Arquivo da tag: jornada de trabalho

100 anos da Greve Geral de 1917

Texto retirado do Jornal NO BATENTE 7

No ano em que comemoramos 100 anos de um dos mais emblemáticos episódios de luta da classe oprimida no Brasil também sofremos a perda de vários direitos conquistados naquele período. Por isso é necessário rever seus acontecimentos e utilizar da experiência acumulada para fermentar as lutas que travamos hoje e no futuro.

Contexto histórico

Eram tempos difíceis. Entre 1914 e 1917 o Brasil passou a ser um grande exportador de matéria prima e mercadorias devido à 1ª Guerra Mundial. Com o aumento da demanda na indústria e para obter altos lucros os empresários condenavam as trabalhadoras e trabalhadores a jornadas de trabalho de até 16 horas por dia, incluindo os domingos até o meio-dia, com salários de miséria. Os filhos dos operários de cinco a oito anos também trabalhavam nas fábricas, sofriam com mutilações nas máquinas e com jornadas noturnas.

Nesse cenário começaram a surgir ligas de trabalhadores e sindicatos, em grande parte vinculada a centros culturais e ateneus de presença e influência anarquista. A Greve Geral não aconteceu de forma espontânea, foi fruto de longo período de preparação e auto-organização, partindo dos acúmulos da grande greve de 1903. A pauta da Greve Geral apareceu no 1º Congresso Operário Brasileiro em 1906 e no 2º Congresso em 1913.

As reivindicações eram estabelecidas de acordo com as necessidades econômicas e a organização dos trabalhadores funcionava por meio de assembleias, construindo as decisões de baixo para cima, sem burocracia sindical e com muita solidariedade. Para atrair mais gente e formar quem estava na luta eram feitos centros de cultura, bibliotecas populares, festivais, peças teatrais e jornais.

Naquele período milhares de trabalhadoras e trabalhadores eram anarquistas e o sindicalismo revolucionário era a estratégia sindical mais forte. A primeira Central Sindical Brasileira, a COB (Confederação Operária Brasileira), foi fundada em 1906 e era hegemonicamente Sindicalista Revolucionária.

A Greve Geral no Brasil

A partir de maio de 1917 começam a surgir greves e em junho estouro uma greve das trabalhadoras da indústria têxtil, em São Paulo. O crescimento do movimento grevista provocou o combate entre operários e policiais, causando a morte do sapateiro anarquista José Martinez, o que se tornou a fagulha para iniciar a Greve Geral. A luta, que era mais especificamente por condições no local de trabalho, logo se espalhou para outras categorias e estados. Logo mais de 100 mil pessoas participavam e greve ganhou pautas mais gerais.

As vitórias do movimento foram: 8 horas de trabalho (na maioria das categorias), melhores condições de trabalho, aumento em 20% nos salários, não demissão dos grevistas, proibição do trabalho infantil, libertação dos presos durante a greve e defesa dos direitos das mulheres (que sofriam violência dos patrões e contra-mestres).

A Greve Geral no Paraná

Trabalhadoras e trabalhadores paranaenses foram delegados nos Congressos Operários Brasileiros que antecederam a greve e também organizaram um congresso estadual.

Em Curitiba, desde o início do século XX, já havia a presença de entidades como a Federação Operária Paranaense e a Liga dos Sapateiros de Curitiba, que eram importantes espaços de organização da classe trabalhadora. Em julho de 1917 explodiu a greve na cidade, marcada pela Ação Direta: trabalhadores cortaram a energia elétrica na cidade e derrubaram pontes para evitar a passagem de veículos e mercadorias. A repressão resultou em prisões, desaparecimentos e a tentativa, por parte do governo e dos empresários, de apagar qualquer vestígio que provasse a existência da Greve, porém, a classe oprimida venceu.

Lições para o presente

Passados 100 anos a Greve Geral segue sendo exemplo de luta e organização. Seu marcante caráter de base, calcado na solidariedade e na ação direta garantiram que hoje tivéssemos os direitos que agora estão sendo severamente atacados.

Que possamos nos inspirar na luta histórica das trabalhadoras e trabalhadores por uma sociedade livre, justa, solidária e igualitária, fazendo frente aos muitos ataques que sofremos no presente.

Não está morto quem peleia!
Viva a Greve Geral de 1917!
Viva o Sindicalismo Revolucionário!

Anúncios

[FAG] O lugar das greves na experiência histórica da classe trabalhadora

Retirado de: http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=1139

Publicado originalmente em:  http://www.passapalavra.info/2015/06/104862

É a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social. Por Edgard Silva*

Caminho áspero e penoso, mas único. Trabalhos, dores, duras batalhas até ao fato inicial, a destruição dos privilégios políticos e econômicos da burguesia; penosos esforços e árdua labuta depois, na laboriosa edificação de um mundo novo, e na luta constante contra os germens de uma possível degeneração.
Neno Vasco

greve_17Ao longo de sua história, a classe trabalhadora desenvolveu e aperfeiçoou inúmeros métodos de luta e organização para fazer frente aos desmandos dos patrões e do Estado. Marchas e demonstrações públicas, obstrução de vias públicas, ocupação de locais públicos ou privados, greves, dentre diversas outras criações imaginárias e autônomas que constituem uma trajetória de sonhos, esperanças, conquistas, vitórias e também de derrotas, de perdas de inestimáveis companheiros.

