Arquivo da tag: cortes na educação

[CAB] É hora de construir uma greve nacional da educação!

Os ataques à educação pública têm marcado fortemente a política e as lutas sociais neste ano. Isso é resultado da confluência de interesses entre os diferentes setores das classes dominantes que sustentam o atual governo: mercado financeiro, agronegócio, conglomerados de mídia, lideranças religiosas conservadoras e diferentes setores de extrema-direita.

Por um lado, uma intenção explícita de sucateamento e privatização da educação pública, visando alimentar algumas das maiores empresas privadas de educação do mundo, que viveram épocas de vacas gordas com as políticas para a educação superior dos governos petistas e agora avançam rumo à educação básica para manter suas taxas de lucro. É onde se encontram grupos de lobby neoliberal com representação de bancos, canais de televisão e grandes empresas que dão as cartas nas novas políticas públicas educacionais brasileiras. Ao mesmo tempo, iniciativas de censura ideológica crescem em todos os espaços educacionais, buscando impedir os debates raciais, de gênero, análise crítica sobre a realidade social, etc., assim como avança a militarização de escolas e o aparelhamento curricular por algumas denominações religiosas.

É frente a esse cenário que as lutas do movimento estudantil e da educação têm ganhado destaque, enfrentando Bolsonaro e uma agenda neoliberal e conservadora que é muito maior e mais antiga do que ele.

Neste segundo semestre, vem ganhando força a luta nas universidades contra o Projeto Future-se, os cortes de bolsas e o contingenciamento de verbas que ameaçam a existência da educação superior pública. Como consequência dessas medidas, milhares de trabalhadoras e trabalhadores terceirizados estão sendo demitidos por todo o país; milhares de pesquisadoras e pesquisadores que sobrevivem com suas bolsas têm seu sustento ameaçado; e estudantes pobres de todo o país correm o risco de abandonar a universidade pelo fim das políticas de permanência como os restaurantes universitários e moradias estudantis.

São motivações e necessidades que dialogam diretamente com a realidade da maior parte de nossa classe, afetada pelo desemprego e um aumento brutal na precarização do trabalho, além do aumento do custo de vida nos itens mais básicos, como alimentação e transporte. Consideramos que a crescente indignação com as condições de vida, o aumento da violência pela mão do Estado e a destruição ambiental precisam ser canalizados junto às lutas pela educação, em uma tática de resposta coletiva, pela força das ruas, ocupações, greves e piquetes! São todas políticas do capital que ameaçam diretamente nossos direitos, nosso futuro e a vida de grande parte do nosso povo de forma articulada. São ataques políticos em conjunto e devem receber uma resposta política unificada!

Nos últimos dois meses, a maioria das universidades do país rejeitou o Programa Future-se; a comunidade da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) ocupou a Reitoria e aprovou com mais de 90% de votos o pedido de destituição do interventor bolsonarista em sua Reitoria; estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) constroem uma greve estudantil na graduação e pós-graduação que já dura três semanas; e greves estudantis também começaram na Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Nesta semana, entidades sindicais e estudantis convocam uma paralisação de dois dias com calendário de lutas. A Coordenação Anarquista Brasileira estará mobilizada nessa data para dizer, antes de tudo, que essa agenda só oferecerá as respostas necessárias de enfrentamento se servir para articular, o quanto antes, uma greve nacional da educação! O modelo das greves de um dia, junto às marchas, agitou o debate público e demonstrou a vontade de luta da juventude, mas é incapaz de fazer frente ao projeto de morte que enfrentamos em 2019.

Precisamos pautar, agora, a revisão do orçamento de 2020 que prevê cortes ainda maiores à educação. Restringir nossa pauta à liberação das verbas de 2019 apenas nos mantêm reféns do Governo Federal, que libera o dinheiro a conta-gotas para manter as universidades de joelhos e frear as lutas no momento que se sentir ameaçado. A luta também precisa buscar unidade com as universidades estaduais, privadas e com a educação básica – os ataques que sofremos atingem a educação como um todo, com o mesmo projeto de sucateamento, privatização e controle ideológico!

Seguindo o exemplo de luta da UFFS, UFSC, Unipampa e UFSM, além do estado de greve deliberado entre estudantes e trabalhadores de várias outras universidades, é fundamental que as entidades estudantis e sindicais do país construam a greve nacional da educação. Sem esperar por licença, a luta já se espalha entre as bases e tem possibilidade de tomar o país!

A EDUCAÇÃO DO POVO NÃO SE VENDE, SE DEFENDE!

POR EMPREGO, CONTRA A PRECARIZAÇÃO, GREVE GERAL NA EDUCAÇÃO!

GT Estudantil da Coordenação Anarquista Brasileira – CAB

[CAB] TODO APOIO À LUTA CONTRA A INTERVENÇÃO DE BOLSONARO NA UFFS

[CAB] 15 DE MAIO: POVO NA LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO E CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

O avanço do neoliberalismo atrelado ao imperialismo norte-americano operam na América Latina uma violenta conjuntura de saque das nossas riquezas, devastação ambiental, retirada de direitos conquistados pela luta popular e extrema precarização da vida do nosso povo. No Brasil, o governo neoliberal e de extrema-direita de Bolsonaro protagoniza com rapidez avassaladora esse processo. E nesse quadro grave a educação, a ciência e a cultura estão na mira dos poderosos.

Um projeto das elites e do governo para destruir a educação

Não se pode esquecer, contudo, que esse projeto de desmonte da educação não começou ontem. Governo federal, estados e municípios em sucessivos governos operaram medidas que precarizam e cada dia mais inviabilizam cada vez mais a educação pública e de qualidade para o nosso povo. Nesse percurso, o conjunto de ataques que enfrentamos é enorme. Medidas como a falta de investimento e cortes orçamentários, fechamento de escolas, fragilização das relações de trabalho e perseguição aos trabalhadores da educação, reformas curriculares e projetos autoritários e ideológicos como o Escola sem Partido.

