Arquivo da tag: minas gerais

[CAB] 28 de Abril: Greve Geral nacional e a demonstração de força da classe oprimida

https://anarquismo.noblogs.org/?p=735

Ontem, 28 de abril de 2017, foi um dia de grande importância para a luta da classe oprimida do país. A resistência frente às políticas de ajuste fiscal e de corte nos direitos representado pelas reformas da previdência e trabalhista se fez sentir em todos os estados e em milhares de cidades brasileiras. Paralisações, piquetes, bloqueio de vias públicas e rodovias estaduais e federais com pneus em chamas, marchas unitárias e enfrentamentos com as forças da repressão deram o tom das mobilizações.


Participaram estudantes do ensino básico e superior, professores municipais, estaduais e federais, trabalhadores do transporte (rodoviários, metroviários), metalúrgicos, trabalhadores da saúde, limpeza e municipários em geral, trabalhadores da construção civil, comerciários, bancários, trabalhadores dos correios, indígenas, lutadores sem teto e sem terra, moradores de periferias e uma série de outros segmentos dos de baixo. Informações dão conta de que a greve geral de hoje contou com uma importante participação de setores do operariado em regiões como ABC paulista, Curitiba, Manaus e Belo Horizonte. A seu modo, cada segmento da nossa classe contribuiu com uma semente de luta e ação direta na jornada de luta do dia de hoje.

O dia não passou sem confrontos. As polícias militares de vários estados agiram com truculência reprimindo as iniciativas de mobilização. Foi assim em SP onde houve detenções de lutadores do MTST e repressão; no RJ onde a repressão brutal caiu com força sobre os manifestantes na saída da mobilização em frente à Assembleia Legislativa do RJ (ALERJ) e em outras partes do centro da cidade; no RS em que a Brigada Militar dispersou com bombas de gás piquetes em garagens de ônibus e em vias públicas ou com a agressão da guarda municipal de Porto Alegre contra colegas municipários que trancavam a entrada da prefeitura.

Michel Temer se pronunciou de forma breve apenas no final do dia. Criticou o trancamento das vias públicas e disse que a “modernização” do país seguirá, fazendo pouco caso da luta de hoje. Seu Ministro da Justiça, Osmar Serraglio, foi além e disse que a greve geral teria sido um fracasso, ignorando, assim como a grande mídia, a envergadura do conjunto de mobilizações a nível nacional. Mídia essa que segue martelando a necessidade das reformas e mentindo descaradamente sobre seu conteúdo.

Sabemos dos limites do conjunto do movimento sindical, do papel nefasto cumprido pelas burocracias sindicais na desorganização da nossa classe, mas apostamos em dias como o de hoje para nos colocarmos em movimento, experimentando a solidariedade e a ação direta de forma concreta e plantando sementes de Poder Popular. No RS, SC, PR, MT, SP, RJ, MG, AL, PA e CE a militância das Organizações da CAB tomou seu posto de luta em cada frente social e iniciativa direta dos e das de baixo que pudemos participar. A Greve Geral do dia 28, sabemos, ainda não é a reposta a altura e merecida dos governos e patrões na atual correlação de poder. Mas foi uma demonstração inegável do poder e da capacidade da classe oprimida em colocar um freio na sanha dos capitalistas e seus lacaios. É na luta e na ação direta que se cria Poder Popular e Rebeldia!

Rumo a um 1º de Maio de Memória, Luta e Resistência!
Contra o ajuste e a repressão, Luta e Organização!
Coordenação Anarquista Brasileira – CAB

[CAB] Declaração do II Encontro Regional Centro Oeste/Sudeste da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

Retirado de: http://anarquismo.noblogs.org/?p=332

Nos dias 10, 11 e 12 de outubro, foi realizado, em Belo Horizonte (MG), o segundo encontro da Regional Centro-Sudeste da CAB, contando com a presença das organizações Rusga Libertária (Mato Grosso), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Organização Anarquista Socialismo Libertário (São Paulo) e o Coletivo Mineiro Popular Anarquista (Minas Gerais).

O encontro teve como objetivo estreitar nossa relação regional, aprofundando em termos organizativos, formativos e práticos, servindo como um espaço de análise de conjuntura, de formação e levantamento de perspectivas para que as nossas lutas caminhem juntas em um mesmo rumo organizativo e combativo.

