Arquivo da tag: anarkismo.net

[FARJ] Entrevista com um comunista libertário ucraniano: “Os anarquistas se tornaram o maior obstáculo à anarquia”

Retirado de: https://anarquismorj.wordpress.com/2014/12/03/entrevista-com-um-comunista-libertario-ucraniano-os-anarquistas-se-tornaram-o-maior-obstaculo-a-anarquia/

2 de novembro, 2014 – Comissão Jornal (mensal)

Donetsk, cidade no sudeste da Ucrânia é palco de confrontos entre separatistas pro russos e a população ucraniana. Um militante comunista libertário que lá vive e milita, nos deu alguns instrumentos para compreender quais são as forças presentes e as razões da letargia do movimento libertário.

Qual é a situação na Ucrânia?

A vida continua com duas realidades paralelas: as pessoas continuam com sua vida cotidiana, com as crianças ao redor, com o mesmo lugar dos mortos, da violência, do ódio. A divisão da sociedade se reforça a cada dia. É uma revolução política da burguesia nacional, em um contexto de guerra civil e de uma intervenção mal dissimulada da Rússia.

 

Qual é a composição social dos manifestantes do sudeste e dos de Maïdan?

Maïdan e os separatistas do sudeste não diferem muito um do outro. Os dois agrupam uma diversidade de classes sociais, intelectuais, empregadas(os), empresários, ruralistas, estudantes, lupemproletariado, antigos militares…Todos viraram reféns e marionetes dos clãs econômicos.

As pessoas de Maïdan colocaram no poder novas oligarquias e a gente do sudeste deixou de dormir por conta da família do presidente deposto Yanoukovitch e de seu mestre em Moscou. Toda essa retórica é perfumada pelo nacionalismo, como resultado das feridas sangrentas e da cólera durante décadas. Na realidade, o inimigo está no Kremlin, no Capitólio americano e no parlamento alemão. Os líderes de Maïdan assim como os líderes separatistas, são frações da burguesia nacional e de seus componentes radicais.

À leste, eles intimidam as pessoas com o partido de direita Pravyi Sektr (Setor de Direita), e lhes chamam ao combate do fascismo, mesmo que eles se inspirem no fascismo imperial da nação russa. Em Donetsk, segundo sua lógica, você pode escolher em ser russo ou ser um fascista. Em uma palavra, você está abatido ou está morto. Isso aconteceu em Maïdan e acontece agora no sudeste.

 

O que se pode dizer sobre o referendum do 11 de maio (1)?

É um referendum marcado por seus postos de votação sem observador e sob o olhar atento de pessoas disfarçadas. Foi uma farsa inscrita em uma estratégia visando criar repúblicas populares independentes, e depois pedir sua admissão na federação russa. Mas tem uma grande parte das pessoas de Donetsk e de sua região que são partidários de uma Ucrânia unida. Os separatistas são melhores organizados, têm os melhores recursos administrativos e o apoio do estado vizinho, isso é tudo.

  

Você acha que tem especialistas russos no sudeste?

Eu não acho, eu tenho certeza. E muitos dentre eles estão nas bases de treinamento nas regiões de Donetsk e Lugansk, onde grupos de 400 a 500 habitantes e voluntários da Rússia treinam sob a direção de instrutores militares (…) A maioria das pessoas que defendem a bandeira separatista são habitantes, trabalhadores ordinários ou veteranos das forças armadas. Mas um número significativo e que organiza o processo com autoridade, é formado por voluntários da Rússia. O fornecimento de armas e de dinheiro vem da Rússia. O chefe atual do governo em Donetsk, que se proclama “República Popular”, é Boroday. Estratégia desenhada pela administração do Kremlin.

 

Tem alguma possibilidade dos protestos se transformarem numa revolução social?

Neste momento, é um cenário improvável. Uma revolução social é possível unicamente na presença de dois fatores: uma demanda das massas por uma transformação radical e a organização política de viés revolucionário dos anarquistas, que será capaz de defender o processo de mudança.

Na realidade, não há nenhuma demanda por uma revolução social. A única mudança imaginada está no interior do quadro político. E mesmo esses tímidos rebentos de anti-autoritarismo que puderam se manifestar, se não forem sustentados por uma organização revolucionária e anti-autoritária forte, serão destruídos pela agenda política da burguesia e pelos partidos nacionalistas.

 

Quais são as perspectivas para os anarquistas no contexto atual?

O principal problema do movimento anarquista é a ausência de uma organização anarquista. Os anarquistas têm estado incapazes de usar a situação porque estão presos às ilusões anti-organizacionistas.

A organização é uma incubadora, uma escola, uma sociedade de apoio mútuo e uma plataforma produtiva para idéias e projetos; mas o mais importante, ela é um instrumento para a realização das idéias, um instrumento de influência e um instrumento de luta. Ela não pode ser substituída por grupos de afinidade.

Os anarquistas de hoje, como em 1917, perderam a oportunidade de serem influentes no processo. A RKAS (2) reivindicando o anarquismo plataformista de Makhno sobreviveu a muitas crises, se implicando na greve dos mineiros, e teve muitos projetos a longo prazo, mas que não foram sem desacordos e cisões internas.

A gente pode se lembrar da propaganda anti-eleitoral da cisão da RKAS, a Mezhdunarodnyj Souz Anarkhistov [3] em Donetsk. Os divisionistas argumentaram sobre o prentenso autoritarismo da RKAS. Uma vez liberados da “ditadura do escritório organizacional da RKAS”, que lhes fez ir às minas e usinas propagandear o jornal Anarquia, e discutir com os sindicatos e com as cooperativas, e construir uma “guarda negra” auto-disciplinada, eles mostraram suas capacidades estratégicas e ideológicas colando cartazes feitos à mão contendo a seguinte mensagem “Não vá às eleições, coma legumes”.

 Todas as tentativas para construir uma organização através do projeto RKAS deram lugar a uma cruzada contra “o autoritarismo e extremismo”. Finalmente os anarquistas se tornaram o maior obstáculo à anarquia. Eu recorro a esse paradoxo para chamar a sua atenção sobre esta velha doença “a anti-organizacão”, destruidora e irresponsável (…)Talvez a RKAS renasça se dando conta de todos os seus erros e se modernizando, talvez nós criaremos algo novo (…) Nós não a abandonaremos e nós não desapareceremos.

 

Em que você está engajado neste momento?

Infelizmente eu não posso lhe dizer tudo. Caso contrário, muita gente e eu mesmo teremos múltiplos problemas, e nós temos muitos projetos para o futuro. Oficialmente a RKAS foi dissolvida, mas seu núcleo se movimenta nas ações ilegais.

 

Este texto é um resumo, reformulado por Jacques Dubart, de uma entrevista com um mlitante da RKAS – Confederação Revolucionária dos Anarco-sindicalistas _acessível sobre anarkismo.net, traduzido do texto publicado em inglês no 9 de agosto.

[1] Referendum de auto determinação, assim que Donetsk “pediu” sua anexação à Rússia.

[2] Confederação Sindical Anarquista Internacional.

[3] União Internacional dos Anarquistas.

A ESTRATÉGIA DO ESPECIFISMO – Juan Carlos Mechoso

A ESTRATÉGIA DO ESPECIFISMO

                          Juan Carlos Mechoso                               (Federação Anarquista Uruguaia)

Entrevista a Felipe Corrêa

 

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/27372

mechoso

Esta entrevista — realizada por Felipe Corrêa, com Juan Carlos Mechoso, da Federação Anarquista Uruguaia (FAU) — aborda a “estratégia do especifismo” da FAU. Nas perguntas são abordados temas relevantes, como: conceito de especifismo, relação deste tipo de anarquismo com os clássicos e com experiências similares que surgiram na história, a relação do especifismo com o contexto da América Latina, comparações com outras ideologias que defendem a atuação em níveis distintos (partido – movimento de massas), conceitos de ciência, ideologia e sua relação com o socialismo, posições programáticas que os anarquistas devem defender nos movimentos populares, conceitos e concepções de classe, neoliberalismo, modelo de desenvolvimento da América Latina, poder popular, estratégia, luta armada, revolução social.

PREFÁCIO

Finalmente, depois de mais de cinco anos da realização desta entrevista, entrego a tradução em português para publicação online e em livro, pela Faísca Publicações.

Trata-se, como verá o leitor, de uma longa sequência de perguntas e respostas em que Juan Carlos Mechoso, destacado militante e fundador da Federação Anarquista Uruguaia (FAU), fala sobre a estratégia de luta desta organização, construída desde sua fundação, em 1956.

Com respostas muito bem desenvolvidas, muitas das quais recorrem aos documentos da própria FAU, a entrevista, que levou quatro meses para ser realizada, por email, no fim das contas, ficou ótima e foi muito esclarecedora. Ambos, entrevistador e entrevistado, ficamos muito empolgados e satisfeitos com o resultado final.

A partir de meados dos anos 1990, a FAU passou a ter uma influência determinante no anarquismo brasileiro. Entre os fins de 1995 e o início de 1996 conformou-se a Construção Anarquista Brasileira, uma iniciativa conjunta de uruguaios e brasileiros, que tinha por objetivo a articulação anarquista no país e uma retomada de sua influência no campo popular em geral. Desde então – e não sem erros, acertos e muito esforço e dedicação militante –, praticamente tudo que foi desenvolvido no Brasil, em termos de anarquismo especifista, teve influência direta da FAU.

A Organização Socialista Libertária (1997-2000), o Fórum do Anarquismo Organizado (2002-2012) e a Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), fundada em 2012, com presença em mais de 10 estados brasileiros, são frutos deste processo. A CAB tem investido na construção de um anarquismo de base, classista que, por meio de sua organização específica e política, vem buscando impulsionar e influenciar as lutas sociais e movimentos populares de nosso país, com vistas à construção do poder popular, num processo de ruptura revolucionária que conduza ao socialismo libertário.

Os termos “especifismo” ou “anarquismo especifista” referem-se, de algum modo, à maneira que os uruguaios da FAU encontraram para se referir ao tipo de anarquismo que defendiam e praticavam, o qual teve não apenas influências clássicas de anarquistas como Mikhail Bakunin e Errico Malatesta, mas também de outras experiências locais e mesmo algumas elaborações próprias. Assim, quando responde questões sobre “a estratégia do especifismo”, Mechoso reflete sobre o modo que a FAU encontrou, historicamente, para colocar suas ideias em prática e quais foram as grandes linhas que nortearam sua atuação.

Conhecendo a recente produção de Mechoso sobre a história da FAU (Acción Directa Anarquista: una história de FAU, 4 tomos, Editorial Recortes), e levando em conta esta sua importante influência no anarquismo brasileiro, pensei, quando propus esta entrevista, em tratar de outro tema. Não da história, já bem documentada nestes volumes, mas da estratégia da FAU, da “estratégia do especifismo” da FAU. Nas perguntas, portanto, abordei temas relevantes a este fim: conceito de especifismo, relação deste tipo de anarquismo com os clássicos e com experiências similares que surgiram na história, a relação do especifismo com o contexto da América Latina, comparações com outras ideologias que defendem a atuação em níveis distintos (partido – movimento de massas), conceitos de ciência, ideologia e sua relação com o socialismo, posições programáticas que os anarquistas devem defender nos movimentos populares, conceitos e concepções de classe, neoliberalismo, modelo de desenvolvimento da América Latina, poder popular, estratégia, luta armada, revolução social.

