Arquivo da tag: Movimento de Luta em Defesa da Moradia

State Terrorism in Curitiba – December 7th, 2018

The day December 7th, 2018 will be remembered as one of the most sad and outrageous days in the history and in the struggle for housing in Brazil.

The “29 de Março” (in translation: March 29th) urban occupation was completely destroyed due to a fire, which according to the residents’ report, was caused by the Military Police of Paraná state. Besides the fire that spread, at least two executions in the place occurred, several people went missing and a still unknown number of dead.

Struggle for Housing in the Region – Recent urban occupations at the Cidade Industrial de Curitiba (CIC – Industrial City of Curitiba)

The region that was hit by the fire is a place of much struggle and worthy life in the city. In an area of the Industrial City of Curitiba (CIC), a neighborhood of the paranaense1 capital, are located four recent occupations, where, added up, shelter more than a thousand families.

The Nova Primavera (New Spring – occupied in 2012), March 29th (occupied in 2015), Tiradentes (occupied in 2015) and Dona Cida (occupied in 2016) occupations were organized by the Movimento Popular por Moradia (MPM – Popular Movement for Housing) / Movimento dos Trabalhadores Sem Teto do Paraná (MTST – Homeless Workers’ Movement of Paraná).

Over the years several street demonstrations were made, meetings with the Public Power, activities and soirées. Since then, the Prefeitura Municipal de Curitiba (Municipal City Hall of Curitiba) and the Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Popular Housing Company of Curitiba – COHAB-CT) have never given an answer at the stature of the people’s demands.

In this grim December 7th day, one of these communities, the March 29th, was completely devastated. More than 300 families lost their homes, pets, furniture, food, clothes and belongings.

Among these families, we extend a great solidarity to the haitian families, who besides suffering with the basic difficulty of communication because of thei mother tongue, have been intensely suffering from racism and xenophobia in Brazil. It isn’t uncommon that these people, even the qualified ones, are only able to enter the labour market in off-putting professions, receiving misery wages, not having worthy housing and adequate life conditions.

State Terrorism in the March 29th Community

The inhabitants tell that a military police officer had been killed around the region and that the police suspected that the responsible would be a community resident. Stemming from such suspicion, the Military Police of Paraná declared war on all the surrounding communities, especially on March 29th.

During the day and the night of December 7th, military police officers, without identification and with their faces covered, broke down and invaded the houses of the shantytown search for information on the whereabouts of the suspect. Reports from many inhabitants state that the police officers tortured, assaulted and beat up men, women and children, using sacks, knives and weapons. Besides, people were killed and many gunshots were fired agains the inhabitants.

It was around 10 P.M. that the fire was set on some houses of the March 29th Community. The fire quickly spread and dominated everything. The Fire Brigade of Paraná took around one hour to get to the place and the Military Police tried to make its action more difficult, in such a way that hundreds of the community’s houses ended up being totally destroyed. Reports and details in: “O Horror que a Polícia causou em Curitiba” (“The Horror that the Police caused in Curitiba”)

Hundreds of families lost everything they had. Several dogs died charred. Many people disappeared. Possibly other deaths will be confirmed.

The Police State of Adjustment and the criminalization of poverty

We characterize the current moment of the brazilian scenario as being a “Police State of Adjustment”, marked by an aggressive agenda agains the people, that explicits the most savage face of the capitalist system. The masks and the mediation that marked the recent period of our history have fallen. We have always known, however, that behind the appearances, a major part of the brazilian population lives under a “State of Exception”, living together with the barbarism conceived inside the farse called “Democratic State of Law”.

For the poor, black, slum-inhabitant people, the face of the State has always been one of brutality. The basic rights (health, education, employment, basic sanitation, housing) are very restricted, not to mention when they aren’t completely absent. On the other side, the police repression shows itself as being very present in the residents’ everyday life, who since very early live together with the institutionalized forms of racism and criminalization of poverty, which make up the basis of the ideological formation and performance of the brazilian police institutions. In the situation of the attacks suffered by the March 29th Community’s and the rest of the region’s occupations’ families, such elements were very clear. In the eyes of the Military Police, the people who lives in the occupations is an enemy to be exterminated.

The other faces of the State, such as the Municipal’s and State’s Executive Powers and the bodies responsible for the investigation of this type of case, demonstrate to be accessories of “summary judgements” like this when they overlook it. This, working women and men, young and elderly people, are condemned to death as “criminals”, without any right for a defence.

The ruins of the “model city” myth

It was in the 1970s that a brazilian myth was initiated according to which Curitiba would be a “model city”, and example of urbanization, mobility and life quality.

