselho Universitário, além de abrir uma brecha jurídica para o que estava por vir, a não realização do orçamento do ano de 2012.

Não bastassem as ações do governo do Estado, em março de 2012 a Reitoria – em uma tentativa de golpe estatutário – buscou aprovar o que chamou de “pequenas adequações” no estatuto da UDESC, datado de 2007. Essas modificações previam o voto de funcionários aposentados, possibilidade de reeleição do reitor, voto dos alunos à distancia, diluindo o voto do estudante que só corresponde a 25% do colégio eleitoral. Mas dessa vez o movimento estudantil da UDESC se levantou e ocupou o CONSUNI, fazendo com que o processo fosse arquivado.

63980_106029396257233_235904843_n

Em agosto de 2012, a comunidade acadêmica se viu às voltas com a notícia da necessidade de corte de 20% no orçamento da UDESC. Esse corte, de acordo com a reitoria, seria necessário devido a uma crise orçamentária no governo do Estado. Entendemos que essa crise foi provocada pela má administração do governo; mas também entendemos que a crise só atinge a UDESC dessa forma por uma política irresponsável, que abriu centros por todo o Estado sem a mínima condição de funcionamento, além de precarizar os centros já estabelecidos. Não somos contra a expansão universitária, mas entendemos que essa expansão deve ser feita com qualidade.

Durante todas essas mobilizações o movimento estudantil da UDESC conseguiu debater e avançar sobre a pauta da permanência estudantil. A luta por esses direitos acompanha o movimento desde a criação da UDESC, pois em quase 50 anos a Universidade nunca teve uma política de permanência estudantil, inviabilizando que as classes exploradas tivessem a possibilidade de frequentar os cursos oferecidos pela UDESC. A luta dos(as) estudantes por uma universidade mais democrática e com políticas de permanência é uma luta dos(as) trabalhadores(as) por uma vida mais digna e por um mundo onde as classes oprimidas tenham acesso a educação gratuita e de qualidade. Por um movimento estudantil combativo, construído de baixo pra cima desde cada sala de aula, cada Centro e Diretório Acadêmico, cada ato e ocupação de Reitoria. Todo apoio à luta dos(as) estudantes da UDESC!

Coletivo Anarquista Bandeira Negra
Março de 2013

Arriba los que luchan!

Lutar, Criar, Poder Popular!

[CAB] Nota de Repúdio em solidariedade aos estudantes da UFMT

Constantemente é dito que não vivemos mais em uma ditadura, mas presenciamos o quanto isso é questionável. Durante todo período da ditadura militar no Brasil ocorreu todo tipo de prática repressiva inimaginável contra os movimentos sociais, talvez em maior proporção aos movimentos estudantis que naquele momento se colocavam de maneira mais radical contra a censura e aos ataques aplicados contra a liberdade de expressão. Estamos chegando aos quarenta e nove anos do golpe militar no Brasil, quase meio século do fim de uma ditadura que prendeu, torturou, violentou, assassinou e sumiu com os corpos de militantes da esquerda brasileira. Mesmo depois de quase meio século dessa barbáridade, voltamos a ver essas mesmas práticas repressivas sendo aplicadas contra os movimentos sociais.

Em Cuiabá, cidade do estado de Mato Grosso, presenciamos no dia seis de março uma brutal repressão contra estudantes que fizeram uma manifestação por melhorias na assistência estudantil e contra o fechamento de cinco casas destinadas para a moradia dos estudantes universitários da UFMT (Univesidade Federal de Mato Grosso). Os estudantes fecharam pacificamente a avenida Fernando Correa da Costa quando foram surpreendidos pela presença da ROTAM que foi chamada para realizar a dispersão e liberação da avenida que foi utilizada como ponto da manifestação, porém foi na avenida lateral ao campus universitário de Cuiabá conhecida como Alzira Zarur – avenida principal do bairro Boa Esperança, mesmo bairro onde um estudante da UFMT, natural de Guiné-Bissau, foi brutalmente assassinado pela policia militar do estado mato-grossensse – que os estudantes foram brutalmente espancados e presos. A prática de disperção utilizada foi tapas e socos, principalmente, nos rostos dos e das estudantes, disparos de balas de borracha a queima-roupa que atingiu também um pedreiro que trabalhava em uma obra próxima ao ato. Uma estudante tomou um tiro de bala de borracha na mão e com isso sofreu uma fratura e terá que passar por cirurgia. Outro estudante tomou um tiro na costela que fez com que o mesmo espelice sangue pela boca… sem contar as possíveis torturas que devem ter sido aplicadas aos estudantes detidos. Foi contabilizado através de informações de alguns participantes que dez pessoas ficaram feridas e seis foram presas.