Estamos em uma conjuntura de maiores ataques aos oprimidos e oprimidas, ataques oriundos – historicamente – do Estado contra a classe trabalhadora, contra as mulheres e povos originários, ao mesmo passo em que amargamos uma crise econômica que, como todas as crises do sistema capitalista, gerida pelo governo de turno (PT/PMDB), atinge somente aos de baixo. A criminalização e perseguição aos movimentos sociais continuam em curso, com a tentativa do Estado de calar aquelas e aqueles que lutam.

Por esse momento exigir maior organização e determinação na luta, entendemos que nosso encontro teve um papel destacado na articulação e fortalecimento de nossas organizações, tanto em seus respectivos estados quanto em nível regional. A articulação de nossa militância em diversas frentes de luta (comunitária, estudantil e sindical), assim como o aprofundamento do debate de gênero e variadas formas de opressões, é fundamental para a ação anarquista.

Dessa forma, concluímos o encontro com a sensação de termos avançado em pontos fundamentais para a nossa militância, mas ainda com muito trabalho a ser feito. A tarefa é árdua e exige um trabalho prolongado, alinhado tanto regional quanto nacionalmente, que é o que a CAB vem humildemente construindo. Após o III encontro da Regional Sul no meio deste ano, a recente fundação da FARPA (Federação Anarquista do Palmares / AL) e a realização do I Encontro NO/NE da CAB no mesmo momento em que realizávamos nosso encontro regional CO/SE, visualizamos nosso encontro como mais um resultado positivo do trabalho que viemos realizando de forma coordenada no âmbito nacional.

É na firmeza de nossos princípios ideológicos que vamos caminhando com passos firmes, modestos e radicalizados nas trincheiras da luta popular em que estamos/estaremos inseridos, é na prática constante da crítica e autocrítica que avançamos na construção de um Povo Forte e com perspectivas reais da construção do Poder Popular e do Socialismo Libertário!

Desde Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, seguimos na luta.

Viva o Anarquismo Organizado!

Viva a Coordenação Anarquista Brasileira!

Não tá Morto Quem Peleia. Organizar, Lutar, Criar o Poder Popular!

Rusga Libertária
Federação Anarquista do Rio de Janeiro / FARJ
Organização Anarquista Socialismo Libertário / OASL
Coletivo Mineiro Popular Anarquista / COMPA

logo_cab

[CAB] Toda solidariedade à luta das 8 mil famílias das Ocupações da Izidora (MG)!

Retirado de: http://anarquismo.noblogs.org/?p=235

Acompanhamos o drama das 8 mil famílias das três ocupações da Região da Izidora (Rosa Leão, Esperança e Vitória) em Belo Horizonte, Minas Gerais. Manifestamos toda solidariedade à luta dessas famílias e repúdio à forma como o governo Pimentel (PT) está tratando o caso, com cinismo, repressão e terror psicológico.

A luta destas milhares de famílias é em defesa de um direito básico que deveria ser assegurado pelo próprio Estado que hoje criminaliza, reprime e despeja. Em Belo Horizonte o déficit habitacional ultrapassa a casa das 70 mil famílias sem teto. Em Minas Gerais, o déficit chega a 6 milhões. É por conta desta dura realidade, somada ao fator da especulação imobiliária que faz com que o povo pobre seja expulso das proximidades da região central para as margens, que surgem as inúmeras ocupações urbanas.

São inúmeros os lotes vazios, os terrenos devolutos e entregues às moscas da especulação na capital de Minas Gerais, enquanto milhares de trabalhadoras e trabalhadores vivem a penosa realidade do aluguel, de morar de favor, ou de simplesmente não ter um teto para abrigar sua família. Este contraste aponta, inevitável e justamente, para o surgimento de ocupações urbanas, que dão vida e função social para lotes que anteriormente serviam para a especulação e até mesmo para desova de cadáveres, estupros, etc. As ocupações urbanas são exemplos práticos de ação direta do povo organizado que faz valer seu direito que é furtado pelo Capital, pelo Estado e pela (in)Justiça.

Não é diferente com as ocupações da Izidora. A luta das famílias das ocupações coloca de um lado o direito que o povo tem de morar dignamente e de outro a ambição pelo lucro de construtoras e demais especuladores. Enquanto as famílias querem apenas um teto, a Construtora Direcional quer garantir o seu lucro de 15 bilhões com as construções que foram planejadas para o local. Neste embate, o governo Pimentel, a prefeitura de Márcio Lacerda, e o Tribunal de Justiça compraram o lado dos ricos e exploradores.

