Arquivo da tag: Ou se vota com os de cima ou se luta e se organiza com os de baixo!

[OASL] Nossas Urgências não cabem nas urnas! Política para além das eleições

Retirado de: http://anarquismosp.org/2014/10/13/debatemogi/
evento-casinha

Nossas urgências não cabem nas urnas!
Política para além das eleições

Debate com: Casinha, Espaço Povo Forte, Maracatu Boigy, Alvaro (militante sindical).

Atividade cultural:
KTARSE (rap)
Marcos Favela (rap)
Maracatu Boigy
GOMA (grafite)

18/10 (sábado) às 15h na Casinha

Endereço: Rua Armando Maritan, nº 1 – Mogi das Cruzes
na esquina com a Av. Cel. Cardoso de Siqueira

Para chegar, pegue o ônibus 405 do terminal central e desça no ponto depois do posto de saúde Vila Natal.

Organizadora: OASL/CAB

[RL] Opinião sobre as eleições 2014 – RUSGA LIBERTÁRIA

Retirado de: https://rusgalibertaria.wordpress.com/2014/10/04/opiniao-sobre-as-eleicoes-2014-rusga-libertaria/

comovotamosanarquistas

 

“Sem sermos ingênuos acreditando que só ir as ruas basta, sabemos que a falta de organização de base fragiliza os processos de mobilização e facilitam as tentativas de controle pelos dominantes. Deste modo, nossa aposta é nas Ruas como espaço privilegiado da ação política, mas também é a aposta na organização horizontal e de base que fortalece a ação direta, com uma agenda popular que delibera, encaminha e executa seu programa: um programa dos de baixo, que não delega poder a nenhum político de plantão. Ou se vota com os de cima, ou se organiza e se luta com os de baixo!” (CAB, 2014)

      Esclarecer a cada eleição “como é que votamos?” é algo que faz parte da nossa construção histórica e cotidiana. Para nós da Rusga Libertária, a análise a ser traçada do panorama desse pleito visa colocar nossa opinião sobre o mesmo, deixando claro que a saída para uma mudança efetiva não está no ato de votar, de escolher representantes que na luta do povo não agregam em nada. Muito pelo contrário, tentam enfraquecer o projeto de protagonismo popular, com o falacioso argumento de que não há saída senão aquela em que “iluminados” regularmente eleitos dão as diretivas para as massas.

      Os 12 anos do governo do Partido dos Trabalhadores, que há tempos atrás aparecia como uma promessa de mudança, serviram somente para fortalecer ainda mais as oligarquias já estabelecidas. Com a política de fortalecer ainda mais o financiamento aos grandes capitalistas, criando, assim, empregos, produziram condições fragilizadas e precarizadas, propagando a mentirosa e vil ideia de que milhões saíram da pobreza porque podem consumir. Porém, muito longe de uma perspectiva transformadora, a vida da classe trabalhadora não mudou em nada.

      Não podemos deixar de recordar as lutas que foram travadas no último período. Em especial, é valido lembrar das manifestações de junho e julho de 2013, que levaram milhões de pessoas às ruas. No caso específico do Estado de Mato Grosso, constituíram um marco no que tange ao quesito de mobilização espontânea, despolitizada, mas que jamais foi presenciado na história regional. Além disso, Cuiabá, uma das sedes escolhidas para a Copa do Mundo, viu igualmente o descontentamento popular. E, novamente, viu a população sair às ruas contra todo o montante de dinheiro desviado, contra as promessas vazias de melhorias para os mais pobres, que não tiveram a chance de estar nos jogos. Sobrou para essa parcela da população somente as ameaças de desocupação e as repressões nas periferias, a fim de mostrar Mato Grosso como um Estado avançado e construir uma imagem diferente daquela da burguesia brasileira, que o vê como uma terra sem leis comandada por coronéis – Mato Grosso, um lugar isolado.

 

Um pouco da realidade eleitoral em Mato Grosso

      Em nosso Estado, boa parte dos políticos possuem ligação com o agronegócio, seja possuindo latifúndios ou sendo financiados pelos “donos do Estado”. Isso faz com que o grande mote das discussões seja políticas que irão beneficiar cada vez mais esse setor. Em nenhum momento as demandas dos povos autóctones ou da periferia no perímetro urbano apareceram como pauta. Quem agradece a esses reflexos são os latifundiários, que engoliram os pequenos agricultores, invadiram terras indígenas e mataram e continuam matando os trabalhadores que reivindicam um direito básico: o de (sobre)viver.

      O discurso sobre serviços básicos para a classe trabalhadora, como transporte, saúde, segurança e educação, é o mesmo de eleições passadas. Não se aponta para nenhuma mudança real. O que vemos é que tal discurso aparece de forma mais nociva do que o neoliberalismo dos governos passados. O que, nós anarquistas especifistas, analisamos ser uma outra forma de governar para e com a burguesia, o neodesenvolvimentismo

“Toda esta forma de governar tem sido sintetizadas por nossa corrente, no bojo da CAB, como oneodesenvolvimentismo, porque representa uma nova busca pelo desenvolvimento de alguns setores da economia como sua inserção na economia internacional por meio da injeção de recursos públicos (isto é mais intervenção que no período neoliberal), todavia com certa repaginação, pois não podemos comparar essas com as políticas desenvolvimentistas de outrora, afinal o Estado entra mais como financiador do que como agente direto do desenvolvimento, nesse sentido privatizações e parcerias público privadas vigentes da época neoliberal se mantém, quando muito ganham outra roupagem.” (CAB, 2014)