Devo destacar que, a meu ver, este material possui duas virtudes. Por um lado, do ponto de vista histórico, visto que ele discute aspectos importantes de uma organização que protagonizou uma das maiores experiências do anarquismo no mundo depois da Revolução Espanhola (1936-1939). A influência da FAU em setores sindicais, comunitários e estudantis, se levada em conta o tamanho da população do país, foi notável e digna de destaque em qualquer história global do anarquismo.

Por outro, da perspectiva atual, visto que ela contribui enormemente com o anarquismo contemporâneo. As reflexões apresentadas por Mechoso, e mesmo suas referências à experiência da FAU, são centrais não somente para um aprimoramento das práticas políticas da CAB, mas, mesmo, para contribuir com o anarquismo de outras correntes e, por que não, dos setores mais combativos e independentes dos movimentos populares em geral.

***

Leia completo em:

https://coletivoanarquistalutadeclasse.files.wordpress.com/2010/11/a-estratc3a9gia-do-especifismo.pdf

ou http://www.anarkismo.net/article/27372

[CAB] Unionism and Direct Action (em inglês)

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/27377

In the first half of 2014, the struggles of diverse categories of workers were taken to the streets to the dismay of bosses and governors. The powerful’s counterattack was supported with the help of the mainstream media, which tried to criminalise the protests and demobilise the strugglers. This happened before, during and after the World Cup – a time in which the news sought to legitimise the violent actions of the repressive apparatus of the state and its leaders. Following this came the political persecutions and arrests of dozens of protestors in an authoritarian manner, violating democratic means and human rights.

logo_novo_cab_menor_1.jpg

But it is undeniable that these workers’ struggles took on large proportions, and you can identify in them a common practice that has been quite rare in contemporary Brazilian unionism. They were strikes built in the workplace, independently of the union leaderships – sometimes even having to confront them. They won victories, total or partial, that the old union leaders, many of them playing the game of governments and bosses, said were impossible to win. These movements inspired many others, in smaller proportions and not always with the same level of advancement, that were hugely significant in the attempt to reinvigorate the way of waging union struggles in Brazil.

This practice can be identified, principally, in the protagonism and direct action of the rank-and-file, deciding on the course of the strikes in opposition to the bureaucracy and centralisation of personalised union leadership and partisan union currents. The latter, on the other hand, are flawed union practices which in general do not realise the urgencies of the working class, nor do they build spaces with political autonomy and the direct participation of workers.

Thus, experiences of autonomy, struggle and class solidarity emerged around the country, be they in the example of protesting workers in the big infrastructure works of the PAC (mainly in the north and northeast of the country), the street sweepers in Rio de Janeiro, the bus drivers in Porto Alegre, or the subway workers in Sao Paulo. They demonstrated, in practice, that the struggle begins from below and, not infrequently, without the guardianship of – or even against – the union leaderships in a clear demonstration that who should have control of the struggles is the rank-and-file as a whole and not a group of “enlightened” leaders.

Actions that also have in common the renewal of some important values of the various historical struggles of the exploited and oppressed classes around the world:

Direct Action: the methods of struggle to advance demands had a very diverse repertoire after the strikes. Examples of these are pickets, occupations, sabotage and demonstrations that paralysed the circulation and operation of essential services. Direct Action is the use of all necessary means to strengthen struggles spearheaded by workers. It means not handing over to someone else the power to decide on matters of everyday life. Instead, the collective is to exercise this power directly, without intermediaries or representatives.

Rank-and-File Protagonism: there is a disposition in the rank-and-file of workers to advance the union struggle and often of fighting the bureaucratic stance of the unions’ leadership themselves. This is how the example of union struggles in this period was driven by the rank-and-file of the sectors. This is the ingredient of a strong unionism, with workers’ control through direct democracy. Combatting the authoritarian and anti-democratic culture present in the unions, including in many of those led by groupings that put themselves on the left in political composition.

To the extent to which workers organise themselves and advance, the reaction of the state and governors has been to criminalise strikes and protest, repressing legitimate struggles and propagating lies through the bourgeois media; the great ally of the bosses and the powerful. Here we denounce the complicity between this hegemonic capitalist media, the governors and the strong economic groups that control the country.

We are excited to see the revival of this combativeness in union struggles around the country, since being the protagonists of our struggles is fundamental. Unions are important instruments that can empower the workers’ struggle. However, when they are captured by a partisan bureaucracy, or contained by the employer, they cease to be a means of struggle and turn into a way of life for the opportunists; people who claim to be representatives of the workers but who fortify themselves in the union structure. They subordinate the workers’ urgencies to their interests, or to those of their party, distancing themselves from the workers’ reality.

It is in the accumulation of our forces and through our mobilising power that we can confront even the unjust judicial decisions in the service of governors and bosses. It is also through our collective strength that we can achieve the victories we desire. That we do not lose our desires for change! That every fight, every picket, every strike, with their victories and defeats, may strengthen the idea that a new world is possible.

Within this process of radicalisation of struggles, it is necessary to have as an objective the revival of Revolutionary Syndicalism. A conception of union struggle defended by Mikhail Bakunin – besides having been named as a “potential suspect” for stimulating struggles and being involved in them in Rio de Janeiro [1] – the 200th anniversary of whose birth we commemorate in 2014.

200 Years of Bakunin

In 2014, we remember the 200th anniversary of the birth of the Russian revolutionary and anarchist Mikhail Bakunin. Exemplary militant, his life was confounded with the struggles of the workers of his time, principally within the International Workingmen’s Association (IWA). Together with other comrades he was also responsible for the establishment of anarchism as a force socially engaged in the struggle for freedom and equality. In 1868, Bakunin helped found the Alliance of Socialist Democracy, a clandestine organisation and the first specifically anarchist organisation in history, which acted within the IWA.

The IWA being the space that brought together and boosted workers’ struggles in this time, it is important to point out that it was the accumulation of the International’s anti-authoritarian currents that had the greatest influence on the labour movement of our Latin American continent. After the Hague Congress of the First International, statist and federalist conceptions split up amid strong polemics and followed different paths. And it is the libertarian current of socialism (federalist and anarchist) that would boost the continuity of the IWA, and it is in 1872, in Saint-Imier in Switzerland, that Bakunin and the federalists founded the International, later known as anti-authoritarian.

The sections and federations linked to the International that were formed throughout Latin America relied on quite accurate general guidelines and on autonomy for their development, giving continuity to the federalist proposals and Bakunin’s revolutionary syndicalism. He understood syndicalism as a means and not an end in itself, and that the role of anarchists should be to add fuel to the processes of class mobilisation and to organise struggles together with the workers. Propagating the cause wherever they met workers. It was in fact in action, and from the tactics consecrated by experience, that the outlines of a more radical union doctrine were taking shape, becoming the historical expression of the time.

The Genealogy of the General Strike

The idea of the general strike was launched by the International Congress held in Brussels in September 1868. At the time, it was a tool with the objective of struggling against the war at the time. But it was in 1869 that Bakunin, in a pioneering way, analysed all the possible consequences of the General Strike.

“When strikes are expanded, communicating little by little, they become very close to turning into a general strike; and a general strike, with the ideas of liberation that reign today in the proletariat, can only result in a great cataclysm that would provoke a radical change in society. We are not yet at this point, no doubt, but everything leads us to it.”

Bakunin thus makes important contributions to this conception of the strike as a tool for mobilising the workers’ force, and that “they already indicate a certain collective force, a certain understanding among workers”. As a practice of assertive struggle and of formation in struggle, the General Strike should also embody the solidarity between sectors of the oppressed class because, “the needs of the struggle lead workers to support each other, from one country to another, from one profession to another”.

Brazilian Anarchist Coordination – union front

English translation: Jonathan Payn

Translator’s note:

1) Mikhail Bakunin, an anarchist born in Russia 200 years ago this year, was being investigated by Brazilian police for allegedly participating in anti-World Cup protests in Rio de Janeiro, in 2014, after a teacher who was suffering state repression at the time mentioned him in a phone call.

Related Link: https://anarquismo.noblogs.org/?p=110

[ORL] Mesa-debate: “O Anarquismo e sua Contribuição para os Movimentos Sociais” E Comemoração Dos “5 Anos

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/26404

 

A Coordenação Anarquista Brasileira [CAB] convida para a comemoração dos “5 Anos da Organização Resistência Libertária” e para a mesa-debate “O Anarquismo e sua contribuição para os Movimentos Sociais” com nossas Organizações no Nordeste. No debate estarão presentes além de Organizações Políticas da CAB, outras Organizações Especifistas do Nordeste e Norte do país, bem como inúmerxs libertárixs de Fortaleza e militantes dos Movimentos Sociais.

É fortalecer o Anarquismo no Brasil!

Crescer nossa Bandeira!

[OASL] Entrevista com a OASL sobre as mobilizações no Brasil

A militância da Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL) tem participado das lutas contra o aumento das tarifas em São Paulo, tanto na capital, como em cidades como Mogi das Cruzes, Marília e Franca, no crescente movimento que tomou conta do país. A militância de outras organizações ligadas à Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) tem, em outros estados, também ajudado a construir as lutas. Abaixo, dois militantes da OASL, Pablo Pamplona e Thiago Calixto*, que vêm participando das lutas, respondem algumas questões sobre o recente processo de mobilização no país. A OASL é membro do Anarkismo.net.

Jonathan Bane (JB): Como as mobilizações começaram e ganharam força? Como elas estão sendo organizadas e por quem?

OASL: Nos últimos meses, aconteceram muitas lutas significativas, como a greve dos professores do Estado de São Paulo, que ocorreu poucas semanas antes e também mobilizou milhares de pessoas em várias manifestações, mas que foi cooptada pela direção do sindicato. Outra luta relevante tem sido a dos estudantes e funcionários da Universidade Estadual Paulista (UNESP) que está há mais de dois meses em greve, em algumas unidades com ocupação e com um corte de estradas em Marília, e tem lutado por bandeiras importantes como permanência estudantil, isonomia em relação às outras universidades públicas, por uma política de cotas sociais e raciais e contra o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Paulista (PIMESP). A militância da OASL tem ajudado a construir essas lutas.

Por outro lado vemos outras mobilizações relevantes, em nível comunitário, sindical, agrário e estudantil, que têm ajudado a influenciar o estado de ânimo da população, como o apoio a trabalhadores despejados de suas casas em decorrência da especulação imobiliária e da preparação para os mega eventos, como no caso de Pinheirinho e Favela do Moinho, entre muitos outros. Os movimentos populares que estão articulando esses movimentos certamente têm ajudado a impulsionar a população às ruas.