Essa é a política ideológica da “Ordem e Progresso” e essa é a democracia na qual vivemos. Uma repressão, disfarçada de democracia, cada vez maior contra os movimentos sociais, uma repressão que vem crescendo cada vez mais dentro das periferias para a realização da Copa do Mundo em 2014 e da Olimpíada em 2016.

Nós da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) também nos colocamos contra as políticas de mercado aplicadas pelo Plano Nacional de Educação (PNE), voltadas para a precarização e a privatização da educação pública, e, reivindicamos a ampliação e implementação de políticas efetivas de assistência estudantil que garantam o acesso e a permanência. Algumas das várias bandeiras defendidas pelo movimento estudantil.

Portanto, declaramos total repúdio a brutalidade exercida pelo corpo militar repressivo do de Cuiabá e a postura conivente da administração superior da UFMT.

Declaramos também nossa total solidariedade a todas e todos estudantes que foram feridos e presos!

Por uma Educação Pública e de Qualidade!

Pela Autonomia dos Movimentos Sociais!

Contra a Brutal Repressão aplicada pelo Estado contra os Movimentos Sociais
Combativos e Classistas!

A História são os pobres que as fazem, a Vitória está nas Mãos de
quem Peleia!

Não tá morto quem peleia!

Coordenação Anarquista Brasileira – CAB

Coordenação Anarquista Brasileira

 

Saudação ao Coletivo Anarquista Bandeira Negra

Companheiros e companheiras, de classe e ideal, aos que aqui se encontram, e especialmente a militância do Coletivo Anarquista Bandeira Negra de Santa Catarina (CABN). É com muito respeito, admiração e felicidade que saudamos o primeiro aniversário da nossa organização irmã.É também com humildade e muito trabalho por fazer, que sentamos hoje lado a lado com os companheiros e companheiras da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e do CABN, para conversarmos e saudarmos os esforços da jovem militância local.

Integramos uma organização que tem apenas dois anos de vida, o Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC), mas que tal como as organizações citadas, se soma aos esforços anônimos de milhares de explorados que, por estas bandas, resistem e lutam a mais de 500 anos contra o sistema de dominação capitalista e por uma outra sociedade, queremos socialista e libertária.

Reconhecemos e sentimos que somos parte desta mesma história de lutas, que no ano de 1864, com a criação da Associação Internacional dos Trabalhadores por obra dos proletários europeus, ganha um incremento, isto é, passa a contar também com a perspectiva anarquista de luta e proposta política. De lá para cá muita coisa foi realizada, sequer temos condições de rememorar aqui, mas muitas lutas ainda acontecerão e precisarão ser tocadas pelos explorados e suas organizações políticas e sociais.

É neste sentido que saudamos esse esforço, de constituir organizações políticas anarquistas locais, e essa jovem, pequena, mas não menos combativa força militante, que agora se enlaça a história de luta e resistência dos trabalhadores.

Não poderíamos deixar de saudar rapidamente as três organizações que, de certa forma, animaram o trabalho dos companheiros e companheiras de Santa Catarina e do Paraná. A Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ), pelo trabalho empreendido por sua Rede de Apoio de 2008 para cá, a FAG, também por seu apoio incessante e consistente, a Federação Anarquista Uruguaia (FAU), pela sua história e referência para os libertários da América – Latina.

Vida longa ao Coletivo Anarquista Bandeira Negra!

Ética, compromisso e liberdade.

Viva a Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)!

Coletivo Anarquista Luta de Classe, 1 de setembro de 2012.

Adesão do Coletivo Anarquista Luta de Classe a CAB

7 de junho de 2012, documento redigido em razão da adesão do Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC)  a CAB

Primeiramente saudamos as organizações presentes. Não poderíamos deixar de expressar nossa alegria ao passar a compor a construção do anarquismo organizado no Brasil junto às organizações da CAB.