      Em Mato Grosso, podemos perceber o reflexo das assertivas supracitadas. Os dois últimos governos estaduais são exemplos de que o Partido dos Trabalhadores auxiliou na mudança da política mato-grossense. Blairo Maggi, atual senador pelo (PR) e um dos maiores latifundiários do mundo, é um defensor ferrenho da reeleição de Dilma. Além disso, devemos lembrar que nas últimas eleições o PT deu seu apoio a Silval Barbosa (PMDB), dono de mais de 70 mil hectares de terras obtidas de modo excluso. O mesmo governador que, em declaração sobre o MST, respondeu “por mim o governo devia sentar a borracha nesse povo”, mostrando assim como seria seu governo: pautado na repressão e criminalização dos movimentos sociais. Os candidatos ao governo do Estado nada se diferem dos autoritários políticos que recentemente ocuparam o cargo de governador.

      Lúdio Cabral, candidato pelo Partido dos Trabalhadores, em sua candidatura para prefeito em 2012, teve o apoio aberto de Silval Barbosa. Agora, tendo claro que a gestão de Silval foi um fiasco, principalmente pelos escândalos envolvendo as obras da Copa, e, também, pela falta de diálogo com as diversas categorias de trabalhadores, tenta deslocar sua imagem do mesmo. Basta recordar que, no governo de Silval, ocorreram greves de várias categorias. E o atual governador não hesitou em tratar os trabalhadores como indicou que se fizessem com o MST, com repressão e intensa perseguição. Lúdio Cabral e o PT não podem se isentar da colaboração que deram na chegada de Silval ao poder. Ainda mais, em sua chapa, compõe como candidata à vice Tete Bezerra, esposa de Carlos Bezerra (PMDB), ambos acusados de crime de peculato. O PT, como faz nacionalmente, não mede esforços para chegar ao poder, nem que, para isso, faça alianças com o que há de pior na política representativa. Percebemos que o problema é estrutural. O Partido dos Trabalhadores aceitou entrar nesse jogo, mostrando que não se coloca no campo adversário e sim no que temos de ter como inimigos.

      Seus adversários, apesar de se colocarem como diferentes não o são, basta lembrar que Janete Riva (PSD) é uma das candidatas ao governo do Estado. Esposa de José Riva, a candidata entrou na disputa como substituta, faltando apenas 20 dias do término do pleito. Condenado pelo desvio de recursos da Assembleia Legislativa, José Riva teve sua candidatura indeferida pelo projeto da “ficha suja”, como se os outros candidatos pudessem reivindicar uma “ficha limpa”.

     Como candidato mais bem cotado ao cargo de governador, aparece o nome do senador Pedro Taques (PDT). Exprocurador do Ministério Público, chegou ao cargo de senador com um discurso de caça ao corruptos, como se fosse o arauto da moralidade. Nas fileiras que o apoiam, constam nomes como o de Júlio Campos, que deu seu apoio a Maluf, que fez parte do ARENA apoiando a ditadura militar. Além disso, conta com o apoio de Chico Galindo, ex-prefeito de Cuiabá e maior responsável pela privatização da Sanecap.

     Não devemos nos esquecer da base de Mauro Mendes, atual prefeito da capital e que, recentemente, teve seu nome arrolado em escândalo envolvendo a compra de uma mineradora por uma de suas empresas. Silval Barbosa e seus aliados são os responsáveis pela dívida de R$337 milhões, emprestados para realizar as exigências impostas pela FIFA e que serão pagos até 2025.

infografico-gastos-arenas

Também existem os candidatos que se colocam como “lutadores” junto dos movimentos sociais, mas que, na ação, não passam de burocratas e engessadores das lutas mais radicalizadas travadas por estudantes e trabalhadores das mais variadas categorias. Muitos, dirigentes sindicais que utilizam o aparato sindical para a realização do trampolim político eleitoral; os mesmos que, nas últimas greves, se colocaram contra os anseios da categoria e realizaram, na prática, uma criminalização dos que se colocavam com maior radicalização na luta; apregoavam um falso discurso de coerência, quando, na verdade, o que queriam era fazer os famosos “acordos de gabinete”. No campo estudantil, é histórica a utilização de grêmios e diretórios estudantis para tal salto, além das práticas oportunistas de se colocarem como a vanguarda e criadores de mobilizações.

A tal saída pela esquerda representativa…

     Dentro do processo eleitoral para a presidência, há também os “representantes da esquerda”. Essas agrupações políticas se colocam como alternativas para realização das mudanças sociais. Contudo, como podemos acreditar que haverá mudanças via o processo eleitoral viciado e ramificado por uma oligarquia nacional, ruralista e fundamentalista?

     Cabe a reflexão de que, no momento atual, os que acreditam em alguma mudança via eleitoral retiram-se das lutas pela base para dar impulso em suas propagandas. Pensamos que tal posicionamento enfraquece a construção de um protagonismo popular, pois a participação nas eleições tem como fim a disputa de votos – mesmo que outros argumentos sejam utilizados, como, por exemplo, o de mostrar alternativa, uma contrapropaganda – e esses votos não são exclusivos da classe oprimida, ou seja, a participação nas eleições reforça a divisão da classe trabalhadora ao invés de fortalecer a luta.