O Escola sem Partido esconde por trás de sua máscara um projeto ideológico que tem como objetivos acabar com o ensino crítico e a autonomia, censurar e perseguir educadores e promover o revisionismo histórico para defender a versão dos poderosos. As diretrizes da Reforma do Ensino Médio e da nova BNCC nos arrancam a possibilidade de ampliar repertórios culturais e restringem o acesso a disciplinas fundamentais para a formação de um pensamento crítico. Numa lógica nítida de flexibilização dos conteúdos ao mínimo para a formação de mão de obra barata ao mercado. O combate e difamação da discussão de gênero e sexualidade é a tentativa de moralização do ensino pelos interesses religiosos, negando a diversidade e contribuindo para a manutenção da violência sexista e homofóbica. A massificação do ensino à distância também vai nessa lógica, buscando atingir o máximo de alunos de forma barata e desqualificada, além de esvaziar o sentido do professor e da coletividade da sala de aula. Inclui-se aí também a ampliação do investimento nas empresas privadas de educação privada, a militarização de escolas educação e a aposta no ensino domiciliar, entre outras medidas.

O sistema federal de educação, por exemplo, sofre perdas orçamentárias através de contingenciamentos desde 2014, ainda durante o governo petista de Dilma Rousseff que, ironicamente, adotou o lema “Pátria Educadora”. Michel Temer avançou com o desmonte, reduzindo o orçamento a partir de 2017. Com os limites impostos pela PEC 95/2016, que estabelece o chamado teto dos gastos e congela por 20 anos os investimentos em áreas como saúde, assistência social e educação, o acesso do nosso povo aos direitos mais básicos já está inviabilizado.

O governo Bolsonaro, que tem a educação como um de seus principais inimigos, anunciou recentemente o bloqueio de muitos milhões de reais do orçamento, já reduzido, da educação, que atingindo  do ensino básico  ao  superior. Junto com isso, vem um ataque à autonomia universitária, à liberdade de cátedra, à organização dos trabalhadores e trabalhadoras da educação e dos estudantes. Cortes de bolsas e de verbas para a pesquisa, criação de uma imagem do professor como “inimigo” e perseguição aos servidores públicos, ameaças de fechamento de cursos que “não produzem” e uma cruzada contra as ciências humanas.

O governo declarou guerra às instituições públicas de ensino, e tanta desqualificá-las com Fake News, outras formas de mentiras. Buscam com isso convencer a população a apoiar seu projeto perverso de precarizar para privatizar a educação, acabando também com os espaços de crítica e resistência.

Essas medidas têm continuidade no que foi feito nos governos anteriores, mas se articulam num projeto político ideológico de extrema-direita junto a chantagem neoliberal mais aprofundado

Não há dúvidas que um grande desafio desse desgoverno para se sustentar é o roubo da nossa aposentadoria com a aprovação da Reforma da Previdência. Não à toa, o governo tem dito com todas as letras e sem nenhuma vergonha na cara que o “bloqueio” do orçamento da educação pode ser revertido se a reforma for aprovada. A corja do andar de cima, uma elite de capitalistas proprietários, banqueiros, juízes, milicos e políticos quer aprofundar a captura do orçamento público via dívida pública e reformas, cortando na carne do povo pra manter essa farra.

Defender a educação e a previdência social nas ruas

Se os ataques são muitos, também é grande nossa resistência, com a juventude que resistiu nas ocupações, as trabalhadoras e trabalhadores que construíram tantas greves, manifestações, piquetes. Agora é hora de endurecer essa luta. É preciso defender creches, escolas e universidades públicas, pois na educação do povo não se mexe, a educação do povo não se vende. A educação consiste de práticas de liberdade. Nos amplia consciências, nos dá sentidos de coletividade e solidariedade. É contra isso que os de cima lutam.

A estudantada está na linha de frente e já aponta o caminho. Grandes mobilizações e assembleias estão ocorrendo por todo país. Temos também o desafio de mobilizar o sindicalismo, romper as velhas burocracias e fórmulas reformistas. Não é com abaixo assinado para deputados nem com atos burocratizados e inofensivos ao governo que se vence essa luta. É COM POVO NA RUA!

É o momento de romper com o desalento que não constrói alternativas a nossa exploração. A precarização das escolas e da carreira docente produz um sentimento de isolamento e enfraquecimento, incapazes de combater os ataques e cortes sentidos. Porém, cada colega deve ser ponto de apoio e fortalecimento para resistir, ampliando o debate e construindo adesão desde os locais de inserção, fortalecendo desde a base a luta popular e a mobilização.

É com punho cerrado, construindo unidade nas comunidades escolares e acadêmicas, em favor da Educação Pública, da produção científica e da autonomia das instituições de ensinos, que se cria motor para impulsionar o enfrentamento às politicas de desmantelamento da Educação.

Nesse 15 de Maio, as organizações da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB) somam-se à luta das e dos estudantes e das trabalhadoras e trabalhadores da educação por todo país. Todo o povo na rua defendendo a educação pública e popular e defendendo a nossa aposentadoria. A greve da educação aponta caminho pro 14 de Junho, da GREVE GERAL contra a Reforma da Previdência.

POR UMA EDUCAÇÃO PÚBLICA, POPULAR E DEMOCRÁTICA!

POR UMA GREVE GERAL DESDE A BASE, EM DEFESA DA EDUCAÇÃO E CONTRA O FIM DA APOSENTADORIA!