As lutas contra o aumento da passagem vêm sendo organizadas majoritariamente pelo Movimento Passe Livre (MPL), que organiza e convoca lutas em torno da questão do transporte desde 2006. O movimento – com o qual temos grande afinidade e proximidade – conserva um caráter autônomo e combativo. Constrói suas lutas com independência e prima pela participação generalizada e horizontal. Não leva carros de som às ruas, os pronunciamentos são sempre passados em forma de jogral (alguém grita os informes e as pessoas ao redor repetem as mesmas palavras, para que um número maior de pessoas possa ouvir) e a passividade dos manifestantes nunca é estimulada; ao contrário, a participação e ação amplas são sempre incentivadas. Esse caráter, bastante característico nas lutas contra o aumento, tem conquistado um forte respaldo da população, que, ao nosso ver, está cansada das mobilizações no modelo tradicional da esquerda, em torno de palanques e discursos desgastados. A desobediência civil e ação direta, assim como o trabalho de base, têm sido constantemente praticados pelo movimento. Ao mesmo tempo, deve ser motivo de preocupação o fato de a oposição aos partidos ter sido, em grande medida, apropriada por um setor conservador e nacionalista, algumas vezes estimulada pela extrema-direita e ter se estendido à esquerda como um todo, incluindo os movimentos sociais e sindicatos. A grande mídia também tem contribuído para esse avanço das forças conservadoras e para o enfraquecimento das pautas relacionadas ao transporte.

JB: Protestos contra aumentos nas tarifas são bastante comuns no Brasil. Como é que o que está acontecendo em São Paulo difere de protestos passados?

OASL: Quando terminaram as mobilizações contra o último aumento da tarifa, em 2011, o MPL discutiu a ampliação de sua discussão. Fez uma avaliação de que se deveria seguir com a luta em outro nível de discussão e levantou uma campanha pela Tarifa Zero. O movimento levou a discussão do transporte público a uma questão política, de gestão pública de recursos e direito à cidade, defendendo que um transporte público de verdade, assim como outros direitos como saúde e educação, não deveria ser tarifado, mas garantido pelo poder público e pago com impostos graduais: quem tem mais paga mais, quem tem menos paga menos, que não tem não paga. Com essa nova campanha, o movimento pôde sustentar, por dois anos, a discussão política interna e um trabalho externo de base em escolas e comunidades que, a nosso ver, foi muito positivo. Acreditamos que esse isso contribuiu para qualificar os militantes para a construção de uma nova jornada de lutas, maior e mais ousada, como ela de fato foi, desde antes mesmo do primeiro grande ato. Só não era esperado que a mobilização fosse crescer tanto e, em grande medida, escapar completamente àquilo que havia sido planejado.

Outro fator que pode ter contribuído é que, depois de oito anos e pela primeira vez nas lutas contra o aumento em São Paulo, temos um prefeito do Partido dos Trabalhadores (PT). A luta também interessou a fortes setores conservadores mais à direita, que vêm tentando desgastar a imagem do novo prefeito e, com isso, a do governo federal. Um elemento fundamental foi a posição da imprensa que, no início, colocou-se contra o movimento. Conforme as mobilizações cresciam, assim como o apoio popular – somados à enorme repressão que atingiu parte significativa dos repórteres dos grandes veículos – a imprensa foi mudando sua posição e passando a defender o movimento. Preferiu, entretanto, promover suas próprias pautas e incentivar o pacifismo, o civismo, o nacionalismo, criminalizando setores mais radicalizados. Finalmente, podemos identificar que a tecnologia em geral (câmeras em celulares, por exemplo), com destaque para a internet, permitiram a divulgação do que se passava nos protestos e que isso fosse potencializado pelas redes sociais. Essa variável também possui relevância.

JB: Qual tem sido o papel das redes sociais nas mobilizações?

OASL: Nada disso seria possível sem a construção de anos de luta do movimento, ou sem esse sentimento de revolta contra a repressão do Estado. No entanto, as redes sociais também têm um papel fundamental, como colocamos. O Facebook é uma ferramenta importante para o MPL, e seu principal ponto de referência. A convocação dos atos foi feita por “eventos”, notas públicas têm sido lançadas dando esclarecimentos sobre a luta e, principalmente, é por ele que os veículos de comunicação de massa são desmentidos.

A primeira manifestação teve cerca de 5 mil pessoas, e já teve acompanhamento ao vivo do Jornal Nacional, o principal jornal televisivo do país. O mesmo se seguiu pelos atos seguintes: a grande mídia continuou falando da luta (antes mesmo da redução da tarifa, ela já era capa de muitos dos principais jornais e revistas do país). Inicialmente, os manifestantes foram taxados de vândalos, jovens sem causa e outras posições que tentavam deslegitimar o movimento. Então todo o país falava das manifestações, o que foi fundamental, e pelas redes sociais compartilhava vídeos e informações que mostram outra versão da história.

A repressão, ao contrário de levar ao medo, incentivou a revolta da população, e, em São Paulo, o governo suspendeu as repressões mais massivas com a Tropa de Choque. Os manifestantes, muito influenciados pela grande mídia, passaram a condenar quaisquer atos de violência e o “pacifismo” se converteu em um dos grandes sensos comuns dos protestos.

Na nossa avaliação, os recentes fatos confirmam o que os anarquistas defendem desde sempre: não basta levar o povo às ruas; é preciso que o povo conquiste o poder, de baixo para cima, pelo seu próprio ritmo e organização, não por meio da tomada do Estado, mas pela construção de organismos participativos e populares. Para isso, o trabalho de base é imprescindível. Se não há uma preparação prévia, a discussão política é abstraída e cooptada pelos setores da sociedade que estiverem mais organizados. No caso atual, os grandes capitalistas e o Estado. Grande parte da população que está nas ruas não tem acúmulo em discussões políticas e apenas reproduz o que vê há muito tempo através das lentes da ideologia dominante. Foi condicionada a converter a pauta a temas que interessam à direita, como o “orgulho de ser brasileiro”, “menos impostos”, “menos impunidade” etc.

As redes sociais não são boas por si só e não substituem, de forma alguma, a importância e necessidade da organização popular e trabalho de base permanente. Isso deveria ser lembrado por toda a esquerda. No entanto, como forma de propaganda, elas têm sido fundamentais para que muitas pessoas soubessem da luta e dos agendamentos das manifestações.

JB: As mobilizações são apenas pelo aumento da tarifa de ônibus ou existem questões sociais mais profundas que estão sendo levantadas? Se sim, quais são elas e por quê?

OASL: O MPL defende que qualquer tarifa de ônibus é um roubo, já que é um serviço público e, como tal, deve ser gratuito. O movimento entende que a questão da mobilidade urbana está diretamente relacionada a outros direitos básicos, como por exemplo, saúde, educação e cultura. Além de defender que o direito de ir e vir não se restringe a ir e voltar do trabalho. O direito à cidade, de qualquer cidadão poder usufruir das coisas que a cidade oferece, é então uma pauta central e muito profunda. A descriminalização dos movimentos sociais também é uma pauta importante que deve ganhar força com a chegada da Copa do Mundo.

Mas de qualquer forma o MPL sustentava, antes da revogação dos aumentos, e nós compartilhamos dessa análise, que a pauta da luta deveria continuar sendo a redução imediata da tarifa. Tínhamos receio de que uma luta por tudo terminasse como conquista de nada. Por isso apoiamos o foco na redução da tarifa. A partir do momento que a redução fosse conquistada, a luta poderia avançar para os próximos passos e, pelo acúmulo de conquistas de curto e médio prazo, o movimento poderia se fortalecer cada vez mais. Esse ponto de vista era compartilhado por praticamente toda a esquerda.

Entretanto, com a conquista da redução, outras pautas vêm sendo colocadas. Algumas pela esquerda, como a necessidade da tarifa zero, o fim da repressão aos movimentos sociais, o avanço nas lutas por direitos etc. Outras pela direita mais conservadora, ou mesmo por grande parte do senso comum que permeia muitas pessoas que estão nas ruas. O tamanho das mobilizações levou a população ao otimismo de pensar que “o Brasil está mudando” e à vontade de exigir tudo que lhe vem à mente. A nosso ver, é importante que nosso setor, que busca construir lutas populares autônomas e combativas, retome essa continuidade das pautas.

JB: Que tipo de dados demográficos estão envolvidos nos protestos? Eles são em sua maioria jovens e ativistas ou os protestos têm assumido um caráter mais popular?

OASL: Nos últimos dias as lutas conquistaram um público mais plural. Nas regiões centrais da cidade temos notado um conjunto de forças composto mais ou menos da seguinte maneira. Um setor mais autônomo e combativo, ligado ao MPL, que tem força e encabeçou o início das mobilizações. Um setor mais tradicional da esquerda, com partidos e movimentos, que tiveram participação significativa desde o início dos protestos. Um setor majoritário de novas pessoas que têm saído às ruas (pesquisas tem mostrado que a maioria das pessoas nunca havia ido às ruas), e que reproduz muito do senso comum; são em grande parte conservadores e sustentam pautas ligadas à agenda conservadora. Dessa ala vem o repúdio aos partidos políticos que acabou se convertendo em repúdio a toda a esquerda. Finalmente, há um setor, certamente o minoritário, que reúne a extrema-direita, em alguns casos articuladas a setores militares, do grande capital e latifundiários. A questão que ainda não está clara é qual a capacidade dessas novas pessoas que são majoritárias aderirem às propostas de luta classistas e combativas, ainda que independente de partidos políticos e do Estado.

Em termos de classe, as mobilizações da região central da cidade são compostas, na maioria, por quem está ou esteve no ensino superior. Entretanto, é possível notar uma participação de trabalhadores e moradores da periferia; a maioria fora da esquerda organizada. Nas periferias, os movimentos sociais têm realizado mobilizações muito importantes, de caráter marcadamente popular e com posições mais à esquerda. Talvez a continuidade dos protestos deva ser procurada nessas iniciativas, para aqueles que de fato desejam construir alternativas de poder popular.

Em termos de números, o país chegou a mobilizar mais de um milhão de pessoas (0,5% da população); em São Paulo, chegamos a algumas centenas de milhares em alguns dias.

JB: Como é que a população em geral reagiu aos protestos? Tanto para o uso excessivo da força pela polícia e as acusações de vandalismo?

OASL: Há uma divisão muito grande na reação geral. Nas primeiras manifestações tínhamos o seguinte quadro: havia aqueles que denunciavam os manifestantes como vândalos aproveitadores, mas até então não era uma posição majoritária. Havia aqueles que defendiam que as manifestações fossem pacíficas, e aqueles que acusavam a violência do Estado. Porém, dada a generalizada manipulação da mídia e a falta de preparo da esquerda em responder às acusações, temos hoje um grande número de pessoas que acusam qualquer ação direta mais radical de vandalismo. Está se tentando separar os manifestantes pacíficos dos violentos e, infelizmente, em alguns casos, o governo tem tentado colocar a conta dos atos de violência na conta dos anarquistas. Esse foi o caso no Rio Grande do Sul, com a invasão da sede da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) pela polícia e a tentativa de responsabilizá-la não só pelos atos de vandalismo, mas pelo cúmulo de apoio às iniciativas da direita. Isso é realmente um absurdo.