Nossas perspectivas e nossos votos…

     Portanto, NÃO ACREDITAMOS que, nessas circunstâncias, haja possiblidade de mudanças efetivas. Colocamo-nos a favor de um processo pautado no protagonismo dos de baixo. Não chamamos o voto nulo de maneira torpe, limitando-nos exclusivamente nele. Para nós, anarquistas-especifistas organizados na Rusga Libertária, votar nulo é parte da coerência de uma estratégia de construção do Poder Popular. Entendemos que nossas demandas não cabem nas urnas! E reivindicamos uma construção de laços fortes de luta, que nos permita organizarmos ombro a ombro nos locais onde estamos inseridos (trabalho, bairro, onde estudamos).

“O Poder Popular é, portanto, ao mesmo tempo um objetivo e uma estratégia defendidos pelo anarquismo especifista. Ele aproxima nosso ideal libertário de um projeto de poder imprescindível para levar a cabo as rupturas que implicam o alcance de nosso objetivo finalista e não possui relação com as concepções vigentes de ‘tomada do poder’ a partir das instituições de dominação, como no caso do Estado, seja de maneira revolucionária ou reformista” – Revista Socialismo Libertário n°01, junho de 2012.

Nosso compromisso é fortalecer e impulsionar as lutas do povo, ombro a ombro. Lutar para que o nosso projeto seja forjado no seio da classe, fazendo emanar da luta o Poder Popular. Para isso, acreditamos que venceremos fora das urnas, com ação direta e popular!

Ou se vota com os de cima ou se luta e se organiza com os de baixo!

Povo unido é povo forte!

Rusga Libertária – Organização Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

ousevotaouselutaeorganiza

[CURITIBA] Círculo de Estudos Libertários (CEL) Especial: Como votam os anarquistas? – Sexta (10/10)

como votam os anarquistas

Neste período de eleições burguesas muitas pessoas nos perguntam: Como votam os anarquistas? 

Vamos responder esta pergunta em um encontro especial do Círculo de Estudos Libertários de Curitiba!

Atenção! Antes do inicio da discussão, haverá uma intervenção artística. Faremos a leitura dramática de uma adaptação do texto “Em Período Eleitoral”, de Errico Malatesta, em frente ao prédio histórico.

Quando: Sexta-feira, 10 de outubro, às 19:00.

Onde: Sala 205 do Departamento de Psicologia no Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

No encontro apresentaremos nossa análise de conjuntura e em seguida abriremos para o debate.

Material de apoio: No Batente #4, [CAB] Elementos da Conjuntura Eleitoral 2014, Como Votam os Anarquistas?

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/646970258753898/

Lembrando que nossos encontros regulares do CEL-Curitiba continuam! O próximo será na última terça-feira de outubro, dia 28, às 18:30 no Prédio Histórico da UFPR.

CEL

Como votam os anarquistas?

como votam os anarquistas

— Olá Maria!

— Oi Ana! Nossa, que bom que eu te encontrei. Sabe, estou aqui pensando em quem eu vou votar. Você, que sempre fica falando de política, pode me ajudar?

—Você sabe que eu sou anarquista né?

— Sim! E eu queria saber isso mesmo, como votam os anarquistas?

— Votamos nos atos de rua, nas assembleias dos movimentos sociais, nos sindicatos. Votamos na luta!

— Sim, mas e nas urnas? Vocês votam nulo então?

— Na verdade, para nós o voto nas urnas não faz a menor diferença. Não importa em quem você vota, nenhuma das mudanças que nós realmente queremos e precisamos virá dos representantes! Além do que, as eleições estão definidas muito, muito antes do dia em que vamos às urnas.

— Como assim? Você está dizendo que elas não são justas?

— Nem um pouco! Para ganhar as eleições, você precisa fazer campanha. Pra fazer campanha, você precisa de financiamento, que vem das indústrias, bancos, do agronegócio… Ou seja, quem não se vende para os ricos, não tem a menor chance de ganhar! Todos os candidatos que tem alguma chance vão defender os interesses de quem os financiou.

— Ah, mas os candidatos são diferentes… Sempre tem um que é menos pior, não é mesmo?

— São diferentes sim, mas não faz muita diferença para nós, pessoas trabalhadoras. Sabe, todos os candidatos que tem alguma chance de ganhar representam os interesses dos poderosos… Eles só fazem isso de jeitos diferentes. Nenhum deles trata dos problemas mais fundamentais da sociedade. Hoje em dia temos um governo federal que se diz de esquerda, mas na prática está privatizando o que é público, não investe nos nossos direitos essenciais,como educação, saúde e transporte… Ou seja, nem mesmo reformas ele é capaz de fazer.

— Mas então não devíamos votar em candidatos que realmente fariam essas reformas?

— Nenhum deles faria essas reformas, porque eles têm que obedecer às leis do capital internacional. Eles não podem dar o calote na dívida pública, por exemplo. O Estado é todo construído pra que isso não aconteça. E sem mexer nisso, nenhuma reforma realmente profunda é possível, porque a maior parte do nosso dinheiro vai pro pagamento dessa dívida. Ou seja, além de os vencedores já estarem definidos pelo financiamento, o que eles vão fazer é limitado pelo poder econômico, tanto dos ricos do país, quanto dos interesses dos ricos do mundo todo! Mais do que isso, a política brasileira é dominada por bancadas conservadoras, que impedem até mesmo as reformas num sentido de garantir direitos para as minorias.

— Ué, pra que eleições então?

— Elas servem pra legitimar o discurso de “democracia”, que de democrático não tem nada! É muito vantajoso para as pessoas que estão no poder iludir o povo com a ideia de que temos o poder de mudar alguma coisa através do voto, nos distanciando das ações que
são realmente transformadoras. Dessa forma, legitimam aqueles que estão no poder, governando para os ricos, e quando as coisas não vão bem, a culpa é do povo que “não soube votar”.