Entre todos estes métodos, a greve historicamente se destacou por seu peculiar dinamismo e capacidade de marcar uma ofensiva dos trabalhadores aos seus algozes. Por melhores salários e, sobretudo, por melhores condições de trabalho, especialmente pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários, a classe trabalhadora desenvolveu uma rica experiência histórica que deve ser recorrida e resguardada por todos aqueles que acreditam na necessidade de sua emancipação do jugo dos opressores. Sob a bandeira de 8 horas de trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso, a classe trabalhadora vivenciou suas mais memoráveis batalhas.

O criativo dinamismo que proporciona a greve é, sobretudo, sua capacidade de exigir da classe trabalhadora uma ação em conjunto, solidária e que seja capaz de se articular através de diversos métodos. Na greve temos a oportunidade de assumir nosso destino pelas nossas próprias mãos, sem confiá-lo aos “chefes” de turno, aos espíritos avarentos das estruturas de poder do Estado, das patronais e seus instrumentos de propaganda ideológica e produção de consensos: os grandes meios de comunicação. É no momento em que os trabalhadores param que, pela primeira vez, estes mesmos espíritos avarentos se dão conta de que sem o nosso suor podem ser reduzidos a sua insignificância histórica. Por isso sua fúria, sua ira descontrolada que procura nos atacar, intimidar e assediar das formas mais covardes e vis possíveis. Em linhas gerais, se encontram desesperados por verem as bases de seu velho mundo desrespeitadas. Nas greves os trabalhadores têm a oportunidade de deixar o rei nu!

A importância dos métodos de luta e organização

Todavia, as greves também são momentos em que nos deparamos com as limitações e as “misérias” que também habitam a classe. Na greve temos também de lidar com nossos colegas inseguros, seja por espírito vacilante, seja por excesso de assédios, abusos e falta de uma maior solidariedade do conjunto de seus companheiros de classe para com a sua situação.

Além disso, não raramente, também há de se lidar com aqueles que, oriundos da classe trabalhadora, ao galgar postos em suas organizações, vão aburguesando seu espírito, adquirindo hábitos de verdadeiros “xerifes” do destino das reivindicações e anseios dos trabalhadores. Adquirindo privilégios econômicos ou não, a sedução que proporciona, o prestígio e a fama quando tocada em lideranças que condicionam suas ambições às suas próprias carreiras pessoais em detrimento de um projeto histórico, coletivo, de empoderamento e emancipação do vasto mundo dos de baixo, tende a criar profundas chagas em meio às lutas e organizações de classe. Desorganiza, despolitiza, desmoraliza; canaliza o caminho das lutas à gestão de seu pequeno grupo de confiança, ambicioso por manter-se ad eternum em seu posto de privilégio.Braços Cruzados

Prepara o caminho para a pior de todas as derrotas, aquela que nos desmoraliza: a derrota sem luta, no covarde e permanente recuo. É por este caminho, a partir do desenvolvimento de valores ideológicos, de sentimentos, perspectivas e horizontes que vai se desenvolvendo aquilo que conhecemos, tristemente, enquanto burocracia sindical e/ou partido.

Reagir ao desenvolvimento deste trágico fenômeno é, portanto, um caminho determinante àqueles que não titubeiam em destinar todas as suas energias à busca de um novo porvir, de justiça e igualdade, de socialismo e liberdade. Não se reage a esse fenômeno, portanto, sem o desenvolvimento da maior atividade possível para que o conjunto dos trabalhadores tomem em suas próprias mãos este projeto histórico. Que pensem e caminhem com suas próprias pernas à essa busca criativa. É, portanto, a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social, capaz de sepultar a injusta e odiosa sociedade que conhecemos. Embora toda sociabilidade humana seja marcada, em determinado grau, por relações de poder e “autoridade”, essa busca não passa pela atividade de chefes, sob pena de nascer intoxicada e, portanto, condicionada à morte mais ou menos lenta.

greveDaí resulta a implacável necessidade de sermos rigorosos com nossos métodos de luta e organização muito mais do que o somos em relação à administração e conduta das necessárias “negociações” que, ainda que contra nossa vontade, somos levados a ter com nossos algozes. Todo conflito termina com algum lado “negociando e cedendo”, a não ser que esteja posta a possibilidade de um aniquilamento estratégico de alguma das classes em pugna. Negar (ou insinuar que se esteja negando) a necessidade de negociação sem a perspectiva de uma vitória estratégica em nosso objetivo finalista é um tanto absurdo e sugeri-la não passa de devaneio ou, o que é mais recorrente, um artifício retórico para indicar que a força da classe trabalhadora reside não em sua capacidade de se colocar em movimento, golpeando de forma altiva seus algozes, mas sim na habilidade e no carisma de um pequeno grupo capaz de administrar a situação, de negociar de forma “consequente e responsável” as demandas coletivas, evitando assim toda sorte de “descontroles”, de uma explosão catártica de revolta daqueles que julgam controlar.

É com o brio de nossos métodos de luta e organização que somos capazes de impor medidas de força que sejam capazes de dobrar nossos inimigos e não apresentar ardilosas medidas que ingenuamente podem ser vistas como um recuo dos patrões e governos, quando do que se trata é de um sagaz movimento que vai para trás, para frente e para os lados, em suma, que nos convida a bailar em sua própria festa.

Com a força das ocupações, dos trancaços, piquetes e barricadas que encontramos a divisão crível para a devida definição de quem são nossos companheiros, nossos camaradas. São nestes métodos que residem a têmpera e a fibra de nossas greves e lutas, onde pulsa a forja de um porvir de socialismo e liberdade tal como se fortalecem os antídotos para as degenerações burocráticas que seguem pairando como trágica sombra obscura que conspira contra a derradeira vitória de nossa classe.

*Edgard Silva, militante da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e Resistência Popular.