Antes de tudo, a violência é propagada diariamente pelo sistema em que vivemos. Violência é utilizar diariamente o sistema de transporte precário que temos, violência é morrer nas filas de hospitais públicos, violência é a educação de nossas escolas públicas, violência é a exploração que sofremos diariamente quando trabalhamos. Isso tem que ficar claro. O capitalismo é um sistema pautado na violência. Somos violentados todos os dias. E quando o povo reclama, se mobiliza, é novamente violentado pelo Estado, como têm sido os casos de repressão em todo o país. A violência das manifestações são respostas para essa situação a que a população é submetida todos os dias.

Ainda assim, devemos lembrar que as últimas manifestações em São Paulo mostraram casos de violência entre os próprios manifestantes, estimulado por setores da extrema-direita e protagonizado pelos novos e conservadores que estão nas ruas. Violência contra militantes de partidos, movimentos sociais e toda a esquerda organizada. E não se tratava de um rechaço pela esquerda, mas pela direita, em discursos e atitudes fascistóides. Muitos dos defensores da não-violência aderiram a isso, fato que a mídia praticamente não abordou.

JB: Há também protestos contra o aumento das tarifas no Rio de Janeiro, Porto Alegre e outras cidades. Qual é o caráter social desses protestos? Eles são semelhantes a São Paulo?

OASL: Não é possível dizer que o caráter social é o mesmo. Pelo menos em nossa impressão, esse setor conservador é maior em São Paulo do que no resto do país. Entretanto, outras cidades têm estado amplamente mobilizadas e nisso há similaridade. O país está bastante mobilizado de maneira geral.

Sobre o MPL, o que podemos dizer é que um de seus princípios é o federalismo, e que há cidades e estados onde o movimento existe organicamente. Sua articulação em diversos estados e mesmo a construção de blocos de luta contra o aumento tem contribuído com essa construção à esquerda, independente e combativa do movimento.

Acreditamos que as conquistas anteriores, que incluem Porto Alegre, e as conquistas de São Paulo e Rio de Janeiro – para não falar de outras regiões – têm contribuído com o aumento das mobilizações.

JB: O Brasil está atualmente sediando a Copa das Confederações. No ano que vem ele vai sediar a Copa do Mundo da FIFA e em 2016 o Rio de Janeiro vai sediar os Jogos Olímpicos. Qual tem sido o impacto social por sediar esses mega eventos?

OASL: Em depoimento nas redes de televisão pública, a presidente Dilma Rousseff garantiu que “o Brasil merece e vai fazer uma grande Copa”, e que apóia manifestações pacíficas, mas não vai “transigir com a violência e a arruaça”. Também surgem novas leis contra o “terrorismo”, facilitando a criminalização de movimentos sociais e da ação direta, e garantindo a proteção dos capitalistas e seus crimes.

É evidente que esses megaeventos têm trazido impactos sociais no sentido contrário a tudo o que poderia ser popular. Politicamente, fortalece figuras do poder e suas imagens e, deliberativamente, sua união ocorre com grandes empresários e especuladores. Após a confirmação absoluta desses eventos, a sistematização nos processos de higienização social ganhou força de vários setores conservadores e reacionários. Construtoras têm lucrado como nunca devido à intensa especulação no setor imobiliário, e essas mesmas construtoras foram responsáveis por financiamentos de partidos das alas liberais. Sabemos que favelas têm sido incendiadas de forma criminosa, com o claro objetivo de limpar a imagem das cidades para os turistas.

Em São Paulo, usuários de drogas têm sofrido repressão da polícia a mando do governo, que inclusive vem internando essas pessoas de forma compulsória. No Rio de Janeiro, um processo que a polícia, com apoio da mídia, tem chamado de “pacificação”. Ela serve de argumento para a instalação da polícia nas favelas e para prosseguir com a higienização e os assassinatos. Toda a mídia, juntamente com a burguesia e inclusive os militares, usa desses subterfúgios para retomar e propagar um sentimento ultranacionalista perdido depois dos períodos de ditadura militar.

JB: Os protestos atuais são de alguma forma relacionados a estes megaeventos?

OASL: O estopim foram os aumentos das tarifas de ônibus, metrô e trens. No entanto, junto às muitas pautas que surgiram, à esquerda e à direita, a questão da Copa tem sido relevante. As pessoas têm questionado o investimento público nesses megaeventos enquanto o país precisa de investimentos em muitas outras áreas como educação, saúde, transporte etc. Isso certamente tem contribuído com as manifestações.

O MPL tem apoiado desde o início o movimento Copa Para Quem?, que levanta essas questões, e está junto com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que também pauta os reflexos que a Copa tem ocasionado na periferia pelas questões de moradia e especulação imobiliária.

JB: A revolta popular na Turquia teve alguma influência sobre o que está acontecendo atualmente em São Paulo e em outras cidades? E a Primavera Árabe?

OASL: Essas revoltas sempre nos levantam ao espírito do possível. Ver outros povos se levantando faz com que trabalhadores e trabalhadoras questionem por que não estão indo às ruas e reivindicando seus direitos, os lembra de tudo o que é preciso conquistar.

Mas dois anos atrás, na última jornada de lutas contra o aumento da tarifa, nós já víamos outros países se levantando e não houve uma adesão que chegasse minimamente perto do que vemos hoje. Pode haver uma forte influência no campo do inconsciente ou simbólico, especialmente para os militantes e ativistas, mas muito pouco pode ser dito sobre a grande massa nas ruas.

JB: Há algo que as pessoas fora do Brasil podem fazer para apoiar a luta aí?

OASL: Pautar essas manifestações e demonstrar solidariedade pública em manifestações organizadas em seus países e declarações de apoio. Divulgar e propagar sempre é algo que contribui.

Outra coisa importante é dar apoio à luta contra a repressão que os anarquistas têm sofrido em outras partes do país, em especial ao caso da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), e às outras lutas em curso como a dos estudantes e funcionários da UNESP, além de várias outras lutas dos movimentos populares brasileiros.

JB: Vocês gostariam de adicionar alguma coisa?

OASL: Achamos importante ressaltar a importância de um trabalho de base organizado e continuado. A imagem de centenas de milhares de pessoas ocupando as ruas espontaneamente levantaram novos ares otimistas, da possibilidade de mudança concreta fora das urnas. Pelo imaginário social, a ocupação das ruas tornou-se o novo campo do fazer político. Mas, graças à distorção dos fatos, tornou-se também o único campo. A direita tenta construir o imaginário de que toda organização política é inerentemente oportunista e corrupta, enquanto o trabalho de base é supostamente desnecessário, já que, como cantavam os manifestantes, “o povo acordou” (e quando é que esteve dormindo?).

As ruas são uma ferramenta fundamental para tornar a luta pública, mas não é nela que o debate público e a formação política serão completamente feitos. É pela luta diária, nos movimentos sociais, estudantis, sindicatos, comunidades, que o povo constrói o poder necessário para a conquista de sua emancipação. O que vemos hoje é que, se por um lado a esquerda tem potencial para mobilizar, algumas de suas formas estão muito desgastadas. É necessário, a nosso ver, dar ênfase no trabalho de base e adotar uma estratégia que contribua com esse projeto emancipador. A nosso ver, nas mobilizações, nos movimentos populares, estimulando o classismo, a combatividade, a independência, a participação democrática; em suma, tratando de construir poder popular. Não devemos deixar de lado a luta simbólica.

O ponto fundamental é que esse potencial deve ser convertido em força social que contribua com nosso projeto de uma nova sociedade; e isso não se dá por vias do Estado ou acordos com capitalistas. O povo precisa de uma alternativa própria. Se não houver organização popular, as lutas continuarão a ser perdidas. Como anarquistas, sustentamos que essa organização estará melhor preparada se for construída de baixo para cima, com uma base forte e capaz de levar a luta aos caminhos que interessa a ela como classe.

Vivemos um momento histórico, de uma reviravolta no estado de ânimo da população. Tivemos um imenso avanço quantitativo para a luta e, se desejamos avançar ainda mais, precisaremos focar no trabalho de base, por onde poderemos, com a luta diária, aprender com nossos erros e acertos.

Avante na construção do poder popular! Arriba los que luchan!

* Pablo Pamplona e Thiago Calixto são militantes da Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL), de São Paulo, e têm contribuído na luta contra o aumento ao lado do Movimento Passe Livre.

Related Link: http://www.anarquismosp.org*

Entrevista com a OASL sobre as mobilizações no Brasil
category brazil/guyana/suriname/fguiana | a esquerda | entrevista author Tuesday June 25, 2013 01:46author by Organização Anarquista Socialismo Libertário – OASL Report this post to the editors

A militância da Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL) tem participado das lutas contra o aumento das tarifas em São Paulo, tanto na capital, como em cidades como Mogi das Cruzes, Marília e Franca, no crescente movimento que tomou conta do país. A militância de outras organizações ligadas à Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) tem, em outros estados, também ajudado a construir as lutas. Abaixo, dois militantes da OASL, Pablo Pamplona e Thiago Calixto*, que vêm participando das lutas, respondem algumas questões sobre o recente processo de mobilização no país. A OASL é membro do Anarkismo.net.

logo1.jpg

Jonathan Bane (JB): Como as mobilizações começaram e ganharam força? Como elas estão sendo organizadas e por quem?

OASL: Nos últimos meses, aconteceram muitas lutas significativas, como a greve dos professores do Estado de São Paulo, que ocorreu poucas semanas antes e também mobilizou milhares de pessoas em várias manifestações, mas que foi cooptada pela direção do sindicato. Outra luta relevante tem sido a dos estudantes e funcionários da Universidade Estadual Paulista (UNESP) que está há mais de dois meses em greve, em algumas unidades com ocupação e com um corte de estradas em Marília, e tem lutado por bandeiras importantes como permanência estudantil, isonomia em relação às outras universidades públicas, por uma política de cotas sociais e raciais e contra o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Paulista (PIMESP). A militância da OASL tem ajudado a construir essas lutas.

Por outro lado vemos outras mobilizações relevantes, em nível comunitário, sindical, agrário e estudantil, que têm ajudado a influenciar o estado de ânimo da população, como o apoio a trabalhadores despejados de suas casas em decorrência da especulação imobiliária e da preparação para os mega eventos, como no caso de Pinheirinho e Favela do Moinho, entre muitos outros. Os movimentos populares que estão articulando esses movimentos certamente têm ajudado a impulsionar a população às ruas.