— Mas se não é através do voto, o que podemos fazer?

— Ir às ruas, às lutas de base. Para nós, anarquistas, importa muito mais as lutas cotidianas, a construção de uma outra alternativa de fazer política, do que votar ou não em um ou outro candidato…

— E desde quando ficar gritando na rua é fazer política?

— Desde muito tempo! A maior parte dos direitos do povo foram conquistados assim. Quando os trabalhadores fazem uma greve e a levam até o fim, eles conquistam melhores condições de trabalho; Quando os sem-teto ocupam um imóvel, eles avançam no seu direito de moradia; O mesmo vale para os sem-terra que ocupam terras; quando os moradores da periferia fazem um protesto, trancam vias, radicalizam, eles conquistam suas pautas, que são necessidades básicas do bairro onde moram; quando os estudantes pressionam os reitores e governantes é que eles conseguem mais assistência estudantil e por aí vai. Em nenhum desses casos, dependemos de representantes! Em todos esses casos, quem realmente faz a política é o povo. E da melhor forma possível: O povo fazendo política para o povo!

— Ah é? E quando isso aconteceu de verdade?

— Muitas vezes! E nem precisamos ir longe: nas jornadas de junho do ano passado, o que aconteceu quando milhões de pessoas foram para as ruas? A passagem de ônibus de mais de 100 cidades baixou. Vimos recentemente várias greves fortes e radicalizadas, atropelando as direções pelegas dos sindicatos, saindo com conquistas de direitos, mostrando que a organização dos trabalhadores fala muito mais alto do que a voz de qualquer direção! E esses movimentos não estavam dependendo de representantes para nada disso.

— Tá bom, Ana, vou pensar nisso tudo que você me disse…

—Olha, e temos muito o que fazer de política nessa sociedade. E saiba que para os anarquistas a política não é feita somente em ano de eleição, para nós ela é feita todos os dias. Se quiser participar, fale com algum de nós!

— Tá bom, pode deixar. Até mais!

— Até!

como votam os anarquistas marc como votam os anarquistas sind como votam os anarquistas rad como votam os anarquistas est

 

LANÇAMENTO DO JORNAL NO BATENTE #4 – OU SE VOTA COM OS DE CIMA OU SE LUTA COM OS DE BAIXO!

Este é o quarto número do jornal No Batente, órgão de informação e análise do Coletivo Anarquista Luta de Classe (CALC). Ficamos felizes por mais uma edição poder chegar aos companheiros e companheiras de luta!

ou se vota com os de cima ou se luta com os de baixo jornal

Teremos as eleições burguesas de novo e mais uma vez não há nada de novo para a classe trabalhadora. O que os anarquistas afirmavam desde o final do século XIX ainda é válido: As mudanças que o povo precisa não virão das urnas! Nessa edição do No Batente, convidamos você a ler uma breve análise de conjuntura estadual e nacional, e também uma resposta à pergunta que sempre nos é feita: como votam os anarquistas?

Leia o no BATENTE #4 clicando no link – NO BATENTE – ou na imagem acima.

[FAG] Ato político da FAG – Como votam os Anarquistas?

Retirado de: http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=731

Realizamos no dia 20 de setembro Ato Político Anarquista em que compartilhamos com a companheirada presente alguns elementos de análise da conjuntura eleitoral que a nossa Organização tem discutido e apontado. Da mesma forma, foi um momento de fazermos pública a nossa linha política para a conjuntura eleitoral e para além dela. Abaixo é possível ver algumas fotos do ato e o discurso realizado sobre o tema.

Ou se vota com os de cima, ou se luta e se organiza com os de baixo!

De baixo pra cima se luta e se cria um povo forte.

Lutar e Vencer fora das urnas.

As mobilizações de massa da juventude que escreverem um pedaço da história recente do Brasil com as Jornadas de Junho ainda não tiveram um final. A explosão das ruas anunciada pelos estudantes-trabalhadores do regime flexível, sujeitos da rotina neurótica e estafante das grandes cidades, agravada pela deterioração dos serviços e dos bens públicos, não foi satisfeita. As urgências populares pela ampliação dos seus direitos continuarão em cena. São dramas brasileiros cotidianos, e ainda vão latejar muito. Terão que ganhar potência em organizações de base e com um federalismo que una as rebeldias e não se deixe capturar pelas instituições. Não serão as eleições e a oferta dos partidos da democracia burguesa que confortarão o mal-estar que provoca o sistema.

Os candidatos que lideram as pesquisas para presidente – Dilma, Marina e Aécio – não tem projeto pra fazer a mudança social que pode dar soluções definitivas e sem retrocessos às classes oprimidas. Por outro lado, o reformismo eleitoral não tem a menor adesão dos votos. E tampouco teria a liberdade de cumprir seu programa, nas regras do jogo institucional, se chegasse a representar algum perigo ao poder. A via eleitoral é bloqueada pelos poderes econômicos e pelos mecanismos conservadores do Estado quando se trata de fazer reformas que atinjam as estruturas dominantes. As legendas de esquerda são coadjuvantes que emprestam verniz liberal-democrático ao Estado de direito das oligarquias e dos proprietários.