É importante ressaltar que, se ainda não fazíamos parte daquilo que hoje é a CAB, sempre, desde nossos primeiros passos, em meados de 2009, fomos animados e apoiados pelas organizações componentes do FAO. Desta maneira, podemos afirmar que nossa organização é resultado daquilo que se denominou a construção do anarquismo no Brasil, sendo nossa modesta organização a prova e o resultado do trabalho determinado desta iniciativa.

É com alegria e orgulho que agora passamos a compor ombro a ombro, lado a lado, a Coordenação Anarquista Brasileira.

Viva o Anarquismo Organizado!

Viva o FAO!

Viva a CAB!

[CABN] Saudação do Coletivo Anarquista Bandeira Negra (SC) ao Congresso de Fundação da CAB

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/23101

Saudação do Coletivo Anarquista Bandeira Negra ao Congresso de Fundação da Coordenação Anarquista Brasileira.

cabn.png

Companheiros e companheiras,

É com muita alegria e orgulho que saudamos todas e todos nesta manhã que marca uma etapa significativa na história do anarquismo brasileiro, com a fundação da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB).

Nós do Coletivo Anarquista Bandeira Negra, organização específica anarquista com presença em três cidades de Santa Catarina (Florianópolis, Joinville e Chapecó), temos menos de um ano de vida, mas sabemos do salto organizativo para a militância anarquista de nossas cidades proporcionado pela nossa modesta organização.

Este salto organizativo, impulsionando e estimulando nossa atuação, só foi possível graças ao apoio e a experiência acumulada nesses 10 anos de FAO. Sem este referencial e todos os aportes oferecidos, sem dúvida ainda estaríamos fragmentados e desorganizados. Cabe então nosso mais profundo agradecimento às organizações e pessoas que muito contribuíram neste processo.

Fundado em Agosto de 2011, o CABN é fruto de um processo iniciado em 2008, no qual a Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ) teve um papel especial, contribuindo em nossa formação e auxiliando através de sua rede de apoio no estabelecimento de contatos entre anarquistas de Curitiba, Florianópolis e Joinville. Podemos dizer que a FARJ foi e ainda é um exemplo motivador para nós, motivo pelo qual cabe um agradecimento especial.

Em Abril de 2009, graças aos contatos realizados dentro da rede apoio da FARJ, foi realizado o I Colóquio do Anarquismo Social, nas cidades de Curitiba, Florianópolis e Joinville, contando com a presença da FARJ e da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), que passaria a partir dali a nos representar um referencial importantíssimo. Por isso, registramos também nossos agradecimentos especiais aos compas da FAG.

Após o colóquio houve a fundação do Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC) em Curitiba, e da Organização Dias de Luta, em Joinville, que mais tarde se somaria ao CABN. Fruto do mesmo processo, nos reconhecemos como uma organização irmã do CALC, que também merece uma menção especial de agradecimento.

Em Florianópolis o processo organizativo foi mais lento e apenas em 2011 tivemos o amadurecimento necessário para fundarmos nosso coletivo.

Destacamos a importância dos cursos de formação do Fórum do Anarquismo Organizado (FAO), sem os quais não teríamos a segurança política requerida no processo. A fundação da Federação Anarquista de São Paulo, hoje Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL), mais próxima historicamente de nossa fundação, merece ser lembrada como um estímulo a mais neste processo.

Depois tivemos contato com as demais organizações: Rusga Libertária, Organização Resistência Libertária, Coletivo Anarquista Núcleo Negro e Coletivo Anarquista Zumbi dos Palmares, ampliando horizontes da nossa experiência política. Nosso mais profundo agradecimento a todos vocês.

Hoje, aqui estamos, firmes e convictos da fundamental importância deste Congresso. Convictos também do papel de destaque que a Coordenação Anarquista Brasileira deverá adquirir no cenário político em que estamos inseridos. Convictos e solidários aos irmãos e irmãs anarquistas que aceitaram o desafio de fundar esta Coordenação. Contem com nossas forças e apoio naquilo que for preciso.

Por fim, manifestamos nosso agradecimento à Federação Anarquista Uruguaia, exemplo maior de militância anarquista sem o qual muito provavelmente não estaríamos aqui.

Viva a Coordenação Anarquista Brasileira!
Lutar, criar, poder popular!