As lutas contra o aumento da passagem vêm sendo organizadas majoritariamente pelo Movimento Passe Livre (MPL), que organiza e convoca lutas em torno da questão do transporte desde 2006. O movimento – com o qual temos grande afinidade e proximidade – conserva um caráter autônomo e combativo. Constrói suas lutas com independência e prima pela participação generalizada e horizontal. Não leva carros de som às ruas, os pronunciamentos são sempre passados em forma de jogral (alguém grita os informes e as pessoas ao redor repetem as mesmas palavras, para que um número maior de pessoas possa ouvir) e a passividade dos manifestantes nunca é estimulada; ao contrário, a participação e ação amplas são sempre incentivadas. Esse caráter, bastante característico nas lutas contra o aumento, tem conquistado um forte respaldo da população, que, ao nosso ver, está cansada das mobilizações no modelo tradicional da esquerda, em torno de palanques e discursos desgastados. A desobediência civil e ação direta, assim como o trabalho de base, têm sido constantemente praticados pelo movimento. Ao mesmo tempo, deve ser motivo de preocupação o fato de a oposição aos partidos ter sido, em grande medida, apropriada por um setor conservador e nacionalista, algumas vezes estimulada pela extrema-direita e ter se estendido à esquerda como um todo, incluindo os movimentos sociais e sindicatos. A grande mídia também tem contribuído para esse avanço das forças conservadoras e para o enfraquecimento das pautas relacionadas ao transporte.

JB: Protestos contra aumentos nas tarifas são bastante comuns no Brasil. Como é que o que está acontecendo em São Paulo difere de protestos passados?

OASL: Quando terminaram as mobilizações contra o último aumento da tarifa, em 2011, o MPL discutiu a ampliação de sua discussão. Fez uma avaliação de que se deveria seguir com a luta em outro nível de discussão e levantou uma campanha pela Tarifa Zero. O movimento levou a discussão do transporte público a uma questão política, de gestão pública de recursos e direito à cidade, defendendo que um transporte público de verdade, assim como outros direitos como saúde e educação, não deveria ser tarifado, mas garantido pelo poder público e pago com impostos graduais: quem tem mais paga mais, quem tem menos paga menos, que não tem não paga. Com essa nova campanha, o movimento pôde sustentar, por dois anos, a discussão política interna e um trabalho externo de base em escolas e comunidades que, a nosso ver, foi muito positivo. Acreditamos que esse isso contribuiu para qualificar os militantes para a construção de uma nova jornada de lutas, maior e mais ousada, como ela de fato foi, desde antes mesmo do primeiro grande ato. Só não era esperado que a mobilização fosse crescer tanto e, em grande medida, escapar completamente àquilo que havia sido planejado.

Outro fator que pode ter contribuído é que, depois de oito anos e pela primeira vez nas lutas contra o aumento em São Paulo, temos um prefeito do Partido dos Trabalhadores (PT). A luta também interessou a fortes setores conservadores mais à direita, que vêm tentando desgastar a imagem do novo prefeito e, com isso, a do governo federal. Um elemento fundamental foi a posição da imprensa que, no início, colocou-se contra o movimento. Conforme as mobilizações cresciam, assim como o apoio popular – somados à enorme repressão que atingiu parte significativa dos repórteres dos grandes veículos – a imprensa foi mudando sua posição e passando a defender o movimento. Preferiu, entretanto, promover suas próprias pautas e incentivar o pacifismo, o civismo, o nacionalismo, criminalizando setores mais radicalizados. Finalmente, podemos identificar que a tecnologia em geral (câmeras em celulares, por exemplo), com destaque para a internet, permitiram a divulgação do que se passava nos protestos e que isso fosse potencializado pelas redes sociais. Essa variável também possui relevância.

JB: Qual tem sido o papel das redes sociais nas mobilizações?

OASL: Nada disso seria possível sem a construção de anos de luta do movimento, ou sem esse sentimento de revolta contra a repressão do Estado. No entanto, as redes sociais também têm um papel fundamental, como colocamos. O Facebook é uma ferramenta importante para o MPL, e seu principal ponto de referência. A convocação dos atos foi feita por “eventos”, notas públicas têm sido lançadas dando esclarecimentos sobre a luta e, principalmente, é por ele que os veículos de comunicação de massa são desmentidos.

A primeira manifestação teve cerca de 5 mil pessoas, e já teve acompanhamento ao vivo do Jornal Nacional, o principal jornal televisivo do país. O mesmo se seguiu pelos atos seguintes: a grande mídia continuou falando da luta (antes mesmo da redução da tarifa, ela já era capa de muitos dos principais jornais e revistas do país). Inicialmente, os manifestantes foram taxados de vândalos, jovens sem causa e outras posições que tentavam deslegitimar o movimento. Então todo o país falava das manifestações, o que foi fundamental, e pelas redes sociais compartilhava vídeos e informações que mostram outra versão da história.

A repressão, ao contrário de levar ao medo, incentivou a revolta da população, e, em São Paulo, o governo suspendeu as repressões mais massivas com a Tropa de Choque. Os manifestantes, muito influenciados pela grande mídia, passaram a condenar quaisquer atos de violência e o “pacifismo” se converteu em um dos grandes sensos comuns dos protestos.

Na nossa avaliação, os recentes fatos confirmam o que os anarquistas defendem desde sempre: não basta levar o povo às ruas; é preciso que o povo conquiste o poder, de baixo para cima, pelo seu próprio ritmo e organização, não por meio da tomada do Estado, mas pela construção de organismos participativos e populares. Para isso, o trabalho de base é imprescindível. Se não há uma preparação prévia, a discussão política é abstraída e cooptada pelos setores da sociedade que estiverem mais organizados. No caso atual, os grandes capitalistas e o Estado. Grande parte da população que está nas ruas não tem acúmulo em discussões políticas e apenas reproduz o que vê há muito tempo através das lentes da ideologia dominante. Foi condicionada a converter a pauta a temas que interessam à direita, como o “orgulho de ser brasileiro”, “menos impostos”, “menos impunidade” etc.

As redes sociais não são boas por si só e não substituem, de forma alguma, a importância e necessidade da organização popular e trabalho de base permanente. Isso deveria ser lembrado por toda a esquerda. No entanto, como forma de propaganda, elas têm sido fundamentais para que muitas pessoas soubessem da luta e dos agendamentos das manifestações.

JB: As mobilizações são apenas pelo aumento da tarifa de ônibus ou existem questões sociais mais profundas que estão sendo levantadas? Se sim, quais são elas e por quê?

OASL: O MPL defende que qualquer tarifa de ônibus é um roubo, já que é um serviço público e, como tal, deve ser gratuito. O movimento entende que a questão da mobilidade urbana está diretamente relacionada a outros direitos básicos, como por exemplo, saúde, educação e cultura. Além de defender que o direito de ir e vir não se restringe a ir e voltar do trabalho. O direito à cidade, de qualquer cidadão poder usufruir das coisas que a cidade oferece, é então uma pauta central e muito profunda. A descriminalização dos movimentos sociais também é uma pauta importante que deve ganhar força com a chegada da Copa do Mundo.

Mas de qualquer forma o MPL sustentava, antes da revogação dos aumentos, e nós compartilhamos dessa análise, que a pauta da luta deveria continuar sendo a redução imediata da tarifa. Tínhamos receio de que uma luta por tudo terminasse como conquista de nada. Por isso apoiamos o foco na redução da tarifa. A partir do momento que a redução fosse conquistada, a luta poderia avançar para os próximos passos e, pelo acúmulo de conquistas de curto e médio prazo, o movimento poderia se fortalecer cada vez mais. Esse ponto de vista era compartilhado por praticamente toda a esquerda.

Entretanto, com a conquista da redução, outras pautas vêm sendo colocadas. Algumas pela esquerda, como a necessidade da tarifa zero, o fim da repressão aos movimentos sociais, o avanço nas lutas por direitos etc. Outras pela direita mais conservadora, ou mesmo por grande parte do senso comum que permeia muitas pessoas que estão nas ruas. O tamanho das mobilizações levou a população ao otimismo de pensar que “o Brasil está mudando” e à vontade de exigir tudo que lhe vem à mente. A nosso ver, é importante que nosso setor, que busca construir lutas populares autônomas e combativas, retome essa continuidade das pautas.

JB: Que tipo de dados demográficos estão envolvidos nos protestos? Eles são em sua maioria jovens e ativistas ou os protestos têm assumido um caráter mais popular?

OASL: Nos últimos dias as lutas conquistaram um público mais plural. Nas regiões centrais da cidade temos notado um conjunto de forças composto mais ou menos da seguinte maneira. Um setor mais autônomo e combativo, ligado ao MPL, que tem força e encabeçou o início das mobilizações. Um setor mais tradicional da esquerda, com partidos e movimentos, que tiveram participação significativa desde o início dos protestos. Um setor majoritário de novas pessoas que têm saído às ruas (pesquisas tem mostrado que a maioria das pessoas nunca havia ido às ruas), e que reproduz muito do senso comum; são em grande parte conservadores e sustentam pautas ligadas à agenda conservadora. Dessa ala vem o repúdio aos partidos políticos que acabou se convertendo em repúdio a toda a esquerda. Finalmente, há um setor, certamente o minoritário, que reúne a extrema-direita, em alguns casos articuladas a setores militares, do grande capital e latifundiários. A questão que ainda não está clara é qual a capacidade dessas novas pessoas que são majoritárias aderirem às propostas de luta classistas e combativas, ainda que independente de partidos políticos e do Estado.

Em termos de classe, as mobilizações da região central da cidade são compostas, na maioria, por quem está ou esteve no ensino superior. Entretanto, é possível notar uma participação de trabalhadores e moradores da periferia; a maioria fora da esquerda organizada. Nas periferias, os movimentos sociais têm realizado mobilizações muito importantes, de caráter marcadamente popular e com posições mais à esquerda. Talvez a continuidade dos protestos deva ser procurada nessas iniciativas, para aqueles que de fato desejam construir alternativas de poder popular.

Em termos de números, o país chegou a mobilizar mais de um milhão de pessoas (0,5% da população); em São Paulo, chegamos a algumas centenas de milhares em alguns dias.

JB: Como é que a população em geral reagiu aos protestos? Tanto para o uso excessivo da força pela polícia e as acusações de vandalismo?

OASL: Há uma divisão muito grande na reação geral. Nas primeiras manifestações tínhamos o seguinte quadro: havia aqueles que denunciavam os manifestantes como vândalos aproveitadores, mas até então não era uma posição majoritária. Havia aqueles que defendiam que as manifestações fossem pacíficas, e aqueles que acusavam a violência do Estado. Porém, dada a generalizada manipulação da mídia e a falta de preparo da esquerda em responder às acusações, temos hoje um grande número de pessoas que acusam qualquer ação direta mais radical de vandalismo. Está se tentando separar os manifestantes pacíficos dos violentos e, infelizmente, em alguns casos, o governo tem tentado colocar a conta dos atos de violência na conta dos anarquistas. Esse foi o caso no Rio Grande do Sul, com a invasão da sede da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) pela polícia e a tentativa de responsabilizá-la não só pelos atos de vandalismo, mas pelo cúmulo de apoio às iniciativas da direita. Isso é realmente um absurdo.

Antes de tudo, a violência é propagada diariamente pelo sistema em que vivemos. Violência é utilizar diariamente o sistema de transporte precário que temos, violência é morrer nas filas de hospitais públicos, violência é a educação de nossas escolas públicas, violência é a exploração que sofremos diariamente quando trabalhamos. Isso tem que ficar claro. O capitalismo é um sistema pautado na violência. Somos violentados todos os dias. E quando o povo reclama, se mobiliza, é novamente violentado pelo Estado, como têm sido os casos de repressão em todo o país. A violência das manifestações são respostas para essa situação a que a população é submetida todos os dias.

