Arquivo da tag: DCE

[MARINGÁ] Como Votam os Anarquistas? 24 de setembro de 2016 (sábado)

como-votam-os-anarquistas-maringa

Em 2016 temos eleições municipais no Brasil e neste período sempre nos perguntam: como votam os anarquistas?

Para respondermos essa pergunta, discutirmos sobre o atual momento e sobre a perspectiva dos anarquistas faremos o evento “Como Votam os Anarquistas?” em algumas cidades do Paraná.

MARINGÁ
QUANDO: 24 de setembro de 2016, sábado, às 14:00.
ONDE: DCE da UEM – Maringá.

Evento no Facebook:                                                  https://www.facebook.com/events/1162832320444924/

Todo apoio à Ocupação da Reitoria da UFPR! Greve, Ocupação e Piquetes pela Educação Pública!

Desde 31 de agosto, segunda-feira, os/as estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) ocupam a Reitoria da universidade. Com o sucateamento da UFPR, cortes na assistência estudantil, fechamento de cursos do interior e os cortes de verbas da educação que ultrapassam R$10 bilhões, a ação direta é a arma para resistir!

Desde o final de maio, os servidores técnico-administrativos da UFPR estão em greve; os professores desde 10/08 e os estudantes desde 19/08. A greve é um instrumento essencial para a conquista de direitos!

Os estudantes da UFPR se organizam em movimento desde o começo do ano a partir da Frente de Mobilização Estudantil do Paraná (FMEP) e desde o começo da greve estudantil no Comando de Greve Estudantil da UFPR – espaços abertos, horizontais e autogeridos pelos estudantes.

Mesmo com o início da greve estudantil, a Reitoria da universidade se recusava a negociar as pautas tiradas em assembleias locais e gerais. Sendo a ação direta o meio para conseguirmos começar a negociar, foram feitos atos na Reitoria e nas ruas para pressionar o Reitor Zaki Akel (o mesmo que  reprimiu e criminalizou estudantes e trabalhadores violentamente, como Beto Richa no 29 de abril, em 28 de agosto de 2014, para passar a EBSERH-privatização do Hospital de Clínicas – leia em: Batalha da EBSERH) a começar a negociação e obter conquistas.

10410384_694728660619085_5287101696404652971_n

Pela ação direta, a Reitoria começou a ceder – as conquistas iniciais foram: o avanço nas pautas para pessoas LGBT; Congelamento do preço do RU em R$1,30; Não suspensão das bolsas do PIBID; Bolsas monitoria garantidas até o final do semestre; Inicio das negociações unificadas dia 09/09; Apresentação do orçamento da UFPR no dia 15/09.

Porém, após a primeira reunião de negociação (dia 26/08) o reitor viajou de férias e deixou a negociação com outros representantes da Reitoria. Dia 31/08, os representantes da reitoria decidiram por enrolar na negociação e dizer que nada era possível, pois era o Reitor Zaki Akel que poderia decidir. A resposta para mais enrolação foi mais radicalização.

Após a ocupação,  a Reitoria afirmou que não iria mais negociar. Mas, no dia 02/09, as negociações para desocupação começaram com sete pautas: Continuidade de negociação; Não criminalização; Respostas por escrito e assinadas das pautas já negociadas; Avanço na negociação de pautas de assistência estudantil; Devolução imediata do prédio do DCE aos estudantes (“reintegrado” pela Polícia Federal com mais violência a mando de Zaki); reunião do Comando de Greve Estudantil da UFPR com o MEC; Adiantamento da publicitação do orçamento da universidade. Com mais enrolação, mais ação direta. E neste mesmo dia cortaram luz e água!

Durante a manhã do dia 03/09, foram feitos mais piquetes nas entradas da UFPR, os fura-greve e a burocracia da reitoria tiveram que mais uma vez ouvir que a luta pela educação pública continua, sem arrego.

A luta continua! Educação não é mercadoria e assistência estudantil não é esmola!