This myth was built based not only in a big advertisement, but also in the enormous exclusion of the poor population, that was being “thrown” to the regions farthest from the city’s downtown and deprived of public services.

This supposedly “democratic planning” farse is not exclusive to the city of Curitiba, but has in the paranaense capital one of its main symbols, repeated in rulers’ and bureaucrats’ speeches.

In parallel with the propagation of this lie, the city stores a history of struggles and martyrdoms of social movements and associations of residents struggling for a piece of land, for a home, for decent housing. These struggles occurred and occur in all of the city’s regions and has in the CIC occupations one of its greatest examples.

Aprehension, Solidarity and Resistance

After the December 7th fire, the Military Police, according the the description and photographies made by residents, maintained itself in the location and fired with its deadly guns several times. Residents of the region are very afraid of more “revenge attempts” and that the horror of that night happens once more.

Despite everything, the struggle for housing and decent life continue! Countless communities, social movements and other organizations have raised donations for clothes, food, water, furniture and took it to the community. Residents took turns in organizing the donations, taking care of the people and in reorganizing the community’s life, showing a great example of resistance and solidarity. Thus the communities unite more and more.

We know that only the organized people is able to advance in the struggle for decent life conditions and towards the construction of a fair, fraternal and egalitarian society. A world where everyone has a home and where the State’s threats and violence are things belonging to a distant past.

The struggle goes on!

Neither forgive, nor forget!

All the solidarity to the families!

Against the criminalization of poverty!

Struggle! Create People’s Power!

For the end of all police!

Decent housing now!

1Translator’s observation: “Paranaense” is an adjective used when talking about something or someone that is from the brazilian state of Paraná.

[ORL] CARTA PÚBLICA DE COMEMORAÇÃO DOS 7 ANOS DA ORGANIZAÇÃO RESISTÊNCIA LIBERTÁRIA

Retirado de: http://www.resistencialibertaria.org/index.php?option=com_content&view=article&id=163%3A2015-12-19-23-41-17&catid=38%3Aeleicoes&Itemid=56

Carta Pública de Comemoração dos 7 anos da Organização Resistência Libertária

Companheiras e companheiros de caminhada nesta luta por igualdade e liberdade,

Nossa Organização completou 7 anos de atividade política e pública. Aos olhos de muitos, esse é um tempo pequeno diante da caminhada pela liberdade. Aos nossos olhos, esse tempo modesto tem amplo significado, tanto para nossas vidas como para a experiência de luta do anarquismo neste estado.

Em meados de 2007, a recente experiência de luta de muitos/as estudantes secundaristas e universitários/as se unia a experiência organizativa de muitos/as militantes anarquistas que há longos anos movimentava a luta libertária nestas terras cearenses. Naquele cenário, de aliança de militâncias jovens e de uma militância mais experiente e ideológica, prosperou a fraternidade necessária e a vontade de fazer crescer um coletivo independente das forças políticas existentes até ali, que a nosso ver representavam um prejuízo aos movimentos sociais, retirando-lhes potência e ação.

Foi exatamente um ano o tempo necessário para nossa constituição como corpo político. Aos 8 de dezembro de 2008, na abertura do I Encontro Libertário: Anarquismo e Movimentos Sociais (em Fortaleza), a Organização Resistência Libertária lia seu Manifesto de Criação. Esse processo, de um ano de discussão interna, teve uma importância decisiva em nossa organização. Nesse tempo, dezenas de discussões políticas e muitos/as militantes se revezaram na difícil tarefa de diálogo e construção de laços de uma unidade possível e fazer crescer nossa militância.

A experiência da luta do anarquismo cearense, sobretudo naquela história recente, era tributária de muita luta, mas pouquíssima organização entre os/as anarquistas. Era uma intensa atividade política, mas entre nós nos entendíamos pouco e isso era refletido também em nossas ações, condenando-nos a atividades pontuais e de pouco alcance. A necessidade de uma maior organização entre os anarquistas era cada vez mais evidente. E começávamos a entender, com muito esforço, e aliado a muitas companheiras e companheiros anarquistas deste país, que nosso limite estava ali. Ou dávamos um passo à frente e construíamos laços mais orgânicos e que nos impulsionariam a crescer politicamente, ou então, como já tinha acontecido dezenas de vezes em anos anteriores, estaríamos condenados a inanição política como coletivo ou a mera ação individualizada, que já havia se mostrado estéril politicamente.