Somamos nossa voz às vozes de NÃO AO DESPEJO diante da possibilidade de o governador petista Fernando Pimentel promover um verdadeiro banho de sangue no norte de Belo Horizonte. É claro e evidente que um massacre está anunciado, de mesmo tamanho ou até maior do que houve com Pinheirinho, em São Paulo, em 2012. Isso porque a questão da Izidora, pelo tamanho dos terrenos, pela quantidade de famílias e pela disposição destas famílias de resistir ao despejo, é tida como o maior conflito fundiário urbano atualmente no país. Desta forma, o governador que alfinetou Beto Richa, governador do Paraná (PSDB), pelo massacre cometido contra os servidores públicos em 29 de abril deste ano, promoverá um atentado à vida de milhares de trabalhadoras e trabalhadores tão grande quanto o cometido pelo tucano em Curitiba.

Por isso, reafirmamos nossa posição em defesa da luta destas famílias, nos integramos à rede de solidariedade Resiste Izidora e reiteramos que se não for pela união popular, a organização de base e a solidariedade de classe, nossos direitos serão tratorados e, junto com eles, as nossas casas, a nossa dignidade, nossos sonhos e as nossas vidas.

 

Despejo Zero!

Resiste Izidora!

Somos todxs Izidora!

Com Luta, com Garra, a casa sai na Marra!

logo_cab

[COMPA] Seminário Bakunin: Crítica Social e Estratégia Revolucionária

Seminário Bakunin: Crítica Social e Estratégia Revolucionária

Em ocasião do 200º aniversário de Mikhail Bakunin (30 de maio), o COMPA convida para o Seminário Bakunin: Crítica Social e Estratégia Revolucionária, que será realizado no dia 31 de maio em Belo Horizonte.

A mesa será composta pelo companheiro Felipe Corrêa, militante da OASL-CAB (Organização Anarquista Socialismo Libertário – Coordenação Anarquista Brasileira) e integrante do ITHA (Instituto de Teoria e História Anarquista), e será dividia em três eixos:

– Vida e Obra (trajetória de lutas e contribuição teórica)

– Crítica Social (análise do capitalismo, do Estado e das classes sociais)

– Estratégia Revolucionária (Dualismo organizacional, linha política de massas, processo revolucionário e sociedade futura)

O Seminário acontecerá das 14h às 20h, no Espaço Fôlego Cultural, que fica na Rua da Bahia 1176, Centro, no quarteirão do Ed. Maletta. A alimentação será garantida a preços populares por cooperativas veganas companheiras. O cultural comes e bebes será às 20:30, no Bar do Olympio, 2º andar do Ed. Maletta.

A entrada é franca, mas contribuições voluntárias são bem-vindas. Lotação para 50 pessoas.

Mais info: compabh@riseup.nethttp://www.coletivocompa.org

Arriba lxs que luchan!
Viva os 200 anos de Bakunin!
Viva a Anarquia!

Link do Evento:

https://www.facebook.com/events/840901879257282

[COMPA] Saudação aos 10 anos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro

Camaradas de luta anarquista,
É com muito entusiasmo e alegria que o COMPA saúda os 10 anos de vida e luta da Federação Anarquista do Rio de Janeiro.
Em verdade foram décadas de acúmulo, esforço e dedicação de uma militância anarquista na capital fluminense que se resultaram em sua fundação no dia 20 de agosto de 2003. Fruto de um resgate fundamental do anarquismo de luta de classes de Ideal Peres, Fábio Luz, José Oiticica e outr@s companheir@s, a FARJ hoje tem uma importância elementar na história do anarquismo do Brasil, desde seus primeiros passos nos primeiros anos de sua fundação, passando por seu constante amadurecimento político e estratégico que se consolidaram em seu Primeiro Congresso, até os atuais avanços históricos para o anarquismo em seu estado e no Brasil, com o fortalecimento do Fórum do Anarquismo Organizado e a fundação da Coordenação Anarquista Brasileira.
Sem o comprometimento e a responsabilidade histórica com o anarquismo nos quais sua militância se estabelece, muitas dessas conquistas talvez estariam mais distantes de serem alcançadas. A FARJ carrega em sua identidade a seriedade, ética e humildade que traduzem primorosamente os princípios do anarquismo e que lhe dão a coerência necessária para caminhar punho ao alto no caminho da luta popular, braços dados às demais lutadoras e lutadores do povo, entre os quais ela se constrói, se fundamenta e se faz legítima, sempre pela base, em direção ao Socialismo Libertário.
A FARJ ocupa ainda uma posição mais importante para o COMPA. O surgimento do debate em Belo Horizonte em torno da organização anarquista e do especifismo se deu por uma admiração, proximidade e inspiração política na FARJ e em sua rica contribuição teórica para o anarquismo. Além de sua militância social e de sua influência anarquista nas lutas da cidade do Rio de Janeiro, sua importância para o anarquismo a nível nacional se faz na construção do anarquismo organizado na CAB e no que ela representa para as demais organizações que estão começando a se construir.
Portanto, saudamos com muita estima o décimo aniversário da FARJ, prestando estas humildes homenagens à nossa companheira de luta e à sua dedicação ímpar em construir o anarquismo e lutar pelo Socialismo Libertário.
Liberdade, Vida e muita Garra ao Tiê-Sangue do Anarquismo!
Que ele alce voos altos e gloriosos rumo ao horizonte que se desmancha na Alvorada da Revolução Social!
Anarquismo é Luta!