Ainda assim, devemos lembrar que as últimas manifestações em São Paulo mostraram casos de violência entre os próprios manifestantes, estimulado por setores da extrema-direita e protagonizado pelos novos e conservadores que estão nas ruas. Violência contra militantes de partidos, movimentos sociais e toda a esquerda organizada. E não se tratava de um rechaço pela esquerda, mas pela direita, em discursos e atitudes fascistóides. Muitos dos defensores da não-violência aderiram a isso, fato que a mídia praticamente não abordou.

JB: Há também protestos contra o aumento das tarifas no Rio de Janeiro, Porto Alegre e outras cidades. Qual é o caráter social desses protestos? Eles são semelhantes a São Paulo?

OASL: Não é possível dizer que o caráter social é o mesmo. Pelo menos em nossa impressão, esse setor conservador é maior em São Paulo do que no resto do país. Entretanto, outras cidades têm estado amplamente mobilizadas e nisso há similaridade. O país está bastante mobilizado de maneira geral.

Sobre o MPL, o que podemos dizer é que um de seus princípios é o federalismo, e que há cidades e estados onde o movimento existe organicamente. Sua articulação em diversos estados e mesmo a construção de blocos de luta contra o aumento tem contribuído com essa construção à esquerda, independente e combativa do movimento.

Acreditamos que as conquistas anteriores, que incluem Porto Alegre, e as conquistas de São Paulo e Rio de Janeiro – para não falar de outras regiões – têm contribuído com o aumento das mobilizações.

JB: O Brasil está atualmente sediando a Copa das Confederações. No ano que vem ele vai sediar a Copa do Mundo da FIFA e em 2016 o Rio de Janeiro vai sediar os Jogos Olímpicos. Qual tem sido o impacto social por sediar esses mega eventos?

OASL: Em depoimento nas redes de televisão pública, a presidente Dilma Rousseff garantiu que “o Brasil merece e vai fazer uma grande Copa”, e que apóia manifestações pacíficas, mas não vai “transigir com a violência e a arruaça”. Também surgem novas leis contra o “terrorismo”, facilitando a criminalização de movimentos sociais e da ação direta, e garantindo a proteção dos capitalistas e seus crimes.

É evidente que esses megaeventos têm trazido impactos sociais no sentido contrário a tudo o que poderia ser popular. Politicamente, fortalece figuras do poder e suas imagens e, deliberativamente, sua união ocorre com grandes empresários e especuladores. Após a confirmação absoluta desses eventos, a sistematização nos processos de higienização social ganhou força de vários setores conservadores e reacionários. Construtoras têm lucrado como nunca devido à intensa especulação no setor imobiliário, e essas mesmas construtoras foram responsáveis por financiamentos de partidos das alas liberais. Sabemos que favelas têm sido incendiadas de forma criminosa, com o claro objetivo de limpar a imagem das cidades para os turistas.

Em São Paulo, usuários de drogas têm sofrido repressão da polícia a mando do governo, que inclusive vem internando essas pessoas de forma compulsória. No Rio de Janeiro, um processo que a polícia, com apoio da mídia, tem chamado de “pacificação”. Ela serve de argumento para a instalação da polícia nas favelas e para prosseguir com a higienização e os assassinatos. Toda a mídia, juntamente com a burguesia e inclusive os militares, usa desses subterfúgios para retomar e propagar um sentimento ultranacionalista perdido depois dos períodos de ditadura militar.

JB: Os protestos atuais são de alguma forma relacionados a estes megaeventos?

OASL: O estopim foram os aumentos das tarifas de ônibus, metrô e trens. No entanto, junto às muitas pautas que surgiram, à esquerda e à direita, a questão da Copa tem sido relevante. As pessoas têm questionado o investimento público nesses megaeventos enquanto o país precisa de investimentos em muitas outras áreas como educação, saúde, transporte etc. Isso certamente tem contribuído com as manifestações.

O MPL tem apoiado desde o início o movimento Copa Para Quem?, que levanta essas questões, e está junto com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que também pauta os reflexos que a Copa tem ocasionado na periferia pelas questões de moradia e especulação imobiliária.

JB: A revolta popular na Turquia teve alguma influência sobre o que está acontecendo atualmente em São Paulo e em outras cidades? E a Primavera Árabe?

OASL: Essas revoltas sempre nos levantam ao espírito do possível. Ver outros povos se levantando faz com que trabalhadores e trabalhadoras questionem por que não estão indo às ruas e reivindicando seus direitos, os lembra de tudo o que é preciso conquistar.

Mas dois anos atrás, na última jornada de lutas contra o aumento da tarifa, nós já víamos outros países se levantando e não houve uma adesão que chegasse minimamente perto do que vemos hoje. Pode haver uma forte influência no campo do inconsciente ou simbólico, especialmente para os militantes e ativistas, mas muito pouco pode ser dito sobre a grande massa nas ruas.

JB: Há algo que as pessoas fora do Brasil podem fazer para apoiar a luta aí?

OASL: Pautar essas manifestações e demonstrar solidariedade pública em manifestações organizadas em seus países e declarações de apoio. Divulgar e propagar sempre é algo que contribui.

Outra coisa importante é dar apoio à luta contra a repressão que os anarquistas têm sofrido em outras partes do país, em especial ao caso da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), e às outras lutas em curso como a dos estudantes e funcionários da UNESP, além de várias outras lutas dos movimentos populares brasileiros.

JB: Vocês gostariam de adicionar alguma coisa?

OASL: Achamos importante ressaltar a importância de um trabalho de base organizado e continuado. A imagem de centenas de milhares de pessoas ocupando as ruas espontaneamente levantaram novos ares otimistas, da possibilidade de mudança concreta fora das urnas. Pelo imaginário social, a ocupação das ruas tornou-se o novo campo do fazer político. Mas, graças à distorção dos fatos, tornou-se também o único campo. A direita tenta construir o imaginário de que toda organização política é inerentemente oportunista e corrupta, enquanto o trabalho de base é supostamente desnecessário, já que, como cantavam os manifestantes, “o povo acordou” (e quando é que esteve dormindo?).

As ruas são uma ferramenta fundamental para tornar a luta pública, mas não é nela que o debate público e a formação política serão completamente feitos. É pela luta diária, nos movimentos sociais, estudantis, sindicatos, comunidades, que o povo constrói o poder necessário para a conquista de sua emancipação. O que vemos hoje é que, se por um lado a esquerda tem potencial para mobilizar, algumas de suas formas estão muito desgastadas. É necessário, a nosso ver, dar ênfase no trabalho de base e adotar uma estratégia que contribua com esse projeto emancipador. A nosso ver, nas mobilizações, nos movimentos populares, estimulando o classismo, a combatividade, a independência, a participação democrática; em suma, tratando de construir poder popular. Não devemos deixar de lado a luta simbólica.

O ponto fundamental é que esse potencial deve ser convertido em força social que contribua com nosso projeto de uma nova sociedade; e isso não se dá por vias do Estado ou acordos com capitalistas. O povo precisa de uma alternativa própria. Se não houver organização popular, as lutas continuarão a ser perdidas. Como anarquistas, sustentamos que essa organização estará melhor preparada se for construída de baixo para cima, com uma base forte e capaz de levar a luta aos caminhos que interessa a ela como classe.

Vivemos um momento histórico, de uma reviravolta no estado de ânimo da população. Tivemos um imenso avanço quantitativo para a luta e, se desejamos avançar ainda mais, precisaremos focar no trabalho de base, por onde poderemos, com a luta diária, aprender com nossos erros e acertos.

Avante na construção do poder popular! Arriba los que luchan!

* Pablo Pamplona e Thiago Calixto são militantes da Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL), de São Paulo, e têm contribuído na luta contra o aumento ao lado do Movimento Passe Livre.
Related Link: http://www.anarquismosp.org

[fAu] Saio a revista Luta Libertária-2013

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/25541

Salió a la calle nuestra publicación “Lucha Libertaria”, con análisis de temas de actualidad de nuestro país y América.

luchalibertariamayo2013.jpg

Salió a la calle nuestra publicación “Lucha Libertaria”, con análisis de temas de actualidad de nuestro país y América.

Se puede solicitar a través del correo de nuestra página web contacto@federacionanarquistauruguaya.com.uy o en nuestro local en la Calle Magallanes esquina La Paz.

También disponible para descargar o leer en nuestro sitio web:

http://federacionanarquistauruguaya.com.uy/…2013.pdf

 

[OASL] O Anarquismo, o Massacre de Haymarket e os Mártires de Chicago

1maio.png

 

Retirado de : http://www.anarkismo.net/article/25449

O Primeiro de Maio, a sociedade de ontem e de hoje

Todos os anos nos deparamos com as tais festas do Primeiro de Maio, promovidas pelas grandes centrais sindicais e que enchem praças e avenidas com milhares de pessoas. Com o objetivo de atrair o público, em meio aos shows de artistas famosos, sorteiam até carros e apartamentos. Esquecemos, no entanto, das origens dessa data tão importante, que marca a luta dos trabalhadores e das trabalhadoras contra as mazelas do capitalismo e suas brutais consequências sobre homens e mulheres.

Como sempre, a história é contada pelos vencedores, e assim também aconteceu com a história do Primeiro de Maio, que até hoje não é muito conhecida. A mobilização dos operários e operárias de Chicago e de outros lugares do mundo aos fins do século XIX, reivindicando a jornada diária de oito horas de trabalho, refletia uma luta contra o sistema capitalista e as péssimas condições a que estavam submetidos trabalhadores e trabalhadoras. A relevância atual desse tema é que os motivos que levaram a essa mobilização não mudaram tanto de lá para cá.

Continuamos a viver em uma sociedade capitalista, apoiada na exploração do trabalho, nos baixos salários, nas precárias condições de trabalho, no desemprego. Continuamos a viver em uma sociedade em que impera a pobreza e a fome de muitos, para o benefício e a prosperidade de poucos. Não temos o controle sobre o trabalho que realizamos e nem sobre as decisões que nos afetam. Parte dos frutos de nosso trabalho continuam indo para as mãos das classes dominantes. Quando nos mobilizamos para reivindicar uma vida melhor, o Estado está sempre lá, para nos reprimir e mostrar o devido lugar das classes oprimidas no capitalismo. Essas são apenas algumas semelhanças dos fins do século XIX e dos dias de hoje.

O trabalho nos Estados Unidos dos anos 1880

Aos finais do século XIX, os Estados Unidos continuavam sua crescente onda de crescimento econômico, em grande medida impulsionados pelos efeitos da Guerra de Secessão. A possibilidade de empregos nas fábricas atraía estrangeiros e nativos. No entanto, as condições de trabalho eram precárias ao extremo. Em nome do lucro, os líderes capitalistas faziam com que homens e mulheres trabalhassem 12, 14 e até 17 horas por dia, em ambientes sem qualquer condição para o trabalho: muitos não tinham ventilação e iluminação adequada, eram extremamente sujos etc. Nem as crianças e mulheres grávidas eram poupadas. O desenvolvimento da crescente industrialização, das precárias condições de trabalho e das organizações operárias, criava um ambiente propício para a mobilização, com o objetivo de melhorar as condições de vida.