Acompanhe as notícias da ocupação em: Greve Estudantil

Reitoria da UFPR foi ocupada por estudantes na segunda-feira (31) (Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS)

Lutar! Criar Poder Popular!

Ação Direta é a arma que nós temos para fazer justiça para viver!

[CAB] Nota da frente estudantil da CAB sobre o dia 26 de março, dia nacional em defesa da educação

17773_1637773869771093_5661991196468231548_n

Dia 26 de março é um dia nacional de luta em defesa da educação! Mas não de qualquer educação, pois o projeto de educação que aí está não representa nada do ponto de vista da emancipação dos oprimidos, da classe trabalhadora. Não falando de qualquer educação, falamos a que se coloca no nosso horizonte de luta que é a de uma educação 100% pública, de qualidade, à serviço das demandas e sob controle dos de baixo!

Perspectiva que requere uma larga e paciente luta que para nós se inicia em cada local de estudo, de trabalho e de moradia e passa pela organização e mobilização desde a base de secundaristas, de universitários, de educadores populares, de trabalhadores em educação e do conjunto dos oprimidos. Luta que não se esgota em si mesma e que se articula solidariamente com diversas outras lutas por direitos, por melhores condições de vida e de trabalho, pelo direito à cidade e pelo fim das opressões de qualquer tipo.

Nesse sentido, o dia 26 de março (assim como outras datas de mobilização nacional) deveria ser entendido como o resultante de um processo de construção anterior através da propaganda, do trabalho de base e da mobilização nos locais em que a esquerda combativa tem atuação. Infelizmente, não podemos dizer que é assim que isso acontece.

O movimento estudantil de um modo geral enfrenta uma crise de participação, representado pela falta de referência de seus instrumentos de organização (grêmios estudantis, diretórios e centros acadêmicos, Dce’s) perante o conjunto dos estudantes e por um imaginário coletivo que busca saídas individuais para os problemas do cotidiano e não saídas coletivas expressas na luta e na mobilização por direitos estudantis.

Nesse cenário, somente um trabalho coletivo, organizado e permanente assentado sobretudo no trabalho e organização de base é que pode aportar no sentido da transformação dessa realidade. Trabalho que os setores hegemônicos da esquerda estudantil parecem não se importar em fazer, estando mais preocupados ou na disputa fratricida entre correntes pela “direção” dos aparatos estudantis ou em sua própria auto-construção, protagonizando toda e qualquer luta que apareça pela frente e deixando em segundo plano o necessário protagonismo da base estudantil.

Assim, no que diz respeito às agendas de mobilização nacional, vemos datas construídas desde as direções das correntes estudantis, com muito pouca discussão de base e de fato muito pouca mobilização, onde é mais importante fazer a propaganda visual da própria corrente do que obter qualquer ganho ou avanço na luta.

O que poderia ser uma oportunidade para uma boa demonstração de força acaba sendo um mero instrumento de agitação política, pouco efetiva e em que participam um número reduzido de pessoas na sua maioria militantes das próprias organizações políticas que convocam a mobilização, repetindo os mesmos slogans, trajetos e estilos de sempre, com um tamanho de pautas que tentam englobar o mundo inteiro, tornando as manifestações tão confusas, desinteressantes, sempre iguais e pouco efetivas, que acaba afastando e não atraindo os e as estudantes.

Sabendo da importância que uma data de luta nacional tem para colocar na pauta do país temas de interesse dos oprimidos, participaremos das agendas locais de luta na medida de nossas possibilidades e sem nos isentarmos de uma avaliação crítica e propositiva sobre as mesmas. Pois para nós anarquistas da CAB, vale muito o como se faz e se o que fazemos permite acumulação de forças para a construção do Poder Popular!

Em uma conjuntura de acirramento dos conflitos e de mobilização pelas demandas dos de baixo, estaremos nas ruas, nas escolas e nas universidades com nosso estilo militante e com nossa prática conseqüente de unir o disperso e organizar o desorganizado!