[COMPA] As ocupações da Câmara e da Prefeitura e a necessidade de Ação-Direta, Autonomia e Independência Política

Coletivo Mineiro Popular Anarquista
Agosto 2013

 

Manifestações mobilizaram mais de 100 mil na capital

Se junho foi o mês das gigantes manifestações de 100 mil em Belo Horizonte, julho foi o mês das combativas ocupações das sedes do governo municipal. Colocando frente a frente os meses de junho e de julho em um debate político, podemos extrair algumas reflexões importantes que evidenciam pontos e princípios táticos necessários para a luta popular.

No dia 29 de junho estava marcada uma sessão na Câmara Municipal para votar o projeto do prefeito Márcio Lacerda que previa a redução da tarifa do ônibus municipal em R$0,05, partindo de mais uma isenção de imposto (ISS) para a máfia das empresas de transporte coletivo da capital. O fato da sessão ter sido às 07:30h da manhã de um sábado para tentar desmobilizar qualquer ação não impediu que centenas de pessoas estivessem presentes na sede do legislativo. O povo se concentrou em frente à portaria da Câmara e foi barrado de forma violenta e arbitrária de entrar na casa. Resultado: projeto votado e aprovado às pressas. Logo após, fuga de todos os vereadores e enfim uma efetiva e massiva ocupação da Câmara.
Câmara Municipal ocupada: ação-direta pelo transporte!
Foram 9 dias de ocupação com uma pauta específica e clara: reunião com o prefeito para tratar do assunto do transporte coletivo de Belo Horizonte. Apesar das tentativas da prefeitura em nos ludibriar, nos enviando “garotos de recado” do prefeito para reuniões nada encaminhativas, a Câmara permaneceu ocupada até que a reunião com o chefe do executivo, o prefeito Márcio Lacerda, fosse realizada. E foi. Através da luta popular forçamos o recuo da intransigência da prefeitura, exigindo e conquistando a reunião com o prefeito; forçamo-lo a reduzir R$0,15 da tarifa – que diz respeito à isenção do PIS/COFINS para as empresas de transporte coletivo por parte do governo federal, o que até então se convertia num lucro ainda mais absurdo à oligarquia do transporte; iniciamos uma vigília e reivindicação mais incisivas e presentes na sociedade em relação à abertura dos obscuros contratos e planilhas da prefeitura e BHTrans com as empresas de transporte; fortalecemos a pauta do passe-livre estudantil e inicializamos o debate sobre tarifa zero na capital. Desocupamos, então, o legislativo, com conquistas importantes e históricas para a cidade, em um domingo que concentrou milhares de pessoas numa atividade cultural politizada que ocupou a região do Viaduto Santa Tereza.O avanço na pauta do transporte e mobilidade urbana aqueceu mais ainda a militância e as expectativas dos movimentos sociais e da luta de BH num modo geral. Foi preciso apenas um mês após a Ocupação da Câmara para que no dia 29 de julho a Prefeitura de Belo Horizonte fosse ocupada de forma inédita por centenas de pessoas, tanto dentro como fora do prédio. Dandara, Eliana Silva, Camilo Torres, Irmã Dhoroty, Ziláh Spósito, Nara Leão, Cafezal e outras comunidades e ocupações urbanas da cidade, em conjunto com os movimentos sociais, organizações, entidades e coletivos populares, resolveram tomar de assalto mais uma vez a agenda intransigente do prefeito Márcio Lacerda. Bastou dois dias de ocupação da prefeitura, da Av. Afonso Pena e da rua Goiás (onde se localizam as duas entradas/saídas do prédio), para que o prefeito fosse forçado a atender as reivindicações populares.