Rio de Janeiro, 08 de Junho de 2012.

 

 

[Ceará] TRABALHADORES GRÁFICOS DO CEARÁ REALIZAM MANIFESTAÇÃO EXIGINDO MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA E TRABALHO

Retirado de: http://resistencialibertaria.org/index.php?option=com_content&view=article&id=97:fortaleza-trabalhadores-graficos-do-ceara-realizam-manifestacao-exigindo-melhores-condicoes-de-vida-e-trabalho&catid=88:lutas&Itemid=64

“A imprensa é tão poderosa no seu papel de construção de imagem que pode fazer um criminoso parecer que ele é a vítima e fazer a vítima parecer que ela é o criminoso. Esta é a imprensa, uma imprensa irresponsável. Se você não for cuidadoso, os jornais terão você odiando as pessoas que estão sendo oprimidas e amando as pessoas que estão fazendo a opressão.”

Malcolm X

Ocorreu em Fortaleza no último dia 29 uma manifestação pública dos trabalhadores gráficos do Ceará em frente à sede do jornal Diário do Nordeste (imprensa corporativa), próximo à Praça da Imprensa. Os gráficos do setor de jornais e revistas estão em greve desde o dia 18 de maio, por melhores condições de vida e trabalho para a categoria, uma das mais sofridas e exploradas no estado. No decorrer da manifestação, os trabalhadores do Sindicato da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza – em greve há 24 dias (desde o dia 07 de maio), que se dirigiam em caminhada à Assembleia Legislativa, resolveram somar-se aos gráficos, num ato de solidariedade.

Durante o protesto, que transcorria de forma organizada e tranquila, um segurança particular do Diário do Nordeste provocou um dos manifestantes, pegando uma pedra e insinuando atirá-la contra os trabalhadores. Diante disso, os manifestantes perderam a paciência e responderam com uma ação direta espontânea, quebrando uma porta de vidro da recepção do jornal, que até então estava fechada e com vários seguranças impedindo qualquer pessoa de entrar ou sair. Diferente do que diz o jornal, “apurando” os fatos de forma antiética, ninguém foi atingido ou ficou ferido.

Os gráficos perderam a paciência não apenas com as provocações e insinuações do segurança do jornal. Há vários dias os trabalhadores estavam em greve e os jornais da grande mídia do Ceará (entre eles O Povo e Diário do Nordeste) não davam a mínima atenção às reivindicações da categoria, tratando-os com desprezo. O sindicato dos gráficos procurou por diversas vezes os responsáveis pelos jornais para abrir um canal de negociação, que foi negado, em atitude de total indiferença com os grevistas.

Nos dias anteriores e após o início da greve, a situação foi ficando mais tensa nas sedes dos jornais e nos locais de trabalho. Os trabalhadores gráficos foram provocados por seus superiores, que cometeram vários atos de ilegalidade, efetuando uma verdadeira perseguição política. Praticaram violência simbólica, psicológica e verbal contra os trabalhadores, fazendo ameaças de demissão aos que se envolvessem na greve, confinando trabalhadores dentro das dependências do jornal e substituindo os grevistas por gráficos vindos de outros locais, inclusive do interior do estado. Todas práticas ilegais e que ferem frontalmente o direto de greve assegurado a todos os trabalhadores. Além disso, na tentativa de intimidar os trabalhadores e impedir o exercício do direito de greve, foram contratados seguranças armados com armas de fogo para vigiar a entrada da sede dos jornais.

No momento, a imprensa mercenária (como chamavam acertadamente os trabalhadores gráficos do Ceará há mais de cem anos) e seus jornalistas fazem uma campanha difamatória e caluniosa, criminalizando os trabalhadores pela ação realizada, taxando os gráficos e os trabalhadores da construção civil de “vândalos”, “bárbaros”, “agressores”, “selvagens”, “maus sindicalistas” e várias outras palavras negativas. A tentativa é de construir uma imagem dos trabalhadores em greve como violentos, desordeiros, criminosos e promotores do medo.