Em defesa de uma educação 100% pública, popular e participativa, luta solidária entre estudantes, trabalhadores da educação e todos os de baixo!
Dia 26 de março: dia de luta nacional!
Dia 28 de março: dia de memória à Edson Luís!
Construir um povo forte!!!

GT Estudantil da CAB

cab

[CAMPO MOURÃO] 3º ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS (GEL) – UTFPR – NA PRÓXIMA TERÇA (11/11/2014)!

Teoria e Ideologia

Na próxima terça-feira, 11 de novembro, o CALC articulará o terceiro encontro do Grupo de Estudo Libertários (GEL) UTFPR na cidade de Campo Mourão! Faremos o GEL na Sala do DCE da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), às 17:30.

Este encontro tem como objetivo inicial diferenciar os conceitos de teoria e ideologia, que para nossa corrente são distintos. Após essa distinção, introduziremos a noção de ideologia anarquista, bem como a(s) teoria(s) anarquistas. Então, estabeleceremos a relação direta entre teoria e ideologia.

– Teoria e Ideologia – Revista Socialismo Libertário nº2

Baixe aqui: GEL lll

capa_peq_2.jpg

Evento no Facebook:                       https://www.facebook.com/events/376373089188816/

Para mais informações sobre os textos e temas que discutiremos durante o ano, visite:             https://coletivoanarquistalutadeclasse.wordpress.com/grupos-de-estudos-libertarios/

Venha participar!

gel

[CAMPO MOURÃO] 2º ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS (GEL) – UTFPR – NA PRÓXIMA TERÇA (14/10/2014)!

Anarquismo Social x Anarquismo como Estilo de Vida

Na próxima terça-feira, 14 de outubro, o CALC articulará o segundo encontro do Grupo de Estudo Libertários (GEL) UTFPR na cidade de Campo Mourão! Faremos o GEL na Sala do DCE da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), às 17:30.

A ideia deste encontro é discutirmos o anarquismo nos marcos dos movimentos classistas/massas, em contraposição a uma expressão “cultural” do anarquismo no presente, o “anarquismo como estilo de vida”. O objetivo é recuperar o anarquismo como ideologia e “fermento” das classes exploradas nos processos de transformação social.

– Anarquismo Social – Federação Anarquista do Rio de Janeiro

-Anarquismo social ou anarquismo de estilo de vida – Murray Bookchin

Baixe aqui: CEL encontro II

Evento no Facebook:                https://www.facebook.com/events/691370960962021/

Para mais informações sobre os textos e temas que discutiremos durante o ano, visite:               https://coletivoanarquistalutadeclasse.wordpress.com/grupos-de-estudos-libertarios/

Venha participar!

gel

[CAMPO MOURÃO] 1º ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS (GEL) – UTFPR – NA PRÓXIMA TERÇA (30/09/2014)!

O que é Anarquismo?

A partir da próxima terça-feira, 30 de setembro, o CALC começará um novo Grupo de Estudo Libertários (GEL) na cidade de Campo Mourão! Faremos o GEL na Sala do DCE da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), às 17:30.

Neste primeiro encontro buscamos apresentar qual são nossos objetivos e a dinâmica que pensamos para o grupo de estudos durante o ano. Além disso, a partir da discussão baseada nos textos e nesta primeira temática, “O que é o Anarquismo”, pretendemos dar um panorama geral sobre quais princípios, ideias e conceitos são fundamentais ao anarquismo e discutir um pouco sobre como esta ideologia se formou e esteve presente na história.

O que é Anarquismo? – Nicolas Walter

Anarquismo e Anarquia – Errico Malatesta

Baixe aqui: CEL – O QUE É ANARQUISMO – ENCONTRO I

Evento no Facebook:  https://www.facebook.com/events/289970614531230/

Para mais informações sobre os textos e temas que discutiremos durante o ano, visite: https://coletivoanarquistalutadeclasse.wordpress.com/grupos-de-estudos-libertarios/

Venha participar!

gel