 

Prefeitura ocupada: ação-direta pela moradia!

 

Nessa pauta referente à moradia e reforma urbana a conquista foi ainda maior: suspensão dos mandatos de despejo das ocupações, criação de uma comissão para tratar desse assunto com membros das ocupações, prefeitura, técnicos e outros órgãos, além de reconhecimento das ocupações como áreas especiais de interesse social, o que abre caminho para a regularização das comunidades. A desocupação da prefeitura de uma das maiores cidades do país, quando as companheiras e companheiros que passaram a noite no prédio com fome, sede, frio, sob ameaça da Tropa de Choque e da Guarda Municipal foram recebidas/os calorosamente pelas/os que estavam do lado de fora, foi sem dúvidas emocionante e histórica.
Foi definitivamente um mês difícil para as elites dominantes. As oligarquias empresariais da cidade, principalmente a máfia dos transportes e a da especulação imobiliária perderam algumas regalias que há tanto gozavam. O prefeito, que não gosta de pobre, teve que sentar, ouvir e atender reivindicações dessa gente que ele detesta. A Câmara criou uma comissão especial para tratar de estratégias que impeçam novas ocupações. A PM nada pôde fazer, a não ser ouvir calada as palavras de ordem contra a repressão.
Ação-direta para derrubar as injustiças!
 Essas conquistas nos chamam à reflexão acerca do perfil tático e político de luta para a continuidade das jornadas já em curso e as próximas a serem tramadas. A necessidade de se alinhar em pautas específicas e potencializar nossas forças em torno dessa determinada pauta é imprescindível. Por isso que, nas manifestações de junho, quando a mídia despejou pautas vazias e gritos despolitizados nas mobilizações, não obtivemos avanços e vitórias satisfatórias como obtivemos no mês posterior, com uma mobilização bem menor em termos quantitativos. A pauta que deu início às manifestações de junho, que era de transporte, se esvaiu e perdemos a barganha política poderosíssima que tínhamos em mãos para alcançarmos êxitos e vitórias maiores ainda das que alcançamos nesse mês de julho. 100 mil pessoas nas ruas pela tarifa zero é definitivamente um terror, um pesadelo para as elites que dirigem a economia e o Estado, ainda mais 100 mil pessoas em atos radicalizados como foram os que se passaram.
Outro ponto importante a ser ressaltado é a necessidade de ação-direta para as conquistas de nossas bandeiras. Os atos do dia 11 de julho evidenciaram a queda vertiginosa, ano após ano, da representatividade dos sindicatos oficiais, pelegos e governistas e sua nula possibilidade de transformação social a partir da luta política, o que na realidade já se mostra bem claro há algum tempo. Isso se dá justamente por suas alianças com o patronal e o Estado e sua direção aparelhada por partidos eleitoreiros e governistas. O modelo de sindicato vigente já deixou pra trás há tempos o seu perfil reformista para se estabelecer como uma estrutura reacionária, a serviço dos interesses empresariais e do governo. E não só os sindicatos: muitos movimentos sociais seguiram e seguem esse rumo. Nesse sentido, reforça-se a necessidade de fortalecer os espaços, movimentos sociais e novas articulações sindicais que se organizam de modo autônomo, radicalizado e combativo em relação aos nossos inimigos de classe, distantes dos oficiais, oportunistas e capitalistas.
A ação-direta é o oprimido em confronto direto com seu opressor, no sentido político, econômico ou moral, sem intermédio de instituições ou entidades autoritárias, aparelhadas ou meramente reformistas. É a reação ao ataque do capital e do Estado por parte exclusiva do atacado. É a ação-direta, portanto, que deve ser a ferramenta permanente de luta da classe dos oprimidos para arrancar suas conquistas das rédeas capitalistas de nossos opressores. É na ação-direta, na solidariedade de classe no enfrentamento político sem amarras e oportunismo que temos condições de caminharmos em frente no nosso caminho de lutas, criando um povo forte rumo à revolução social.Desse modo, saudamos nossa garra, nosso suor, nossa dedicação e determinação nesse mês vitorioso de julho e reforçamos a necessidade de continuarmos a todo vapor em nossa luta pela via autônoma e combativa. Enfrentamento, disposição e ação-direta são palavras de ordem necessárias para as nossas próximas conquistas.
Poder!
Poder para o povo!
E o poder do povo vai fazer um mundo novo!