As eleições não possibilitam tomada de decisão estratégica sobre as pautas que motivaram os conflitos socais que tem vazão nesta etapa aberta da luta de classes. Os fatores conservadores do sistema deixam uma margem muito pequena para as manobras dos governos de turno. Pela formação histórica do Brasil e pela sua liderança no continente eles pesam ainda mais. O que está em disputa são gradações do modelo de gestão de um sistema dominado globalmente pelo capitalismo financeiro. O reformismo está fora de causa. Governar é, em primeiro lugar, fazer arranjos com as estruturas de poder que não obedecem ao voto.

O Estado não é uma máquina neutra que põe em funcionamento suas instituições ao gosto dos pilotos da vez. Na concepção liberal burguesa a representação sempre foi um mecanismo legitimador da usurpação das forças coletivas e bens comuns pela vontade das minorias. O Estado é o poder político das classes dominantes, o Estado oligárquico de direito, onde “manda quem pode e obedece quem tem juízo”, como diz o ditado popular.

No sistema político brasileiro, quem não pactua com as oligarquias não governa. Quem não joga na moeda corrente das barganhas, dos lobbies corporativos, dos loteamentos de cargos e dos mensalões não faz base de apoio. O PMDB, maior partido do país que desde a nova república “sempre foi governo”, cobra fatura da estabilidade política dos pretendentes ao trono. Os gordos investimentos das corporações privadas formam uma bancada poderosa de industriais e ruralistas no congresso. A bancada evangélica faz vigília reacionária sobre os movimentos por liberdade e direitos civis.

O congresso nacional tem alto instinto de conservação, de impunidade, de causa própria. Nenhuma vocação pra mudanças de fundo, para a participação popular, para perder privilégios sobre a política nacional através de mecanismos de democracia direta.

A justiça e as forças armadas tampouco fogem da regra. São aparelhos da ordem que investem sobre a sociedade os juízos do direito burguês da propriedade e o monopólio da violência sobre os desajustados. A justiça que anistia os golpistas e os torturadores do regime de 64 é a mesma que manda prender negros e pobres e os espreme nas jaulas do sistema carcerário. Os milicos guardam o artigo 142 na constituição federal que lhes autorizam a suspensão da ordem legal. São, em última instância, o comando das polícias militares que são desaquarteladas e postas na rua durante os anos da ditadura civil-militar a reprimir, torturar e matar até os nossos dias. As forças armadas dobraram a república, fazendo recuar as demandas de memória, verdade e justiça contra os operadores do golpe de Estado. A Comissão Nacional da Verdade nasceu no governo Dilma com os pés amarrados, com os movimentos cercados, pra que nenhum carrasco do povo seja julgado.

As liberdades constitucionais de pensamento e de expressão são aparelhadas pelo poder oligopolizado dos donos dos meios de comunicação: cerca de 11 famílias. Elas tem o controle da produção das mídias de massa que pautam o cotidiano brasileiro, selecionam e hierarquizam o que acontece, regulam a qualidade da informação e fazem vetor privilegiado do sentido, do juízo público e dos valores que circulam. A concentração da mídia brasileira é patrocinada com verbas publicitárias do governo. Em 2012 a secretaria de comunicação da presidente Dilma deu R$ 1,7 bilhões para os oligopólios.

Os bancos e o sistema financeiro que dominam de fato ou de direito as autoridades monetárias mandam cortar gastos públicos para pagar a agiotagem da dívida pública, subir juros e deixar porteira aberta para os capitais especulativos. O grupo Itaú Unibanco que tem a herdeira Neca Setúbal como fiel escudeira de Marina Silva festejou lucros de mais de R$ 15 bilhões em 2013 durante o governo Dilma. Os lucros dos banqueiros não param de crescer.

Os grandes capitais produtivos são desonerados de impostos e recebem ajudas generosas do Estado. O petróleo do pré-sal é partilhado no leilão com as grandes empresas transnacionais do setor. O BNDES ajuda montadoras como Volks, Fiat, GM, patrocina fusão de corporações como Sadia e Perdigão, Oi e Brasil Telecom, alavanca as empreiteiras com as mega-obras, financia o pacote privatista de concessão de portos, aeroportos, ferrovias e rodovias aos grupos privados. Tudo subsidiado com recursos do Fundo de Garantia dos trabalhadores e por endividamento do tesouro nacional.

A via eleitoral é bloqueada pelos poderes econômicos corporativos, pelo discurso de verdade dos oligopólios da mídia e pelos mecanismos conservadores do Estado quando se trata de fazer reformas que atinjam as estruturas dominantes.

No modelo atual, o governo dirige o Estado como financiador público do desenvolvimento capitalista privado, tomando dinheiro a altos juros da banca financeira. É uma política que leva a concepção ideológica do neodesenvolvimentismo, que procura ajustar com fundos públicos o crescimento de setores do capital ao lado de certo nível de emprego, programas sociais e crédito pro consumo de massas. Faz idéia de remediar as brutas desigualdades sociais que tem o Brasil com um pacto social, onde a classe capitalista puxa o carro e os setores populares tem uma participação residual e incerta. As ações sociais como o Bolsa Família, que atendeu 14 milhões de famílias em 2013, tem um orçamento dez vezes menor que o patrimônio das 15 famílias mais ricas do país, quem tem na sua lista seleta sonegadores de imposto como as organizações Globo e o grupo Itaú Unibanco. A expansão do ensino superior é feita a base de compra pública de vagas no mercado das universidades particulares, e de um evidente “pioramento” da qualidade da educação. A geração de empregos que o governo central estimula com generosas ajudas aos patrões está ligada a baixos salários e trabalho precário.