Aqui queremos dar um registro especial a todas e todos que construíram a ORL. Ainda que muitos fundadores e fundadoras não estejam mais conosco organicamente, registramos a importância de cada um de vocês. É preciso não ter dúvidas. Foi cada palavra, cada conflito e cada calma, cada gesto, de todo/as, que fazem esse texto ser lido agora. Aqui está a Organização Política que vocês ajudaram a construir. Aqui está, com novos rostos, e depois de muitas sementes, a vossa plantação. Somos nós que, entendendo os motivos de cada militante que precisou se afastar por um curto ou largo período, manifestamo-nos diariamente na manutenção do sonho que certamente temos em conjunto. Importante também fazer um registro dos/as apoiadores/as que, mesmo nunca tendo feito parte orgânica da do nosso grupo, foram sem dúvidas de inteiro companheirismo desde primeira hora. A Organização também é resultado do apoio de vocês, foram também decisivos em cada momento.

É preciso também dizer que nossa história não é triunfalista. Recusamos o típico discurso das organizações políticas que comemoram novos ciclos apenas a cantar vitórias e ações revolucionárias. Nossa história não é bela e nem feia. Ela foi, dentre as muitas possibilidades de ação, construída coletivamente, a partir da força, dos medos, da radicalidade, dos anseios… de cada um de nós que, compartilhando ações com mais um mundo de lutadores sociais intentamos projetar novos mundos. É preciso ter coragem, sob tantos os ângulos, para afirmar nossos acertos e principalmente nossos erros. Foram muitos destes erros que nos fizeram amadurecer e prosseguir, dirimindo traumas e construindo um espírito de luta coerente com nossa caminhada.

Foi no terreno da luta social, da difícil luta militante, de muito trabalho e pouco sono, que pudemos semear nosso sonho libertário. É na peleja com muitos lutadores que nos criamos. Na militância estudantil, indígena, comunitária, sindical… aprendemos com a prática aquilo que já pensávamos no plano teórico. Juntos com a militância dos/das companheiros/as do Movimento de Luta em Defesa da Moradia (MLDM) e, mais recentemente, do Movimento Social FOME (Sobral), do Movimento Passe Livre (MPL), do Movimento de Oposição Sindical (MOS) e na Biblioteca Social Plebeu Gabinete de Leitura, temos se construído como militantes, aprendendo com cada um e cada uma, renovando diariamente nossas ideias de transformação social.

No plano político, mais orgânico, é preciso reconhecer de início a forte influência que tivemos da Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ). Foram nossos/as primeiros/as companheiros/as de leitura e concepção de projeto revolucionário, participando diretamente da nossa formação. Saudamos também em nome de todas as organizações irmãs, a Federação Anarquista dos Palmares (FARPA), também irmãos e irmãs de primeira hora, desde 2008, e por todo o esforço com que tem trabalhado em conjunto conosco pela construção do anarquismo no Norte e Nordeste desse país. Internacionalmente, nossas relações com a Federação Anarquista Uruguaia (FAU) não poderá jamais ser esquecida, pelas elaborações teóricas e pela experiência de luta compartilhada nos últimos 5 anos.

É preciso afirmar também nosso imenso crescimento político com a construção da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), que desde 2012 tem reunido organizações irmãs de diversas partes deste país, tentando criar um projeto de transformação social construído pelos “de baixo” e em sintonia com nossas princípios e práticas militantes. Que cada militante, de cada organização irmã, sinta um forte abraço de cada um de nós. É com vocês que criamos nosso projeto e é com vocês que nosso projeto avançará. Vocês são nossa bandeira tremulando em cada território saqueado desse país, vocês são nossa esperança de resistência e luta.

A Organização Resistência Libertária agradece a fraternidade de todas as organizações-irmãs, nomeadamente: Federação Anarquista Gaúcha (FAG/RS), Rusga Libertária (RL/MT), Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ/RJ), Federação Anarquista dos Palmares (FARPA/AL), Coletivo Anarquista Luta de Classes (CALC/PR), Organização Anarquista Socialista Libertário (OASL/SP), Coletivo Anarquista Bandeira Negra (CABN/SC), Federação Anarquista Cabana (FACA/PA) e, mais recentemente, do Fórum Especifista da Bahia (FAE/BA), da Organização Anarquista Maria Iêda (OAMI/PE) e da Organização Anarquista Zabelê (OAZ/PI). De pé e em luta, sempre!

Fazer crescer a bandeira negra!

Vivas a Organização Resistência Libertária!

Lutar, Criar, Poder Popular!

Organização Resistência Libertária

19 de dezembro de 2015