[COMPA] Nota de repúdio aos trotes racistas na FDUFMG

Publicamos nesta data, nossa nota pública de repúdio ao trote ocorrido na FADFMG, na última sexta-feira, dia 15 de março, e seu conteúdo inaceitável.
A “NOVA ANTIGA” DIREITA: O CONSERVADORISMO E  O NAZI-FASCISMO TRADICIONAIS E SUAS MÁSCARAS DO SÉCULO XXI
Com atitudes indiretas, brincadeiras “despretensiosas” e mascaradas, amparada em falsos discursos de “liberdade de expressão” e da máxima “tudo pelo humor”, a direita reproduz sua ideologia e estreita seus laços. É na brincadeira e no discurso contra o “politicamente correto” (termo forjado pela direita para desqualificar pessoas que optam por uma postura ética diante dos problemas sociais) que se dissemina grande parte do pensamento conservador e preconceituoso da atualidade. É sob o enorme guarda chuva do “humor” que se esconde o processo de naturalização do racismo, do machismo e da homofobia, tão presentes em nossa sociedade.
No dia 18 de março de 2013, foram divulgadas na internet duas fotos de trotes ocorridos dentro do prédio da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Na primeira foto, três veteranos brancos, com bigodes falsos fazendo alusão à Adolf Hitler, fazem uma saudação nazista ao lado de um calouro negro pintado de vermelho amarrado à um poste. Na segunda, há uma caloura pintada de preto, segurando uma placa com os dizeres “Caloura Chica da Silva”, acorrentada e segurada por um veterano branco que sorri.
Bastou uma busca um pouco mais detalhada no perfil do facebook de um dos estudantes que fez a saudação nazista, e pudemos constatar que ele assina páginas de orgulho branco, de figuras nazistas, de conteúdos de extrema-direita, de órgãos e figuras repressivas da atualidade, como a PMMG, a ROTA, o Coronel Telhada e que, em algumas de suas fotos, havia um emblema do Movimento Pátria Nossa Brasil (ligado ao grupo de extrema-direita integralista “Carecas do Brasil”). Temos uma constatação: um declarado nazi-fascista exerce o papel de vanguarda de suas intenções ideológicas em brincadeiras corriqueiras na universidade.
Mesmo que não houvesse um nazi-fascista infiltrado nesse quadro, a resposta a tais acontecimentos e atitudes deve ser dada de maneira categórica, por ser inaceitável que tais piadas e brincadeiras sejam tidas como normais e para que barremos a caminhada da extrema-direita. A figura de uma mulher negra, descrita com “Caloura Chica da Silva” e acorrentada por um branco é uma representação sem escrúpulos de toda uma trágica história de escravidão, opressão, racismo e sofrimento do povo negro brasileiro. A ironia e o sarcasmo são violências morais e, para nós, são como a violência física das chibatadas que nossos irmãos e irmãs negros e negras recebiam nas Fazendas de Engenho dos brancos durante as centenas de anos de escravidão no Brasil.
O povo tem memória! Em resposta às investidas da direita em destruí-la, justamente por ela ser o acúmulo de contestação, luta e conquista durante a consolidação do país e de sua história, nós afirmamos que o povo tem sim sua memória, e a reivindica sempre em suas ações. A abolição da escravatura não foi concedida por nenhuma princesa! Foi conquista de quilombolas guerreiros, de “Zumbis”, de “Dandaras”, do povo negro organizado em defesa de sua libertação e soberania cultural, social e política. Eis uma breve elucidação da memória, que jamais será destruída ou escondida como os fascistas desejam. E é em defesa dessa memória – e a partir dela – que dizemos NÃO à naturalização da violência reacionária, contra o negro, a mulher, o homossexual, o trabalhador, o desempregado, o marginalizado forçado pela sociedade segregatória e criminalizadora etc.
Nesse sentido, publicamos esta nossa nota de repúdio e algumas de nossas avaliações sobre o ocorrido, fazendo uma chamada aos estudantes, como à todo povo trabalhador, negro, mulato, pardo, às mulheres trabalhadoras, mulheres negras; que façamos combate permanente a tais manifestações que ferem nossa história, nossa memória e que seguem essa estratégia da direita de nos enfraquecer e ideologizar ocultamente os espaços sociais onde se inserem, disseminando o ódio, a intolerância e o preconceito.
A estes fascistas, repetimos em alto e bom som a palavra-de-ordem das companheiras e companheiros da Revolução Espanhola em 1936: NÃO PASSARÃO!
SOMOS TOD@S CHICAS DA SILVA!
Coletivo Mineiro Popular Anarquista
Belo Horizonte, 20 de março de 2013