Oscar Neebe – conhecido militante anarquista e funileiro desse período – fez uma descrição do contexto da época em sua autobiografia: “Eu trabalhava numa fábrica que fazia latas de óleo e caixas para chá. Foi o primeiro lugar em que vi crianças de 8 a 12 anos trabalharem como escravas nas máquinas. Quase todos os dias acontecia de um dedo ser mutilado. Mas o que isso importa… Elas eram remuneradas e mandadas para casa, e outras tomariam seus lugares. Acredito que o trabalho infantil nas fábricas tenha feito, nos últimos vinte anos, mais vítimas do que a guerra com o sul, e que os dedos mutilados e os corpos destroçados trouxeram ouro aos monopólios e produtores.”

As mobilizações operárias e o Massacre de Haymarket

É dentro desse contexto que se dá o movimento reivindicativo que marcou na História essa importante data do Primeiro de Maio. Há anos, existia a ideia de que o dia dos trabalhadores e das trabalhadoras deveria ser dividido em três partes: oito horas para o trabalho, oito horas de sono e oito horas para o lazer e o estudo. No ano de 1884, a Federação dos Sindicatos Organizados dos Estados Unidos e do Canadá (precursora da Federação Americana do Trabalho – AFL) declarou que a partir do dia 1º de maio de 1886 a jornada de oito horas de trabalho passaria a vigorar, apesar dos capitalistas afirmarem que isso era impossível. Esse movimento, na realidade, refletia uma das reivindicações centrais dos movimentos operários da época, e continuava a mobilização já iniciada anteriormente em países como Inglaterra, França e Austrália. As adesões para o movimento foram muito grandes, já que a reivindicação central era comum a todos os trabalhadores. Um pouco antes do tão esperado Primeiro de Maio de 1886, milhares de trabalhadores e trabalhadoras haviam aderido à luta pela redução da jornada. “Brancos e negros, homens e mulheres, nativos e imigrantes, todos estavam envolvidos.”

Especificamente nos Estados Unidos, o anarquismo, força protagonista deste movimento, vinha crescendo desde o Congresso de Pittsburgh, em 1883, e com a fundação da International Working People’s Association (IWPA), expressão de massas anarquista que, em 1886, chegou a ter 2500 militantes e 10 mil colaboradores. Entre seus fundadores, podemos destacar Lucy Parsons – mulher, negra e ex-escrava –, que teve um papel decisivo na organização operária de Chicago, incorporando a pauta das mulheres e das negras e negros. Vale lembrar que a IWPA, entendendo as condições especificas de mulheres e negras/os na sociedade, defendeu a pauta das opressões, denunciando a forma como o mundo do trabalho se utiliza dessas condições para promover uma maior precarização e exploração do trabalho, lucrando ainda mais. Em um de seus inúmeros discursos ela atentava para que nossa crítica, enquanto trabalhadores, pudesse ir além da figura dos patrões, que refletíssemos também sobre o mundo do trabalho: “Então você não pode ver que entre a imagem do ‘bom chefe’ e a do ‘mau patrão’ tanto faz? E, que, você é a presa comum de ambos, e que a função dele é simplesmente explorar? Você não pode ver que é o sistema industrial e não o ‘chefe’ que deve ser mudado?”. Outros marcos significativos foram o jornal diário Chicagoer Arbeiter Zeitung e a fundação, em 1884, da Central Labor Union (CLU), que chegou a 28 mil trabalhadores, somente em Chicago, em 1886.

No dia 1º de maio de 1886, as ruas de Chicago foram tomadas pelo povo, em protestos e greves cujo objetivo central estava na redução da jornada de trabalho. Chicago, na época, era o principal centro de agitação política dos EUA e os anarquistas exerciam a maior influência no movimento. De acordo com o relato de um jornal da época, “não saía qualquer fumaça das altas chaminés das fábricas e dos engenhos, e as coisas assumiam uma aparência de sabá (o sábado judeu)”. Entre 80 e 90 mil pessoas saíram às ruas em apoio ao crescente movimento somente na cidade de Chicago. Grandes manifestações com mais de 10 mil pessoas também aconteceram em Nova York e Detroit. Aconteceram reuniões e comícios em Louisville, Kentucky, Baltimore e Maryland. Estima-se que por volta de meio milhão de pessoas tenha tomado parte nas manifestações do Primeiro de Maio nos EUA. Estima-se também que por volta de 1200 fábricas entraram em greve em todo o país em apoio ao movimento.

A posição dos líderes capitalistas era claramente refletida na imprensa da época que chamava os manifestantes de “cafajestes, preguiçosos, e canalhas que buscavam criar desordens”. Outro veículo da imprensa afirmava que “Esses brutos [os/as operários/as] só compreendem a força, uma força que possam recordar durante várias gerações”. Os capitalistas compravam armas de fogo para a polícia local. Esses são apenas alguns exemplos da “rede de apoio” que se formou entre patrões e a mídia, todos em defesa do Capital e da ordem estabelecida.

No dia 03 de maio as manifestações e greves continuavam. August Spies, um tipógrafo anarquista e editor do periódico Arbeiter-Zeitung, discursou para 6 mil trabalhadores e trabalhadoras. Ainda enquanto ele falava, os fura-greves da fábrica Mc Cormick Harvester estavam saindo, e parte dos manifestantes deslocou-se para a frente da fábrica, com o objetivo de incomodar os fura-greves. Isso aconteceu pois o local em que falava Spies ficava a um quarteirão da fábrica. Os manifestantes desceram a rua e fizeram com que os fura-greves voltassem para dentro da fábrica. Foi então que chegou a polícia. Eram aproximadamente 200 policiais que, ao reprimir os manifestantes, acabaram matando seis pessoas (outras fontes dizem quatro ou sete), ferindo e prendendo muitas outras. Spies, vendo o resultado brutal da repressão policial, dirigiu-se ao escritório do Arbeiter-Zeitung e fez uma circular, convocando os trabalhadores e as trabalhadoras para outra manifestação no início da noite do dia seguinte.

O protesto do dia 04 de maio aconteceu na Praça Haymarket, e nele discursaram, além de Spies, Albert Parsons, tipógrafo, militante anarquista e companheiro de Lucy Parsons, e Samuel Fielden, imigrante inglês, operário da indústria têxtil e também militante anarquista. Os discursos pediam unidade e continuidade no movimento. Havia aproximadamente 2500 pessoas no local, que até o momento faziam um protesto pacífico, tão pacífico que o prefeito Carter Harrison, presente no início dos discursos, afirmou que “nada do que acontecia dava a impressão de haver necessidade de intervenção da polícia”. Já no final da noite o mau tempo contribuía para que houvesse apenas cerca de 200 pessoas na praça. Com a ordem de dispersar a manifestação imediatamente, um grupo de 180 policiais chegou ao local. Apesar de Spies ter dito que os manifestantes eram pacíficos, a polícia iniciou o processo de dispersar o ato. Foi nesse momento que uma bomba explodiu em meio aos policiais, matando sete e ferindo aproximadamente 70, entre policiais e manifestantes. A polícia imediatamente abriu fogo contra a população, sendo responsável por incontáveis mortes. Alguns relatos falam em 100 mortos e dezenas de presos e feridos. Ninguém nunca soube se quem jogou a bomba foram os manifestantes ou a própria polícia, para incriminar o movimento.

Em sua autobiografia, Spies diria algum tempo mais tarde que “o anarquismo não era nem mesmo mencionado. Mas o anarquismo era bom o suficiente para servir como um bode expiatório para Bonfield [chefe de polícia de Chicago]. Esse demônio, com o objetivo de justificar seu ataque assassino à reunião, disse: ‘eram anarquistas’. – ‘Anarquistas! Oh, que horror!’ A estúpida massa imaginou que – anarquistas – deveria ser alguma coisa muito ruim, e incorporou o refrão junto com seus inimigos e espoliadores: ‘Crucifiquem-nos! Crucifiquem-nos!’”

O fato é que o acontecimento da bomba foi utilizado como motivo para a perseguição de todo o movimento radical de trabalhadores. A polícia invadiu casas e escritórios de suspeitos e houve muitas prisões. Muitas pessoas que nem sabiam o que era anarquismo ou socialismo foram presas e torturadas. Definitivamente, a polícia primeiro atacava e prendia, para depois averiguar se havia alguma “culpa” dos acusados.

A repressão e os Mártires de Chicago

O resultado desse processo foi a prisão temporária de Rudolph Schnaubelt, acusado de jogar a bomba. Ele foi solto depois de algum tempo sem acusações formais e há quem diga que ele era um agente pago pelas autoridades para cometer o atentado. Com Schnaubelt solto, a polícia prendeu Fielden e seis imigrantes anarquistas alemães: Spies, Neebe, Adolph Fischer, tipógrafo, Louis Lingg, carpinteiro, George Engel, tipógrafo e Michael Schwab, encadernador. A polícia também procurava Albert Parsons, já que ele era um importante líder da IWPA em Chicago, mas ele conseguiu se esconder e não ser capturado. Parsons acabou depois se apresentando no dia do julgamento. Apesar de apenas três deles terem estado presentes no dia da explosão da bomba, foram todos incriminados e responsabilizados por esse motivo.

O julgamento teve início em 21 de junho de 1886 com um júri nitidamente manipulado. Ele era composto de empresários, seus funcionários e um parente de um dos policiais mortos. Não houve provas apresentadas contra os anarquistas e nada que levasse a uma conexão clara dos acusados com a explosão da bomba. Não houve, também, quaisquer provas de que eles teriam incitado a violência ou algo do tipo em seus discursos. No entanto, o resultado do julgamento foi um claro reflexo do medo por parte da sociedade burguesa em relação aos operários organizados e combativos. Numa deliberada tentativa de conter o crescente movimento operário, sete dos acusados foram condenados à morte em 19 de agosto. Neebe foi condenado a 15 anos de prisão. Apesar de insistir não ser culpado, Neebe, em uma demonstração de solidariedade aos seus companheiros, falou ao juiz que sentia não ser enforcado com os outros. A punição aos anarquistas deveria servir como um exemplo à sociedade, mostrando o que aconteceria àqueles que desafiassem o poder das instituições do Estado e do Capital.

Spies pronunciou-se em sua última defesa falando sobre os enforcamentos: “Aqui terão apagado uma faísca, mas lá e acolá, atrás e na frente de vocês, em todas as partes, as chamas crescerão. É um fogo subterrâneo e vocês não podem apagá-lo”. Importante também a defesa proferida por Albert Parsons: “A propriedade das máquinas como privilégio de uns poucos é o que combatemos, o monopólio das mesmas, eis aquilo contra o que lutamos. Nós desejamos que todas as forças da natureza, que todas as forças sociais, que essa força gigantesca, produto do trabalho e da inteligência das gerações passadas, sejam postas à disposição do homem, submetidas ao homem para sempre. Este, e não outro, é o objetivo do socialismo.”