Os trabalhadores gráficos escreveram uma nota em conjunto com os trabalhadores da construção civil, na qual expõem sua versão do ocorrido à sociedade. A nota (que pode ser vista logo abaixo), assim como outras informações, encontra-se no site do Sindicato dos Trabalhadores Gráficos do Ceará (www.sintigrace.org). Os gráficos e trabalhadores da construção solicitam solidariedade de todos os movimentos sociais, organizações, grupos e das pessoas sensíveis do mundo, nesse difícil momento de perseguição e criminalização, que vai se desdobrar em ações judiciais, demissões e retaliações das mais variadas formas.

Toda solidariedade aos trabalhadores gráficos em greve!

Pela solidariedade de classe entre os trabalhadores em luta!

Contra toda forma de criminalização dos movimentos sociais e do protesto popular!

Alexandre Buenaventura

[ORL] MOÇÃO DE APOIO EM SOLIDARIEDADE AOS TRABALHADORES GRÁFICOS DO CEARÁ

Retirado de: http://resistencialibertaria.org/index.php?option=com_content&view=article&id=96:solidariedade-graficos&catid=88:lutas&Itemid=64

Qui, 31 de Maio de 2012 18:47

Moção de Apoio em Solidariedade aos Trabalhadores Gráficos do Ceará

Olá companheiros de luta,

Expressamos por esta carta nosso total apoio e solidariedade a vocês trabalhadores(as) gráficos do Ceará, que estão em greve há mais de 14 dias.

Acompanhamos as ações dos companheiros nos últimos dias e sabemos o quanto a imprensa corporativa, aliada aos interesses dos poderosos e dos donos da comunicação, está lhes perseguindo e criminalizando, tal como vem fazendo com os trabalhadores da construção civil e de várias outras categorias há tantos e tantos anos.

Lançamos nossa voz de apoio solidário a esta que é uma das categorias com mais forte tradição de luta no Ceará. Sabemos que vossos camaradas, há mais de cem anos contribuem de forma decisiva na luta contra a opressão e exploração dos trabalhadores sob o capitalismo, essa sociedade doentia, cruel e desumana em que vivemos.

Ações como a que vocês realizaram recentemente na sede deste mentiroso, antiético e péssimo veículo de comunicação (que nem vale a pena citar o nome) devem ser entendidas como respostas dos trabalhadores diante das provocações e intimidações que são feitas cotidianamente por aqueles que são opressores e exploradores do nosso trabalho, que vivem à custa do nosso suor, minando nossas vidas a cada dia, com as péssimas condições de trabalho e os salários de miséria que nos pagam.

Ações como as que vocês protagonizaram, são a explosão da revolta contra as perseguições e a criminalização que são praticadas contra quem luta por melhores condições de vida e trabalho. São ações desse tipo que marcam uma forma de sindicalismo de resistência, por meio da ação direta combativa e autônoma, diferente do sindicalismo pelego que estamos acostumados a ver instalado no país há várias décadas, um sindicalismo burocrata, de carreira, e repleto de “sindicalistas” de escritório, que vivem da negociata e dos conchavos políticos que só beneficiam a eles, aos políticos profissionais e aos donos da economia no país.

Em certos momentos são necessárias ações como essa, companheiros, ações diretas violentas, sem intermediários políticos e que marquem a diferença entre quem violenta os trabalhadores e nós que lutamos em legítima defesa. Sim, porque é isso que fazemos quando resistimos aos opressores e exploradores do nosso trabalho: lutamos em legítima defesa. Eles é que são os criminosos, eles é que nos violentam todos os dias. São eles os causadores diretos dos sofrimentos, das mortes (como a dos 28 trabalhadores da construção civil nos canteiros de obras desde o ano de 2011) e da dura vida que levamos. Uma vida que eles querem que seja vivida apenas em função do trabalho, para engordar os bolsos de quem vive de arrancar tudo o quanto pode da nossa saúde, do nosso tempo com a família, da nossa existência.

Esperamos que tenham êxito em suas reivindicações, companheiros, conseguindo arrancar o máximo de conquistas possíveis. Estamos à disposição de colaborar nas próximas manifestações e atividades, participando com nossas humildes forças militantes, quando for necessário.

Desejamos força e resistência na luta!

Autonomia, Combatividade e Liberdade!

Toda solidariedade aos trabalhadores gráficos do Ceará!

Quando os de baixo se movem, os de cima caem!

Os grandes só são grandes porque estamos de joelhos. Levantemo-nos!!

Fortaleza, 31 de maio de 2012.

Organização Resistência Libertária [ORL]