[FAO] I Seminário de Formação do Fórum do Anarquismo Organizado – Região Sudeste

Retirado de:

Rio de Janeiro, 21 e 22 de janeiro de 2012

Declaração do I Seminário de Formação do Fórum do Anarquismo Organizado – Região Sudeste, realizado no Rio de Janeiro, em 21 e 22 de janeiro de 2012.

seminario_formacao_fao_sudeste.jpg

“É melhor dar um passo com mil do que mil passos com um”

O Fórum do Anarquismo Organizado (FAO) – representado por suas organizações da região Sudeste (Federação Anarquista do Rio de Janeiro / FARJ e Organização Anarquista Socialismo Libertário / OASL-SP) – coordenou, entre 21 e 22 de janeiro de 2012, o I Seminário de Formação da Região Sudeste. O seminário reuniu, nas dependências do Centro de Cultura Social do Rio de Janeiro, além da FARJ e da OASL, coletivos em processo de articulação ou aproximação com o FAO e individualidades interessadas em se organizar ou ingressar nas organizações já constituídas. Estiveram presentes militantes dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná, cumprindo um triplo objetivo: fortalecer o processo nas organizações existentes; estimular a criação de novas organizações/núcleos; integrar em um processo comum, levado a cabo no FAO, esse conjunto de indivíduos, grupos e organizações interessados na construção do anarquismo de matriz especifista no Brasil.

Estiveram presentes no evento cerca de 50 pessoas das seguintes cidades/regiões: Rio de Janeiro, Niterói, Baixada Fluminense, São Paulo (capital), Baixada Santista, Ribeirão Preto, Mogi das Cruzes, Belo Horizonte, Montes Claros, Grande Vitória, Cachoeiro de Itapemirim e Curitiba, O evento foi realizado de maneira autônoma, pela FARJ e OASL, contando com a colaboração de todos os participantes em um ambiente de apoio mútuo e solidariedade, que permitiu tanto uma infra-estrutura adequada (hospedagem, alimentação, limpeza etc.), como um elevado nível de discussão.

O evento teve início dia 21 pela da manhã, com a recepção dos participantes seguida de uma apresentação de boas-vindas, que reforçou a relevância do processo organizativo do anarquismo no Brasil contemporâneo e a necessidade do fortalecimento da Região Sudeste neste processo.

O primeiro módulo do seminário, “Teoria e História”, teve por objetivo levantar questões sobre o surgimento e o a trajetória do anarquismo, compreendido pelo FAO como uma ideologia ligada à prática política de intenção revolucionária. A partir formação da corrente libertária, discutiu-se o conceito de anarquismo e suas estratégias (formas históricas da ideologia), indo desde Proudhon e o mutualismo, até a Revolução Espanhola, passando por Bakunin, a Aliança e a Internacional; o anarco-comunismo de Kropotkin e Malatesta; a propaganda pela ação e o individualismo tático; o sindicalismo revolucionário e o anarco-sindicalismo; a Comuna de Paris, o sindicalismo no Brasil, o magonismo e a Revolução Mexicana e a Revolução Russa.

O segundo módulo, “Organicidade”, apresentou conceitos básicos da organização anarquista: o que é, quais são os objetivos, meios de atuação, função, diferença com outros modelos de organização política, documentos orgânicos (Carta de Princípios, Carta Orgânica e Programa), atividades, modelos de estrutura, frentes e secretarias, lógica dos círculos concêntricos, processo decisório, qualidades militantes. Num segundo momento, deu-se destaque à questão da Carta Orgânica, sendo apresentado um modelo de carta para que os participantes conhecessem seu conteúdo, facilitando a elaboração local de documentos desse tipo.