Pra conquistar soluções reais para o andar de baixo, que tenham direção inequívoca de uma mudança social, sem meias voltas, só com combate as estruturas de concentração do poder e das riquezas. Essa peleia não pode pedir bexiga pras oligarquias políticas, nem socorro dos milicos, nem edição honrosa do Jornal Nacional, nem tampouco colaboradores na Camargo Correa, no Bradesco ou na JBS.

O discurso do crescimento e do Brasil de classe média que foi a tônica do governismo está perdendo o embalo, não produz mais o mesmo encanto. De 2011 pra cá a roda da economia já não gira mais como antes. O crédito fácil que ativou durante um período o sonho do consumo de massas vai virando pesadelo da dívida. O ganho real dos salários é muito pequeno e os empregos precários e mal pagos. O custo de vida pega preço e os alimentos baratos perdem lugar pra pauta de exportações do agronegócio. Os serviços públicos não melhoram de qualidade. A integração relativa da base da sociedade de classes, como sujeito flexível dos controles do mercado, já não faz mais sentido em alguns setores.

Da conjuntura internacional não sopra nenhum vento a favor. A Europa, pra tomar um exemplo, enfrenta amargamente e sem prazo de vencimento a recessão, o desemprego e a pobreza. O alto mundo das finanças, onde nenhuma corporação capitalista foge do esquema, fez a farra e passou a conta para os setores médios e para a classe trabalhadora.

E o que dizer do RS, em que parece haver uma feroz disputa em torno de 2 projetos de sociedade? Só parece! O imaginário de tipo plebiscitário que as candidaturas de Ana Amélia Lemos/PP e Tarso Genro/PT vem suscitando e a representação que eles se fazem de modelos mais puros, fazem com que passe desapercebido o fato de que ambos projetos jogam conforme as regras do jogo e de que ambos nem de perto serão capazes de alterar as estruturas de poder do RS. Dívida pública que sangra os fundos públicos pra pagar o capital rentista; o poder do agronegócio na economia gaúcha, no desmonte das normas ambientais e sobre a agenda de investimentos em infraestrutura (portos, geradoras de energia) e a guerra fiscal da indústria para se apropriar de recursos do estado (fundopem) estão fora de causa nessas eleições.

Mas não precisamos ir tão longe. Com relação ao governo Tarso, basta lembrarmos de toda a repressão, criminalização e perseguição dos lutadores sociais do Bloco de Lutas, por exemplo. Das balas de borracha, dos mil gaseificados na esquina democrática, da cavalaria que corria a trotes de cavalo enquanto arrastava pelos cabelos jovens manifestantes. Das detenções arbitrárias após as manifestações. Da prisão e exposição na mídia de massa de professores do magistério estadual que participaram dos protestos. Das invasões e apreensões de sedes públicas e de casas de militantes socialistas. Dos discursos intelectualizados do governador relacionando anarquismo com fascismo.

E não só isso! Não podemos esquecer a paralisação das demarcações das terras indígenas e o descaso do governo Tarso com relação a esses povos e os conflitos que se acirraram entre indígenas e pequenos agricultores.

Por outro lado, há um possível governo Ana Amélia. Se é impossível não associarmos sua imagem com a administração da ex-governadora, a Yeda Crusius/PSDB, são condições diferentes as de agora. O PP (nacionalmente alinhado ao PT) é um partido que tem base forte pelo interior, que representa historicamente as oligarquias rurais e que provavelmente terá relações de força mais favoráveis na barganha que monta a base do legislativo. Trata-se de uma candidatura que conta com a preferência do grupo RBS onde foi funcionária de longa data. Além disso, a truculência com as lutas sociais tende a se intensificar ainda mais. A ascensão da candidata do PP é proporcional as baixas expectativas com reformas sociais e políticas públicas que resultam do “desencanto com o PT”, de uma sensação de ‘menos pior’ que é cada vez mais fraca de sentido.

Não se trata, portanto, de um projeto burguês contra outro das classes trabalhadoras. Ambos são projetos funcionais a lógica de dominação do capitalismo. Em ambos, prevalece a lógica do Estado como lócus privilegiado da política e das classes dominadas como sujeito passivo. Para o PT, as mobilizações de 2013 se bem expressam um descontentamento com o que ai está, não representam a possibilidade da gestação de algo positivo e construtivo e que aponte mudanças de fundo desde seu seio. Elas não fariam política verdadeira!

Aquilo que reclamaram as massas em junho de 2013 não ficarão por aí, mofando no expediente burocrático das autoridades, simulando pauta nos tramites e conchavos dos gabinetes, insuflando discurso pop na tribuna de um congresso picareta. Por um ou outro lado vão ganhar vazão de novo, não se acomodarão porque acusam demandas que não podem ser reprimidas o tempo todo pela polícia, tampouco esvaziadas por eleições que passam ao largo de mudanças estruturais enquanto que a vida precária e endividada dos de baixo continua.

Assim também serão as lutas que deram os setores populares atingidos pelas obras da Copa, 250 mil pessoas ameaçadas ou atingidas por despejo das suas casas, os populares das ruas que foram varridos pra longe do centro da cidade.

As greves rebeldes de base que atropelaram a burocracia sindical, a brava luta sem pelego e sem bombeiro dos operários dos canteiros de obras, dos transportes, dos garis. Dos trabalhadores que se defendem com empregos de baixos salários e péssimas condições de trabalho, terceirizações, regimes flexíveis de exploração do trabalho. A linha dos sindicatos combativos que não se curvam ao governismo e não fazem pacto com os patrões.