Schwab e Fielden tiveram suas penas comutadas para prisão perpétua, depois de uma grande campanha pela liberdade dos acusados. Lingg suicidou-se na prisão um dia antes de ser enforcado. Em 11 de novembro de 1887 Spies, Parsons, Fischer e Engel foram enforcados, e assim ficaram conhecidos como os Mártires de Chicago. Milhares de pessoas tomaram parte na procissão dos funerais e a campanha pela liberdade de Fielden, Schwab e Neebe continuou. Em 26 de junho de 1893 o governador Altgeld libertou-os, alegando que eram inocentes do crime pelo qual estavam sendo acusados.

O Primeiro de Maio se espalha pelo mundo

Em 1890 as manifestações de Primeiro de Maio se generalizaram nos EUA e Europa, assim como no Chile, Peru e Cuba. O movimento pela jornada diária de oito horas de trabalho ganhou tanto apoio, que acabou fazendo com que o Primeiro de Maio fosse uma data mundial de mobilização. Depois disso, generalizaram-se as manifestações no Brasil, na Rússia e Irlanda, e tomaram o mundo de maneira crescente. No Brasil, o Primeiro de Maio é comemorado desde 1894 e tornou-se um feriado nacional por um decreto do ex-presidente Arthur Bernardes em 1925. A jornada diária de oito horas de trabalho foi incorporada na legislação brasileira por Getúlio Vargas na década de 1930. Ainda em seu governo, regulamentou o direito às férias e à aposentadoria, promulgando a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Essa atitude de Getúlio, muito mais do que benevolência, refletia aceitação, por parte do governo, às reivindicações que eram feitas pelo movimento operário desde os anos 1910. Além disso, muitas indústrias já davam esses benefícios a essa altura dos acontecimentos. Com a Constituição de 1988, incorporou-se às leis brasileiras as férias remuneradas, o 13º salário, a multa de 40% sobre o fundo de garantia em caso de demissão, licença maternidade, entre outros “benefícios” conhecidos hoje por nós.

Atualmente, com a adoção das políticas neoliberais por parte dos nossos últimos governos, e com as novas propostas de “flexibilização” das relações de trabalho, estamos perdendo os direitos que conquistamos depois de longas jornadas de mobilização e reivindicação. Os trabalhadores e as trabalhadoras que ainda têm carteira assinada podem considerar-se privilegiados/as, pois muitos/as não têm mais registros formais. Não têm direito a férias remuneradas, vale-transporte, multa em caso de demissão, 13º salário, entre outros benefícios que um trabalhador registrado formalmente tem. Além disso, ter um trabalho hoje, poder vender a sua força de trabalho e deixar-se explorar pelos patrões, tornou-se um benefício. Há milhões pelo mundo que nem isso conseguem. Podemos ver somente agora, quase 200 anos depois, entrando em vigor um projeto de lei que garante para as trabalhadoras domésticas a jornada máxima de 8 horas diárias, o pagamento de horas extras, o direito de se organizarem em um sindicato e todos os outros benefícios conquistados pelas lutas e mobilizações que marcaram o Dia dos Trabalhadores e das Trabalhadoras. E mesmo as centrais sindicais, em sua maioria, transformaram-se em redutos burocráticos e corruptos, com vistas apenas aos seus próprios interesses. O povo é tratado com a política do pão-e-circo, que agora, além de ser propagada pelo governo, tem a ajuda dos sindicatos com os “Primeiros de Maio” de festas e sorteios. Definitivamente as políticas institucionais mostraram-se ineficazes para conquistar, ou ao menos garantir, os poucos direitos que os Estado ainda nos concede. Já é hora de nos inspirarmos nos antigos militantes operários e, através da ação direta de massas, reivindicarmos o direito a uma vida de liberdade e igualdade.

Viva o Primeiro de Maio!
Viva o dia do Trabalhador e da Trabalhadora!
Viva o anarquismo e os movimentos populares!

Bibliografia Consultada:

August Spies. Autobiography.
Jorge E. Silva. As Origens Trágicas e Esquecidas do Primeiro de Maio.
L. Gaylord. O Primeiro de Maio.
Lázaro Curvêlo Chaves. Primeiro de Maio – Dia Mundial do Trabalho.
Lilian Caramel. A Origem do Dia do Trabalho.
Michael Thomas. May Day in the USA: A Forgotten History.
Oscar Neebe. Autobiography.
Tom Moates. Reclaiming Our History. May Day & the Origins of International Workers Day.
W. T. Whitney, Jr. May Day and the Haymarket Martyrs.
Workers Solidarity Movement. The Anarchist Origins of May Day.

[CURITIBA] Círculo de estudos Libertários 2013: retorno no 1° de Maio

Onde: DCE-UFPR, Rua General Carneiro, 390

Quando: 01.05.2013

Horário: 14h e 30mim

Retornaremos com o C.E.L. neste, 1° de maio com nossos já tradicionais estudos a cerca da teoria anarquista, neste primeiro encontro de 2013 estudaremos o texto “Surgimento e breve perspectiva histórica do anarquismo (1868-2012)” escrito por Felipe Corrêa (venha com o texto lido)- disponível aqui: http://www.anarkismo.net/article/24704?userlanguage=pt&save_prefs=true. Nesta data aproveitaremos também para rememorar a luta histórica dos trabalhadores, que tem como dia de “Luta e luto” no 1° de maio (o dia do trabalhador), com o filme debate da animação “Maio, nosso maio” (http://www.youtube.com/watch?v=Fgd0urRHbU8).

Saiba mais sobre o C.E.L:

O Círculo de Estudos Libertários (CEL) surgiu como espaço de estudo em janeiro de 2011, com o objetivo de debater “a atuação política, a teoria clássica e contemporânea do Anarquismo, (…) fortalecendo a perspectiva classista, autônoma, socialista e combativa das classes exploradas, em sua formação cultural e intelectual”. Com dois encontros por mês e textos lidos previamente por seus participantes, o grupo teve relativo sucesso no que se propunha a fazer, se tornando ainda “por tabela”, uma referência para os novos companheiros e companheiras interessados nas propostas do anarquismo organizado. A partir de 2012 o CEL tornou-se um espaço ligado ao Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC), continuando dessa forma, aberto a participação dos trabalhadores e trabalhadoras que queiram se debruçar sobre o estudo das lutas sociais e a participação dos socialistas libertários nas mesmas. Seguindo agora em 2013 um programa definido de textos pretendemos melhorar a qualidade de nossos encontros, contribuindo também, para auxiliar a formação teórica da militância anarquista aqui na cidade de Curitiba (PR).

Retornamos em 2013 com encontros mensais, nas ultimas terças feiras do Mês (em maio dia 28.05.13), sempre as 19:30h.

Image

[CAB] Jornal Socialismo Libertário número 28

Retirado: http://anarkismo.net/article/23467

À todos(as) uma boa leitura!

sl28.jpg

Já está na rua a 28ª edição do Jornal Socialismo Libertário, órgão da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB).

Esta edição traz o Programa Mínimo da CAB, aprovado em seu recente Congresso realizado em Julho de 2012 no Rio de Janeiro. Este Programa apresenta os elementos reivindicativos em torno dos quais pretendemos atuar no presente, de maneira a permitir um avanço rumo a nosso projeto revolucionário.

Essa nova edição pode ser adquirida através da militância da FAG, em nossa sede (Ateneu Libertário A Batalha da Várzea) ou fazendo o download em PDF:

[CABN] Saudação do Coletivo Anarquista Bandeira Negra (SC) ao Congresso de Fundação da CAB

Retirado de: http://www.anarkismo.net/article/23101

Saudação do Coletivo Anarquista Bandeira Negra ao Congresso de Fundação da Coordenação Anarquista Brasileira.

cabn.png

Companheiros e companheiras,

É com muita alegria e orgulho que saudamos todas e todos nesta manhã que marca uma etapa significativa na história do anarquismo brasileiro, com a fundação da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB).

Nós do Coletivo Anarquista Bandeira Negra, organização específica anarquista com presença em três cidades de Santa Catarina (Florianópolis, Joinville e Chapecó), temos menos de um ano de vida, mas sabemos do salto organizativo para a militância anarquista de nossas cidades proporcionado pela nossa modesta organização.

Este salto organizativo, impulsionando e estimulando nossa atuação, só foi possível graças ao apoio e a experiência acumulada nesses 10 anos de FAO. Sem este referencial e todos os aportes oferecidos, sem dúvida ainda estaríamos fragmentados e desorganizados. Cabe então nosso mais profundo agradecimento às organizações e pessoas que muito contribuíram neste processo.

Fundado em Agosto de 2011, o CABN é fruto de um processo iniciado em 2008, no qual a Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ) teve um papel especial, contribuindo em nossa formação e auxiliando através de sua rede de apoio no estabelecimento de contatos entre anarquistas de Curitiba, Florianópolis e Joinville. Podemos dizer que a FARJ foi e ainda é um exemplo motivador para nós, motivo pelo qual cabe um agradecimento especial.

Em Abril de 2009, graças aos contatos realizados dentro da rede apoio da FARJ, foi realizado o I Colóquio do Anarquismo Social, nas cidades de Curitiba, Florianópolis e Joinville, contando com a presença da FARJ e da Federação Anarquista Gaúcha (FAG), que passaria a partir dali a nos representar um referencial importantíssimo. Por isso, registramos também nossos agradecimentos especiais aos compas da FAG.

Após o colóquio houve a fundação do Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC) em Curitiba, e da Organização Dias de Luta, em Joinville, que mais tarde se somaria ao CABN. Fruto do mesmo processo, nos reconhecemos como uma organização irmã do CALC, que também merece uma menção especial de agradecimento.

Em Florianópolis o processo organizativo foi mais lento e apenas em 2011 tivemos o amadurecimento necessário para fundarmos nosso coletivo.

Destacamos a importância dos cursos de formação do Fórum do Anarquismo Organizado (FAO), sem os quais não teríamos a segurança política requerida no processo. A fundação da Federação Anarquista de São Paulo, hoje Organização Anarquista Socialismo Libertário (OASL), mais próxima historicamente de nossa fundação, merece ser lembrada como um estímulo a mais neste processo.

Depois tivemos contato com as demais organizações: Rusga Libertária, Organização Resistência Libertária, Coletivo Anarquista Núcleo Negro e Coletivo Anarquista Zumbi dos Palmares, ampliando horizontes da nossa experiência política. Nosso mais profundo agradecimento a todos vocês.

Hoje, aqui estamos, firmes e convictos da fundamental importância deste Congresso. Convictos também do papel de destaque que a Coordenação Anarquista Brasileira deverá adquirir no cenário político em que estamos inseridos. Convictos e solidários aos irmãos e irmãs anarquistas que aceitaram o desafio de fundar esta Coordenação. Contem com nossas forças e apoio naquilo que for preciso.

Por fim, manifestamos nosso agradecimento à Federação Anarquista Uruguaia, exemplo maior de militância anarquista sem o qual muito provavelmente não estaríamos aqui.

Viva a Coordenação Anarquista Brasileira!
Lutar, criar, poder popular!

Rio de Janeiro, 08 de Junho de 2012.