Depois da exibição de dois vídeos da Bucaneiro Produções, que mostram trabalhos sociais no Rio de Janeiro e São Paulo, teve início o terceiro módulo, “Trabalho Social”, visando aprofundar método do trabalho de base, para o que foram tratados os seguintes eixos: a arte do trabalho social; o sistema de dominação e sua estrutura de classes; as diferenças entre os trabalhos que são realizados pelos agentes internos (que moram/trabalham/estudam no mesmo local de trabalho social) e agentes externos (que não moram/trabalham/estudam no mesmo local de trabalho social); distintos modelos de agente, a partir das noções e diferenças entre minoria ativa e vanguarda; as melhores maneiras práticas de iniciar e aprofundar o trabalho/inserção social; questões de mística; método e educação popular etc.

A noite contou com o lançamento do livro Ideologia e Estratégia, de um companheiro do FAO, e também com a apresentação cultural dos grupos de hip-hop das periferias de São Paulo e Rio de Janeiro, Liberdade e Revolução e Us Neguin q ñ c kala, além de uma intervenção do grupo Anarcofunk de Belo Horizonte.

O segundo dia teve início com uma breve discussão de teoria e método de análise, que buscou suprir lacunas identificadas no primeiro dia. Logo em seguida, foi desenvolvida uma dinâmica de grupo com objetivo de analisar/solucionar problemas hipotéticos de militância social concreta. Além de socializar o contato e as experiências da militância presente, a dinâmica muniu os participantes de um conjunto teórico/prático capaz de permitir o aprofundamento dos trabalhos sociais em curso ou que estão para ser iniciados.

Na continuação das atividades mais práticas, FARJ e OASL apresentaram seus trabalhos sociais realizados em suas distintas frentes (movimentos sociais urbanos, MST/anarquismo e natureza, comunitária, estudantil). O evento foi finalizado com um debate que encaminhou questões organizativas e os próximos passos para o fortalecimento do FAO na região Sudeste.

Para todos os presentes, o anarquismo no Brasil, de maneira geral, e mais concretamente o caso da corrente especifista, vivencia um momento ímpar desde o fim da ditadura militar. O processo do FAO, que completa este ano uma década de existência, vem dando um salto quantitativo e qualitativo desde 2007, quando conseguimos progressivamente reunir e aproximar todo o anarquismo especifista brasileiro. A presença atual nos estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Alagoas pode ser ampliada, ainda em 2012, para Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco e Ceará. O aniversário de 10 anos do FAO será marcado por um evento sem precedentes, em que a organicidade será aprofundada e daremos mais um passo na construção do processo nacional.

Compreendemos que este é não é um processo rápido e que deve contar com a contribuição coletiva, de maneira a aprofundar teoria e prática que, para nós, são indissociáveis. Se por um lado, notamos um aprofundamento dos trabalhos sociais e da inserção em distintos setores do campo popular (sindical, sem terra, pequenos produtores, sem teto, desempregados, catadores, estudantes, comunitário, indígena, quilombolas, gênero), por outro vemos avançar um debate teórico profundo que, generosamente, visa extrair de autores clássicos e contemporâneos elementos teóricos e ideológicos que dêem conta de um método de análise e uma estratégia capaz de impulsionar nosso projeto revolucionário de transformação social.

Entendemos que, modestamente, temos conseguido reinserir o anarquismo no campo da luta de classes e dos movimentos populares e buscado criar um povo forte, capaz de assumir o protagonismo em suas lutas e em seu processo emancipatório. O I Seminário de Formação do FAO da Região Sudeste, juntamente com os seminários realizados nas regiões Sul [http://www.anarkismo.net/article/20167] e Nordeste [http://www.anarkismo.net/article/21040], demonstram a maturidade e a vontade dos militantes que vêm superando as dificuldades de um país de dimensões continentais e avançando na construção do socialismo libertário.

Construir o FAO!
Ética, compromisso, liberdade!
Lutar, criar, poder popular!

***

Federação Anarquista do Rio de Janeiro (RJ)
Organização Anarquista Socialismo Libertário (SP)
Coletivo Mineiro Popular Anarquista – antigo Movimento Anarquista Libertário (MG)
Coletivo Anarquista Luta de Classe (PR)
Coletivo Pró-Organização Anarquista do Espírito Santo
Coletivo Pró-Organização Anarquista da Baixada Santista
Coletivo Pró-Organização Anarquista de Ribeirão Preto
Indivíduos