A dignidade das favelas que não se calam e exprimem a criminalização da pobreza, o genocídio do povo negro, a impunidade da polícia assassina.

A resistência dos pobres do campo ao saque do agronegócio, das mineradoras e o impacto das mega-obras que são tocadas pelas empreiteiras, o trabalho escravo, a violação dos territórios indígenas e quilombolas e a não reforma agrária.

O cenário de indeterminação aberto pelas jornadas de 2013 está longe de se definir. Ele pode esfriar por um momento, em conjunturas pontuais que jogam forte seus mecanismos de fantasia, como a corrida eleitoral. Mas não temos dúvidas que ele não acaba aqui.

Esse processo de lutas rebeldes produziram, entre tanta riqueza de valores e sentidos que gestam a experiência de um povo que abre caminho novo, vetores ideológicos de mudança que não se dissipam tão fácil. Dão passagem a uma geração que não se reconhece nas formas tradicionais de fazer política burguesa, que desconfiam da representação dos governos e parlamentos, do burocratismo sindical e dos partidos eleitoreiros. Que buscam formas de participação sem intermediários e se apropriam das redes sociais como fator de socialização em grupos. Que faz da forças das ruas e da ação direta de massas a sua expressão de potência. Está em processo uma nova cultura política, que excede os rótulos e as formas instituídas, que carrega sonhos e rebeldias que não tem mais referência com a construção de esquerda dos anos 80, o “Lula Lá”. Nós pensamos com muita humildade que a corrente libertária do socialismo tem muito a aportar, a ajudar a superar a insuficiência das ruas com sua sensibilidade anti-autoritária. A lutar e organizar com cabeça coletiva, democracia de base e com sentido revolucionário de povo.

Os anarquistas da FAG votarão nulo nas eleições de 5 de outubro. Como já afirmamos em outra oportunidade: pra mudar a sociedade, enfrentar o poder e suas classes dominantes, os atalhos do menos pior, do possibilismo, nunca conduzirão até outras relações de força para os oprimidos mudarem de vida. Não cremos tampouco que pedir votos, seja qual for a legenda, seja a atitude política mais adequada para produzir ideologia de transformação. Somos partidários do poder popular, de uma construção pela base com os processos de luta e organização popular, de mecanismos de democracia direta e federalismo, de um trabalho militante decidido a gerar capacidades políticas que gestam formas de autogoverno das massas em antagonismo ao poder constituído. Nem apolíticos, nem adeptos das velhas estruturas de representação burguesa, outra forma de fazer política. É essa nossa postura militante e é nesse sentido que empenharemos nossos esforços.

Ou se vota com os de cima ou se luta e se organiza com os de baixo!

Nossas urgências não cabem nas urnas!

Arriba lxs que luchan! Sempre!

 Federação Anarquista Gaúcha!

20 de setembro de 2014

[FAG] Elementos da conjuntura eleitoral de 2014 – Opinião Anarquista da FAG

Retirado de: http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=541

Estamos às vésperas das eleições que definirão os novos governos de turno, a nível estadual e nacional. Governos que independente dos programadas defendidos, jogarão conforme as regras e no marco da lógica do sistema de dominação capitalista na sua atual etapa, a do capitalismo financeiro. Enquanto anarquistas, votamos nulo por coerência a uma estratégia de construção do Poder Popular. Enquanto lutadores sociais entendemos que uma análise cirúrgica da conjuntura eleitoral é necessário e possibilita definir quais são os fatores de peso na formação do atual cenário.

Template Opinião anarquista

Junho de 2013, a disputa de seus significados e alguns elementos da conjuntura nacional

É própria do atual cenário eleitoral a disputa pelos sentidos do que foram as jornadas de luta de 2013 e a tentativa de capturar os vetores ideológicos forjados e legados por essa experiência, de mobilização nas ruas por milhões de pessoas, assim como aquela das lutas no contexto da copa do mundo. São poucas as siglas que reivindicam as jornadas de protesto do ano passado, seja para mostrá-las como exemplo de um massivo descontentamento com relação ao período de governo petista, seja para citá-las como um sinal de que esse descontentamento, apesar de todas as “conquistas” dos governos PT, é contra o atual sistema político que se colocou como um entrave para o encaminhamento positivo da agenda de reivindicações das jornadas.

É nesse sentido que o plebiscito popular para uma nova constituinte foi o grande “chamariz” do PT e de seus aliados. No entanto, na atual conjuntura, tal mecanismo visa apropriar-se da forças das ruas e desaguá-la na institucionalidade, garantindo a conciliação de classes, contendo e mediando o conflito para definir a correlação de forças nos fóruns de disputa política formais. Para nós, esse fato por si só já representa uma derrota política para os de baixo, pois não aponta e nem constrói uma alternativa para além das eleições e do Estado enquanto espaço privilegiado da política.

Contudo, o que temos visto é que predominam disposições gerais de desconfiança e até de rechaço às instituições políticas, por um lado, e, por outro, uma impotência da tática de denúncia e do discurso “esclarecido e racionalista” frente ao poder simbólico das regras do jogo institucional utilizado pelos setores da esquerda que participam nas eleições. Poder simbólico que não deixa perceber nuances programáticas, apostas estratégicas distintas, ideologias de mudança ou de conservação.

10675639_720755494664265_4541295725687600140_n

Em que pese nem tudo seja igual, está ausente um projeto político de caráter reformista, com adesão eleitoral, que incida sobre as estruturas de poder da formação brasileira. Se há uma luta da oposição burguesa mais conservadora para quebrar o modelo de gestão neo-desenvolvimentista, que passa pela desestruturação dos instrumentos de Estado para a política econômica, autonomia do Banco Central, metas de inflação – ampliando os controles de mercado – esta não pode ser entendida como o simples ataque a mudanças de fundo realizadas por um pretenso projeto de esquerda que se quer derrotar.

Nesse sentido, a polarização dos candidatos (PT, PSB e PSDB) representa, na verdade, variações administrativas no marco do Estado já que ambos os projetos não fogem dos ajustes exigidos pelas relações de poder do sistema de controles do capitalismo financeiro.

No RS, dois projetos em jogo?

20140707por-juliano-antunes-_jas6892

No RS, temos visto uma maior polarização em torno das candidaturas de Tarso Genro/PT e Ana Amélia Lemos/PP. Concorrem, dentro das regras do jogo, dois modelos que se representam como mais “puros”, suscitando um imaginário do tipo plebiscitário: se está com o PT ou com o PP. Uma cultura política que desde a nova republica não reelege governadores também é um fator de peso na conjuntura estadual.

Entretanto, é preciso que deixemos de lado esse pensamento binário e enxerguemos elementos que nos indicam que ambas as possibilidades (sem falar nas demais) não representam transformações de fundo para os de baixo.

Com relação ao governo Tarso, há uma série de aspectos que acreditamos importante ressaltar com relação a sua administração e que em certa medida arranharam sua imagem:

  1. A repressão aos protestos de 2013/2014 e em particular as perseguições a militantes e organizações de esquerda.
  2. Os reiterados protestos e greves dos trabalhadores da educação da rede estadual pelo pagamento do piso nacional que até hoje não foi atendido.
  3. A paralisação das demarcações de terras indígenas e a intensificação do conflito entre indígenas e pequenos agricultores na região norte do estado que resultou em 2 agricultores mortos e 5 índios presos durante mesa de negociação.992973_10201372598781061_197371978_n

O governo do PT repetiu expedientes que foram consagrados pela “tecnologia da coalizão” exaltada por Tarso Genro. Prevalece em suas práticas de governo um dispositivo de diálogo que procura dissuadir o conflito social, neutralizar nos circuitos da burocracia as pautas de contestação e integrar na gestão auxiliar dos conselhos e gabinetes os movimentos e sindicatos mais dóceis. Do ponto de vista do funcionamento dos aparelhos de repressão se faz distinto o uso mais intenso dos serviços de inteligência e das táticas de dispersão que evitam colisão frontal.

Já em um cenário de governo de Ana Amélia/PP, é impossível não associarmos com a administração da ex-governadora Yeda Crusius/PSDB, ainda que em condições diferentes. O PP (nacionalmente alinhado ao PT) é um partido que tem base forte pelo interior, que representa historicamente as oligarquias rurais e que provavelmente terá relações de força mais favoráveis na barganha que monta a base do legislativo. Trata-se de uma candidatura que conta com a preferência do grupo RBS onde foi funcionária de longa data. Além disso, a truculência com as lutas sociais tende a se intensificar ainda mais. A ascensão da candidata do PP é proporcional as baixas expectativas com reformas sociais e políticas públicas que resultam do “desencanto com o PT”, de uma sensação de ‘menos pior’ que é cada vez mais fraca de sentido.

Entretanto, em que pese em uma conjuntura formas específicas de governar, o Estado do RS tem estruturas do poder que estão fora de causa nestas eleições. Dívida pública que sangra os fundos públicos pra pagar o capital rentista; o poder do agronegócio na economia gaúcha, no desmonte das normas ambientais e sobre a agenda de investimentos em infraestrutura (portos, geradoras de energia) e a guerra fiscal da indústria para se apropriar de recursos do estado (fundopem), são exemplos disso.

Portanto, está fora de questão mudanças de fundo, em que as estruturas mais consistentes do sistema de dominação capitalista sejam colocadas em questão. Apostar no “possível”, nessas circunstâncias, é deixar de construir desde já um processo próprio, um caminho de protagonismo e de organização dos de baixo no marco de um horizonte socialista e libertário.

Ou se vota com os de cima ou se luta e se organiza com os de baixo

SDC12236

Chamar a anular sem fazer prioridade ao trabalho de organização popular é pedir o voto como fazem os partidos integrados no sistema. Não é o voto em si, como mecanismo decisório da sociedade, que é o problema, o problema é para qual estrutura de poder ele funciona. É por isso que nós anarquistas da FAG não estamos em campanha pelo voto nulo. Como já dissemos, votamos nulo por coerência a uma estratégia de construção do Poder Popular. Contudo, do ponto de vista militante, entendemos que nessa conjuntura eleitoral e para além dela, precisamos construir laços de luta, de unidade e uma perspectiva programática desde o nosso local de trabalho, moradia e estudo.

O período em que vivemos demanda a articulação de todo o espectro das lutas sociais que confrontam o modelo dominante do capitalismo brasileiro com um programa mínimo de soluções populares. Construção de unidade dos de baixo, de baixo para cima e que não se confunde com unidade entre partidos, frentes eleitorais ou candidaturas operárias. Criação de um Povo Forte para impor na cena nacional uma nova correlação de forças e que aponte um projeto de transformação social. Em síntese, política anarquista para além do voto e das eleições burguesas.

Ou se vota com os de cima ou se luta e se organiza com os de baixo!

Pela construção de uma inter-setorial dos combativos!

Nem direita, nem governismo! Forjar um programa dos de baixo!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG (Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira – CAB)